Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 799 / 2014

03/12/2014 - 09:54:00

‘Não preciso de emprego’, afirma Teotonio Vilela sobre vaga no TCU

Governador fala ao EXTRA sobre o Tribunal de Contas e nega acordo com Renan Calheiros: ‘É um delírio’

Odilon Rios Especial para o EXTRA

O governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) não quis- por opção dele, segundo disse ao EXTRA- concorrer à vaga de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). Quatro dias antes do Senado Federal anunciar Vital do Rêgo como candidato único à vaga, Vilela falou com a reportagem.

Disse que, em 2015, não fará nada além de se dedicar à família. Não mostrou interesse em disputar, no futuro, a vaga de ministro o tribunal.“Ali é emprego. Não preciso de emprego”, disse Vilela. As declarações foram dadas pouco antes da entrega da Medalha Marechal Deodoro da Fonseca, no Memorial à República, no dia 21. A conversa não foi gravada. Ao lado, a subsecretária de Comunicação, Eliane Aquino, e assessores do governador.“Deixa eu te dizer: o José Múcio [Monteiro, ministro do TCU] me ligou e disse que eu teria os votos de todos os ministros.

Não quis porque disse que 2015 não participo de nada, só 2016. Daí ele me disse que cavalo selado não passa duas vezes”, descreveu Vilela.O governador não mostrava desdém pelo posto. Mas, parecia esconder o jogo completo. Nutria auto confiança. Garantia não haver acordo dele com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB). “É um delírio. Você diz que eu tenho um acordo. Daí eu fico procurando que acordo é este”. Sorria.

Chamado pelos demais convidados, Vilela se dispersa da reportagem e segue para a solenidade.Os caminhos do governador em 2015 parecem estar traçados: mergulhará do cenário político e eleitoral. Já disse em declarações anteriores que, se tiver saúde, disputa o Senado em 2018, ao lado de Renan. Só que nem ele descarta disputar o posto do TCU. Nem mostra- pelo menos publicamente- rusgas com a equipe de transição do futuro governador Renan Filho (PMDB).

“Os trabalhos [da equipe de transição] se encerram em 31 de dezembro”, dizia um apressado secretário do Gabinete Civil e coordenador da equipe do lado de Vilela, Álvaro Machado. A pressa era para receber os convidados na entrega da Medalha Marechal Deodoro da Fonseca, entre eles o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, e o senador Aloysio Nunes, vice tucano de Aécio Neves na disputa presidencial. Dos dois lados, respeita-se o silêncio quanto aos números repassados e a situação das contas do Estado. Renan Filho se esforça no teatro político para passar uma imagem positiva de “paz e amor”. Porém, foi a Brasília atrás de recursos federais no Governo Dilma Rousseff, que terá um país, em 205, segundo analistas econômicos, em situação fiscal mais apertada.


Equipe

Ao mesmo tempo, as discussões sobre a formação do secretariado revelam nomes com poucas surpresas. O jornalista Ênio Lins- que coordenou a campanha de Renan Filho- assume a Secretaria de Comunicação. Descartado para a Secretaria da Fazenda, o vice Luciano Barbosa (PMDB)- novamente- é cotado para esta pasta ou a Educação.Há expectativa quanto aos nomes que ocuparão a Secretaria de Defesa Social. Renan Filho tem ligações com a Associação dos Delegados, por sua vez próxima ao deputado federal Francisco Tenório (PMN), aposentado por invalidez e que ganhou as eleições para a Assembleia Legislativa.

Tenório é acusado em assassinatos e de integrar a organização criminosa que desviou R$ 300 milhões da folha de pagamento da Assembleia Legislativa.Para garantir a permanência do Brasil Mais Seguro, Renan se reuniu em Brasília com a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki.

O encontro também serviu para sinalizar o estilo do futuro secretário e os delegados que ocuparão os cargos de chefia na Polícia Civil.Para dar credibilidade às ações do futuro Governo, Renan Filho anunciou medidas manjadas: o corte de secretarias (não disse quais) e de cargos comissionados (não adiantou quantos). Os 69 cargos das secretarias de Articulação Social e Articulação Política serão extintos antes do final deste ano, a pedido do atual governador. Renan Filho adiantou que vai criar a Secretaria de Esportes, hoje uma sub pasta da Educação.Até o dia 15 de dezembro, os nomes de todos os secretários (e as medidas de austeridade nas contas públicas) devem ser anunciados.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia