Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 796 / 2014

12/11/2014 - 20:16:00

SURURU

Diálogo ou secessão?

DA REDAÇÃO

O filósofo Luiz Felipe Pondé, colunista da Folha de S. Paulo foi quem melhor captou a mensagem de Dilma Rousseff  ao propor diálogo com a oposição, logo após sua vitória nas urnas. Na coluna do dia 3, intitulada “Diálogo ou secessão?”, Pondé questiona as reais intenções da presidente e sugere que a oferta de diálogo deve respondida com uma “política de secessão” que marque a continuidade da polarização política.  O colunista indaga: “Seria este o mesmo tipo de diálogo oferecido à ‘Veja’? Ou às depredações que a militância petista fez à Editora Abril? Ou as mentiras usadas contra Marina e Aécio durante a propaganda política?” Luiz Felipe Pondé lembra que o PT ensinou bem o ódio político ao Brasil e agora poderá provar do próprio veneno. “A presidente ganhou a eleição, mas nem por isso ela deve se iludir e pensar que representa o Brasil como um todo: não, ela representa apenas metade do Brasil. A outra foi obrigada a aceitá-la”, diz o filósofo. 

Herança tucana 

Além de U$ 150 milhões em caixa, Vilela promete entregar o governo ao su-cessor sem nenhuma dívida vencida. Até a folha de dezembro dos servidores públicos será paga dentro do mês, segundo fontes da Secretaria da Fazenda. 

Herança tucana 2

Já que promete botar as contas em dia até o dia 31 de dezembro, o governo tucano deveria resolver também o imbróglio da Área B do polo de Marechal Deodoro. Algumas indústrias estão se instalando em área sob litígio e tem tudo para terminar em escândalo. 

Fogo na Sefaz

Até agora o secretário Maurício Tolêdo não conseguiu formar a pretendida Comissão de Incineração destinada a queimar documentos oficiais dos oito anos do governo tucano. Nenhum servidor quer assumir o papel de Nero das Alagoas e ninguém sabe quais documentos irão virar cinzas. 

Renúncia fiscal

O governador Téo Vilela assinou decreto prorrogando para dezembro de 2015 o início do pagamento parcelado de débito fiscal de várias usinas de açúcar e álcool, que já deveria ter sido pago.Trata-se de dívida remanescente do segundo acordo dos usineiros, que prevê execução judicial do débito em caso de atraso de três parcelas. Ao invés disso, Vilela preferiu conceder novo prazo aos caloteiros.

Sem medo do PT 

O primeiro discurso do presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), no plenário do Senado após as eleições de 2014, na quarta-feira (5/11), foi marcado pelo agradecimento aos 51 milhões de brasileiros que confiaram em sua candidatura à Presidência da República. Aécio afirmou que o Brasil assistiu ao despertar de um novo país nas urnas - crítico, sem medo e mobilizado, com voz e convicções.“Esse é o fato mais marcante, extraordinário e maravilhoso dessas eleições, que a história haverá de registrar: nós assistimos ao despertar de um novo país. Um país sem medo. Um país crítico. Um país mobilizado. Um país com voz e convicções. Um país que não aceita mais o discurso e a propaganda que tenta sempre justificar o injustificável. Que tenta esconder a realidade. O Brasil que saiu das urnas é um novo Brasil, onde os brasileiros descobriram que podem eles próprios serem protagonistas do seu próprio destino”, avaliou. 

Te cuida, Rui!

O prefeito Rui Palmeira já teve tempo suficiente para arrumar a casa e mostrar serviço. Para isso, precisa acabar com o excesso de burocracia e botar sua equipe para trabalhar. Até agora, não disse a que veio. 

Alô Lessa!Agora que se elegeu deputado federal, o ex-governador Ronaldo Lessa precisa pensar em quitar sua dívida com os trabalhadores do jornal Tribunal de Alagoas.  Afinal, um dos fundamentos do PDT, seu partido, é justamente a preocupação com o bem-estar dos trabalhadores. 

Jucá de novo!

O procurador-Geral de Justiça do Estado, Sérgio Jucá, será reconduzido ao cargo no final do mês. É candidato único e será reeleito por aclamação. 

Sonegação

A coluna recebeu denúncia de que a dívida do usineiro Nivaldo Jatobá com o Fisco é bem maior que os R$ 55 mi-lhões perdoados pela Sefaz. O calote pode chegar a meio bilhão de reais.

 Sonegação 2 

O governo tucano corre o risco de sofrer um abalo ético até o apagar das luzes de sua administração. Um assessor bem próximo do governador está envolvido até o pescoço num esquema criminoso de sonegação fiscal, emissão de notas frias e outras falcatruas de arrepiar o cabelo.

 Corrupção

Um conhecido juiz da região Norte do Estado está sendo denunciado por venda de sentença. O caso deverá  ser levado ao CNJ para tomar as medidas cabíveis.

Esperteza

A Petrobras já foi autorizada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, a reajustar o preço da gasolina até o fim do mês de novembro. Mesmo assim, alguns postos de combustíveis de Maceió já aumentaram o valor nas bombas causando revolta dos consumidores que alegam estarem sendo vítimas da esperteza dos donos dos postos. 

Prefeitura 

A reeleição de Rui Palmeira para prefeito de Maceió em 2016 vai se tornando cada vez mais difícil. Pelo visto não terá força nem apoio significativo para se manter na prefeitura. Ponto positivo para Ronaldo Lessa e Cícero Almeida, dois aliados do governador eleito Renan Filho e ambos eleitos deputados federais. O que já circula nos bastidores da política é de que os dois podem formar a chapa para enfrentar o filho de Guilherme Palmeira em 2016.

Ostracismo


No início da semana, o governador Téo Vilela inaugurou algumas obras pelo interior de Alagoas. Mas sua estadia no município de Paulo Jacinto, na terça-feira, 4, parece que não animou muito a população. Téo ficou um tempão pelas bandas de lá e mesmo assim não conseguiu chamar a atenção. Do seu lado, apenas o prefeito, poucos vereadores e um grupo reduzido de pessoas. Será que o ostracismo seria efeito de final de governo?

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia