Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 795 / 2014

04/11/2014 - 20:41:00

Agricultores assentados conhecem projetos hidroagrícolas da Codevasf

DA REDAÇÃO

Os primeiros projetos para aproveitamento hidroagrícola do Canal do Sertão Alagoano foram apresentados pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) a agricultores familiares assentados no município de Delmiro Gouveia, semiárido alagoano.

A partir de uma metodologia piloto de desenvolvimento regional participativo, os projetos foram elaborados pela empresa contratada pela Codevasf com a participação dos agricultores assentados. A previsão é que, em cerca de oito meses, os quintais produtivos dos agricultores dos assentamentos Maria Cristina e Moxotó das Areias comecem a receber a infraestrutura de abastecimento de água e irrigação. Agora os projetos seguem para a etapa de licitação.

 Para apresentação e discussão dos projetos, a Codevasf realizou uma reunião com os agricultores do assentamento Maria Cristina das agrovilas I, II e II e do assentamento Moxotó das Areias. O diretor de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Codevasf, Eduardo Motta, coordenou a apresentação dos projetos e destacou que há um ano a Codevasf estava no mesmo local apresentando o Plano de Desenvolvimento Hidroagrícola das Comunidades Rurais Difusas da Área de Abrangência do Canal do Sertão Alagoano, cujos projetos de abastecimento de água expostos na reunião são os primeiros resultados. “Hoje a Codevasf pensa o desenvolvimento de forma participativa.

Não é possível trabalhar a inclusão produtiva sem a ativa participação dos beneficiários – e foi o que fizemos na elaboração desses projetos, quando há um ano estivemos aqui para expor o plano e hoje voltamos para apresentar e discutir com os agricultores assentados os primeiros projetos que levarão água do canal para irrigar os quintais produtivos e água tratada para consumo humano proveniente da adutora da Companhia de Saneamento de Alagoas.

Estamos trabalhando com um modelo inédito de desenvolvimento regional com inclusão social e produtiva”, destacou o diretor da Codevasf.Ele apontou ainda que esta será uma tendência de atuação da Codevasf, especialmente nos projetos de canais hídricos de uso múltiplo. “Esses projetos de desenvolvimento hidroagrícola que estão sendo implantados pela Codevasf nas comunidades difusas ao longo do Canal do Sertão serão modelos a serem adotados para outros projetos semelhantes em nossa área de atuação, como o Canal de Xingó entre Bahia e Sergipe.  

Os projetos contemplam os “quintais produtivos”, com água para irrigação e todo um sistema de irrigação por gotejamento de alta eficiência, que serão implantados pela Codevasf nos lotes dos agricultores e água tratada para consumo humano, trazendo sustentabilidade real a essas comunidades rurais.  “Estamos promovendo o desenvolvimento regional com inclusão social e produtiva”, definiu Motta. Ele acrescentou que, agora, os projetos seguirão para licitação e, em aproximadamente oito meses, os lotes dos agricultores dos assentamentos devem começar a receber a infraestrutura de abastecimento de água e irrigação.  

Uma das lideranças dos agricultores assentados no sertão de Alagoas, Marquinhos Sem Terra, que também integra a Coordenação Estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), vê o envolvimento dos agricultores nas discussões sobre os projetos que levarão infraestrutura aos assentamentos como uma demonstração de compromisso da Codevasf com os sertanejos.  

Obra iniciadahá 20 anos O Canal do Sertão Alagoano é uma obra planejada e executada pelo governo de Alagoas há aproximadamente 20 anos, com recursos do próprio Estado e do Ministério da Integração Nacional – posteriormente, a obra foi incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Sua água tem sido usada para mitigar os efeitos da estiagem por que passa o estado.  Pontos de abastecimento localizados em Delmiro Gouveia e Água Branca encurtaram a distância para abastecimento de caminhões-pipa que distribuem água para famílias de Inhapi, Canapi, Pariconha, Mata Grande, Olho d’Água do Casado, Delmiro Gouveia e Água Branca. Quando concluído, o canal terá 250 quilômetros de extensão e abastecerá 42 municípios.        

A Codevasf trabalha na elaboração dos projetos para implantação de adutoras que atenderão 102 comunidades rurais situadas ao longo do Canal do Sertão alagoano. As adutoras levarão água para abastecimento humano e produção hidroagrícola a assentamentos da reforma agrária, agrovilas e povoados difusos que sofrem com os efeitos da estiagem prolongada no semiárido de Alagoas. 

As adutoras deverão beneficiar aproximadamente 9 mil famílias ao longo do Canal do Sertão Alagoano nos municípios de Delmiro Gouveia, Água Branca e Pariconha. Cada adutora atenderá a diversas comunidades que estejam próximas umas das outras.

 Segundo o superintendente regional da Codevasf em Alagoas, Ivan Craveiro, os projetos serão executados à medida que ficarem prontos, sem necessidade de aguardar a finalização de todos. “O Canal do Sertão alagoano é a principal obra em execução no estado de Alagoas e é provido com águas do rio São Francisco. Diante da necessidade do acesso à água, bem de valor imensurável, os projetos serão executados concomitantemente com sua elaboração, visando mitigar a seca com agilidade no acesso à água”, declarou. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia