Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 793 / 2014

21/10/2014 - 13:20:00

JORGE OLIVEIRA

 Rio - Nós, os nordestinos, – eu sou alagoano – até quando vamos servir de massa de manobra para políticos oportunistas, corrutos e inescrupulosos? Pois é, nessas eleições, mais uma vez, o alvo somos nós, os miseráveis, a sub-raça, que vive a troco de migalhas dos petistas que louvam a doação do Bolsa Família como um grande favor, uma esmola aos famintos dos guetos da seca. Basta! Os nordestinos precisam ser tratados como trabalhadores sérios, guerreiros e resistentes à discriminação dessa classe política que só mira o voto deles nas eleições. Chega da cuia de farinha. O Nordeste precisa de um projeto real para se desenvolver.

 

Nem bem terminou a campanha, a Dilma voltou-se para o Nordeste. Com um sorriso maroto de quem esqueceu a região e suas principais obras do PAC 1 e 2, foi levar aos nordestinos a garantia de que o Bolsa Família vai continuar. Ou seja: mais de 50 milhões de pessoas vão ter o que comer porque o “papai PT” vai garantir a ração que engorda com farinha o bucho das crianças remelentas e miseráveis sem perspectiva de futuro. O PT não leva ao Nordeste proposta alternativa que possa livrar dos grilhões do Bolsa Família parte dessa população pobre.Nos últimos doze anos, o governo federal  investiu pouco na infraestrutura do Nordeste.

 

O Canal do Sertão, divulgado como a redenção da região para acabar com a seca, fortalecer a agricultura e levar água potável para a população continua se arrastando, com as obras paralisadas em todas as frentes. Se a região cresceu, foi porque alguns empresários abnegados investiram lá sem a retaguarda do governo.

 

A refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que iria custar 2,5 bilhões de reais, já está nos 22 bilhões. É assim mesmo: quando se leva alguma coisa para o Nordeste os políticos depenam os cofres púbicos e transformam obras como essa da refinaria em um canteiro de corrupção.A presidente Dilma não está visitando o Nordeste levando uma proposta de governo para a educação, saúde e segurança pública. Não detalha nos seus programas eleitorais projetos para desenvolver a região, para atrair empresas e gerar renda e emprego. Aliás, nos programas anteriores, Dilma tentou tapear os eleitores com propostas evasivas como se todos os nordestinos fossem débeis mentais.  Permaneceu batendo na mesma tecla: aumentar o Bolsa Família, o programa que escraviza o nordestino e o transforma em cabos eleitorais indolentes.

 

Manipulação

 

É no Nordeste que o PT faz a diferença nas campanhas. Lá, na região, é mais fácil manipular o voto. Junta-se os analfabetos e semianalfabetos em um curral, distribui uma sacola com alimentos e uns trocados e... pronto. O miserável corre para as urnas feliz da vida. Durante uma semana, pelo menos, ele vai matar a fome e mastigar um pedaço de carne seca com os cacos dos dentes que lhe restaram.

 

Vazio

 

Nos últimos programas eleitorais ainda não se conhece um projeto de governo para o Nordeste nem dos petistas nem dos tucanos que vise a tirar a região da miséria que não dependa do Bolsa Família. Mesmo quando esses governos estiveram nas mãos de nordestinos como Collor e Sarney a miséria não diminuiu. Veja você que a própria Marina, quem diria, num ato demagogo, ofereceu décimo terceiro para os que recebem o Bolsa Família. 

 


Discriminação

 

Diante de atos fisiológicos de políticos tão despreparados, a pergunta é: o que os nordestinos podem esperar desses políticos que discriminam a região mas mantém as pessoas sob o cabresto da miséria para se servir delas de quatro em quatro anos?  

 


Covardia

 

Os tucanos não têm pegada. Alckmin e Serra já chegaram ao segundo turno com o PT e entregaram os pontos. Agora, pela primeira vez, o PSDB chega às eleições à frente do PT, mas ainda está capengando para quem precisa mostrar força e convencer o eleitor de que é a melhor opção para o Brasil. Aécio está deixando que a mídia providencie a desconstrução da Dilma. Aposta que a candidata não resistirá por muito tempo o bombardeio dos escândalos da corrupção na Petrobrás e mais cedo do que se imagina comece a descer de ladeira abaixo. Esquece que o Lula foi para o segundo turno com o Alckmin carregando nas costas o mensalão e ganhou as eleições. 

 


Nervoso

 

Nos programas, Aécio apareceu assustado. Olha o TP – a tela onde corre o texto na lente da câmera – sem disfarçar o nervosismo fruto dos ataques na rede social. Está estáticocomo um robô, sem interagir com o telespectador. Os programas voltaram a repetir o histórico de vida do candidato e perderam uma boa oportunidade de apresentar peças publicitárias novas que o diferencie da Dilma. Parece regiamente pautado pela pesquisa qualitativa que nem sempre acerta pelo pequeno universo de eleitores pesquisados.

 


Ensosso

 

Em compensação, se os programas tucanosão ensosso, sem criatividade, com propostas vazias, o PT apresentou a Dilma também friamente. Assim, ambos os candidatos ficaram a desejar pela pobreza dos programas. Os marqueteiros da Dilma continuam cometendo um erro grave: insistem em manter a candidata no vídeo a maior parte do tempo, fatal para quem carrega uma rejeição de mais de 40%, que beira aos 50% particularmente em São Paulo, o maior colégio eleitoral, onde Aécio teve quase o dobro dos votos. Além disso, continuam a botar no colo da candidata a palavra corrupção, deixando-a claramente na defensiva diante dos últimos escândalos da Petrobras.

 

Pesquisas

 

É claro que os tucanos estão esperando a próxima pesquisa para mexer ou não no programa. Por enquanto ainda apostam que a mídia se encarregará de desconstruir a imagem do PT e consequentemente a da Dilma. Esquecem, portanto, que a campanha de segundo turno é mais curta do que a do primeiro. E, se até lá, não acontecerem fatos novos, a máquina petista pode virar a preferência e dar a volta por cima porque ela está operando ativamente no país. Afinal de contas, mesmo com as dissidências atuais, a chapa de Dilma ganhou quase 60% das 513 cadeiras na Câmara dos Deputados.

 


Escândalos

 

Os tucanos, mais uma vez, estão dando mole. Não custa nada lembrar que isso já ocorreu outras vezes. Em pleno escândalo do mensalão, o PSDB, liderado por Fernando Henrique Cardoso, omitiu-se de fazer oposição mais efetiva no parlamento. Acreditava equivocadamente que a mídia se encarregaria de depenar o prestígio do PT, carcomido pelo noticiário negativo. O resultado todos conhecem: Lula foi reeleito.

 


Propinoduto

 

Percebe-se, agora, que os tucanos enveredam pelo mesmo caminho. Escondem no programa o escândalo da Petrobrás, onde o PT é nominalmente citado por dois delatores como o principal partido envolvido nas propinas da estatal, para não “sujar” o programa. Ora, o país precisa conhecer, em detalhes, para onde vão os 3% que os petistas recebem de suborno das várias diretorias da estatal já que a imprensa tem limitações ao noticiar os fatos. 

 


Debate

 

O eleitor quer saber como funciona essa operação danosa aos cofres da empresa. E só o PSDB, no seu programa eleitoral, pode explicar a vontade esse esquema que a Dilma teima em dizer que não ocorre no seu governo, como se todos nós fôssemos um monte de abestados.Pelo menos no debate de terça-feira entre os candidatos, Aécio ensaiou, mas não foi muito longe, denunciar os escândalos da corrupção na Petrobras. Ainda há tempo do tucano sair do ninho.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia