Acompanhe nas redes sociais:

21 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 792 / 2014

14/10/2014 - 18:41:00

SURURU

O negócio vantajoso

Da Redação

Os autos do processo administrativo 1204009296/2013 asseguram ser vantajoso para o Tesouro do Estado de Alagoas restituir R$ 55 milhões ao Grupo Nivaldo Jatobá pelo inacreditável “prejuízo” de ter suas terras cortadas pela rodovia AL-101 Sul, construída pelo Estado. 

A área de servidão da rodovia, ainda em posse do Grupo Nivaldo Jatobá e, até a fazenda Lagoa Azeda, onde fica a praia do Gunga, de propriedade de terceiros, foi incluída na tenebrosa transação que ignorou um acórdão do Tribunal de Justiça de Alagoas em recurso interposto pela Procuradoria Geral do Estado.

Pelo lado do usineiro Nivaldo Jatobá, a gigantesca valorização das terras decorrente da construção da rodovia foi transformada em prejuízo para justificar uma indenização de R$ 17 milhões e, pelo lado do Estado de Alagoas, a dívida tributária, líquida e certa, do Grupo Nivaldo Jatobá, de R$ 55 milhões - em execução judicial - foi reduzida para R$ 38 milhões em uma indisfarçável conta de chegada.

A cavilosa alquimia jurídica e contábil se realizou entre outubro de 2013 a julho de 2014 aproveitando, como hospedeiros, dois processos que zanzavam pelos desvãos do cartório da comarca de São Miguel dos Campos desde 1991.

 A manobra foi urdida e cometida longe dos olhos da área técnica da Sefaz e do Ministério Público. Em breve o assunto será apreciado pelo CNJ e STJ, pois envolve algumas potestades do Estado de Alagoas.Com a palavra, o Sindifisco.

Te cuida, Renan! 

Renan Filho anunciou que a prioridade número UM de seu governo é a Educação. Sendo assim, o novo governador deve – antes mesmo de assumir o cargo – manter entendimentos com Téo Vilela para sustar o pagamento do contrato de compra de kits escolares com licitação viciada.

A negociata envolve uma firma de Pernambuco e a Secretaria Estadual de Educação, e tem a marca registrada do senador Biu de Lira e do deputado federal Arthur Lira, que comandaram politicamente a Educação nos últimos anos. Como este semanário vem alertando há várias edições, o golpe dos kits escolares pode chegar a R$ 100 milhões e os responsáveis estão pressionando o atual governador para liberar o pagamento.

Vilela já deu provas de que não vai pagar pela roubalheira, mas teme-se que no apagar das luzes do seu governo algum tucano emplumado decida atender às pressões de Biu e de seu filho.  Mesmo que o golpe venha a se consolidar, é obrigação do novo governo entrar com ação judicial para anular o contrato viciado e mandar para a cadeia seus responsáveis, incluindo ai o atual secretário da Fazenda, Maurício Toledo.

Fogo na Sefaz

O secretário Maurício Toledo está formando - às pressas – uma comissão de incineração para queimar uma montanha de documentos oficiais referentes aos oito anos do governo tucano.  O problema é que até agora nenhum servidor quer assumir o papel de Nero por temer processos  futuros.Só Deus sabe o que Maurício Toledo pretende mandar para a fogueira.  

Aconteceu nas eleições

O deputado JHC foi o campeão de votos dessa eleição com 135.929 votos para a Câmara Federal, enquanto seu pai João Caldas teve uma votação pífia de 11.455 votos.n Rodrigo Cunha, filho da ex-deputada trucidada Ceci Cunha, foi o campeão de votos para deputado estadual, com 60.759 votos, fazendo com que sua coligação elegesse mais dois deputados além das previsões.

O caçador de “taturana” delegado Pinto de Luna foi candidato a deputado estadual pelo PT e obteve a inexpressiva votação de 3.976 votos.n Em Alagoas a eleição é de pai para filho. Carimbão emplacou o filho Carimbão Júnior para deputado estadual com uma votação de 14.879 votos, enquanto o vereador Davi Davino elegeu o filho Davi Davino Filho, com 18.562 votos.n Lobão uma figura exótica da famosa região das lagoas teve uma votação surpreendente de 14.002 votos.

Enquanto isso, o deputado Judson Cabral, com  atuação destacada na Assembleia Legislativa, não conseguiu se reeleger. Obteve apenas 16.960 votos, ficando na primeira suplência. Uma pena!

Chico Holanda emplacou o filho como vereador na eleição de 2012, mas foi barrado no baile nas eleições de 2014 para deputado estadual, ficando na primeira suplência da sua coligação com votação de 15.651 votos. A família Pereira

provou que em Teotônio Vilela, Campo Alegre e Junqueiro, é ela que manda nos votos da região. Jo Pereira obteve nas três cidades 23.261 votos. Um grande curral eleitoral da família.

Penedo mais uma vez vai ficar sem representante na casa de Tavares Bastos. O vereador Cidoca, candidato da terra, obteve 19.823 votos e não conseguiu se eleger, ficando na segunda suplência da sua coligação.n O ex-prefeito itinerante Cícero Cavalcante, o popular “Cícero das Cachorras”, foi reprovado nas urnas pelo povo alagoano. Obteve apenas 22.524 votos, ficando na primeira suplência da coligação.

Folclore político

Eleito os novos governantes, é praxe um espertalhão promover a divulgação de notas nos jornais da cidade informando que ele estaria cotado para integrar o primeiro escalão do no novo governo. Não satisfeito, ainda força a barra.- Governador, estão falando que eu vou assumir um alto cargo no seu governo. O que eu digo aos meus amigos?- Diga que foi convidado, mas não aceitou.


Protesto

Professores da rede municipal de Chã Preta fazem protesto nesta sexta-feira (10) pelas ruas da cidade. A categoria cobra do prefeito Audálio Holanda aumento salarial e o pagamento das parcelas do FNDE, que não são repassadas desde março, descumprindo acordo firmado na justiça. Os professores farão greve de advertência por três dias.

Arrocho fiscal

Enquanto aumenta o rigor fiscal contra os pequenos e médios empresários, a Sefaz está prestes a perdoar uma dívida milionária do usineiro Nivaldo Jatobá. Com a palavra o secretário Maurício Toledo.


Gestor padrãoQuem vai hoje ao Hospital Sana-tório percebe grandes mudanças, e para melhor. Tanto em limpeza e atendimento quanto nos procedimentos, sobretudo os voltados a pacientes do SUS, ele se situa agora entre os melhores do estado graças ao empenho do diretor Júlio Bandeira, ex-presidente do Sindicato dos Médicos. 

Gritaria geral

Em Marechal Deodoro, comerciantes e moradores reclamam das obras tocadas ao longo dos últimos seis meses pelo prefeito Cristiano Mateus por toda a cidade. O motivo da queixa é a demora na conclusão. Nos dias de montagem e realização da feira, sexta e sábado, o centro vira um caos, com uma única via de para entrada e saída de veículos e nem ambulâncias conseguem trafegar com facilidade para atender os casos de emergência.


Chamada fatal

Dizem que a prisão de oito vereadores de Joaquim Gomes, acusados de receberem propina do prefeito afastado Toinho Bastos, teve lances dignos de uma tragicomédia. As prisões ocorreram na tarde da quarta-feira (8), durante a sessão que se realizava na Câmara Municipal. Os integrantes do Gecoc (Grupo de Combate às Organizações Criminosas, do Ministério Público Estadual) e agentes das polícias Civil e Militar interromperam a sessão para uma chamada. Quem dizia “presente” era imediatamente algemado e levado para o camburão. Cena grotesca da política atual!


Exemplo
Um dia após as prisões, o PPS de Alagoas tratou de expurgar os recebedores de “mensalinho” até então filiados ao partido

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia