Acompanhe nas redes sociais:

20 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 791 / 2014

08/10/2014 - 18:34:00

PEDRO OLIVEIRA

Faltaram propostas, sobraram pancadas

Chagaremos ao dia da eleição com um número nunca acontecido anteriormente em termos de eleitores indecisos quanto aos votos que darão no próximo domingo. Ainda bem que não é mais uma “coisa nossa”, pois é assim no país inteiro. Mas quero me deter um pouco no caso específico de Alagoas, onde milhares decidirão o seu voto apenas no dia da eleição e outros tantos nem se darão ao trabalho de votar.

Na verdade a “desempolgação” tem identidade reconhecida na falta de capacidade dos candidatos em despertar o interesse dos eleitores. Desde o Guia Eleitoral, passando pelos desastrosos debates e indo para as ruas, o que vimos foi uma verdadeira guerra de acusações mútuas, vocabulário de quinta categoria  e um vácuo na pauta de propostas para solucionar os problemas e melhorar a vida do alagoano.

Vergonhoso antes de tudo essa história imoral de “candidatos laranjas” quando um bando de picaretas a serviço de iguais se prestam a candidaturas sem nenhuma possibilidade de eleição, apenas com o propósito de aparecer no Guia Eleitoral e “vomitar” o script que lhe foi entregue denegrindo irresponsavelmente os adversários, em nome dos que não têm coragem para faze-lo.

São os portadores da podridão eleitoral, os quais a justiça eleitoral, conhece, tem provas, mas por indolência ou conveniência nada faz.Confesso que quase não assisti ao Guia Eleitoral e também não suportei chegar ao fim de nenhum dos debates entre os candidatos.Dos três principais candidatos tive alguns lances de suas participações nesses  programas.

Júlio Cezar cumprindo uma missão espinhosa, mas honrada, fez o que lhe foi possível. Sai desta campanha maior, mais fortalecido, mesmo com um percentual decepcionante de votos. Se prendeu a defender mais o governo do que formular propostas e defendeu muito bem. Benedito de Lira, mesmo com sua vasta experiência política mostrou-se um amador em suas aparições.

Com o marketing repetitivo, cansativo e raivoso, desceu ladeira abaixo a cada provocação. Disse muito do que fez e pouco do que poderia fazer. No final se mostrava visivelmente abatido e desarticulado em suas aparições. Foi destruído por seus próprios marqueteiros, que devem entender de agressividade, mas nada de política e muito menos de eleitor.

O candidato Renan Filho no final das contas há de se concordar, teve o melhor desempenho tanto no Guia Eleitoral, como nos debates. Articulado, centrado e com uma maneira toda peculiar de fazer política desempenhou o papel do novo, mas com experiência e a confiabilidade que o eleitor queria.

Mostrou desde cedo que uma das principais ferramentas de sua campanha seriam as redes sociais e assim o fez com muita competência. Saiu conversando e ouvindo a sociedade e construindo um Plano de Governo calcado nas necessidades dos diversos segmentos com os quais se reuniu. Teve ainda a importante participação de uma juventude voluntária e aguerrida cobrindo cada município do interior e também em Maceió. Pelo seu desempenho tem tudo para liquidar a fatura já no próximo domingo, mas agora é aguardar “a voz das urnas” e a vontade do povo.

Agressão leviana

O candidato ao Governo pelo PSOL, Mário Agra, que carrega a marca de um por cento em todas as campanhas das quais participou, embora ainda imagine-se com destino ou vocação para política, fechou sua participação no último debate com um desempenho desastroso sendo considerado um dos piores. Usou de um espaço nobre para denegrir pessoas sem a menor responsabilidade. Suas críticas ao secretário Alexandre Lages, da Administração, por descabidas e caluniosas, chocou a todos que sabem ser ele um dos mais competentes e éticos valores do atual governo. Se precisou de “habeas-corpus” foi apenas por defender os legítimos interesses do estado, fato que o dignifica. Quanto ao mais se sabe que a “fúria” do acusador dá-se em conta de um processo no qual requeria um indevido pagamento de 60 mil reais ao governo quando na verdade suas contas não iriam além de pouco mais de 20 mil reais e o secretário da Gestão Pública indeferiu o pleito descabido, zelando mais uma vez pelo interesse público e os princípios da moralidade e da legalidade. 

Besteira alagoana

A proibição de venda e consumo de bebidas alcoólicas, mais conhecida como Lei Seca, já chegou a ser aplicada de forma obrigatória em todo o Brasil nos dias de eleições. Atualmente, a aplicação da medida tem ficado a cargo de cada Estado, que publica uma portaria com os critérios de vigência da restrição. Até o momento nove estados já confirmaram a adoção da Lei da Seca no primeiro turno das eleições gerais, no dia 5 de outubro. Espírito Santo, Santa Catarina e Pernambuco, optaram por não colocar a restrição em vigor.  Está comprovado que a medida restritiva é inócua, pois quem quer bebe e bebe-se  muito. Aqui em Alagoas o Tribunal Regional Eleitoral adotou a proibição que considero a maior besteira, sem fundamento e sem cabimento. Quer beber? Beba. Aprontou prende. Bastaria ser assim. Mas aqui sempre se pensa “troncho”. Domingo terei que beber escondido, pois, “sou um fora da lei”.

A PALAVRA DOS CANDIDATOS


BENEDITO DE LIRA

(O candidato Benedito de Lira não encaminhou para a coluna seu texto com propostas para governar Alagoas). 

JÚLIO CEZAR

Amigas e amigos alagoanos, domingo é dia de tomar uma decisão que vai interferir diretamente na sua vida e no seu futuro. Uma decisão que é sua e de mais ninguém. Pense, reflita, escute seu coração. O governador que você quer é uma pessoa como você, um alagoano como você. Alguém que realmente se interessa em resolver os problemas do povo. Porque é povo como você.Onde está escrito que é preciso ter sobrenome pra governar Alagoas? Eu, que nunca estudei em escolas caras, nem nasci em berço de ouro, me sinto preparado para governar nosso estado. Porque estudei, me preparei.

Porque conheço esse estado como a palma da minha mão. Porque sei, por experiência própria, que a educação pode transformar a vida de uma pessoa. E é minha missão trabalhar para que todo alagoano tenha a mesma oportunidade que eu tive. Chegou a hora de Alagoas eleger um verdadeiro representante do povo alagoano. Dia 5 de outubro, vote Júlio Cezar 45. Será uma honra trabalhar por minha terra e pelo meu povo. Muito obrigado pela confiança e nos vemos no segundo turno!

RENAN FILHO

Renan Filho: “Caro Pedro, despeço-me hoje, em sua coluna, deste generoso espaço cedido para a apresentação das propostas dos candidatos ao governo de Alagoas. Nesta mensagem, posto aqui já ter abordado alguns dos principais temas de meu programa de governo, quero destacar sua inciativa como um estímulo ao bom debate, o que merece ser valorizado numa campanha onde, infelizmente, muitos privilegiaram os ataques aos adversários em detrimento da apresentação de ideias.

Em sua coluna, as ideias, as propostas foram elevadas ao nível que deveriam ter sido realçadas por todos os candidatos, em todos os espaços. Fica aqui meu testemunho e meu agradecimento por seu gesto cidadão e de jornalista que aposta no diálogo como forma de aperfeiçoamento das propostas políticas para a gestão do Estado.”


Meu prezado Renan Filho

Obrigado por suas palavras e por sua demonstração de civilidade e compromisso com os interesses de Alagoas. Lamento que seus adversários não tenham tido o mesmo comportamento proposto por mim desde o inicio da publicação do espaço “Palavra dos Candidatos”.

Registro, por um dever de ofício, que você foi o único dos principais candidatos que cumpriu com o compromisso e todas as semanas encaminhou suas propostas ininterruptamente. Os demais, ou por falta de propostas, ou mesmo por descaso, não cumpriram o compromisso e fizeram pior: transformaram suas campanhas em depósitos de ódio e frustrações, desrespeitando o eleitor e preferindo o ataque sujo e muitas vezes mentiroso, baixo e despropositado.

O alagoano queria ver e ouvir propostas para escolher seu candidato. Durante as últimas semanas recebi inúmeras mensagens de leitores, alguns condenando o baixo nível de ataques pessoais e “desconstrução” de candidaturas por ataques sórdidos e muitos elogiando sua conduta e o nível de suas propostas para uma Alagoas melhor. Por todos estes motivos e por acreditar ser você o melhor nome para governar Alagoas entre os que se apresentam neste pleito é que abraço sua candidatura e votarei no próximo domingo. Pedro Oliveira.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia