Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 791 / 2014

08/10/2014 - 18:30:00

A saúva e o corrupto

César Oliveira Jornalista e cronista

Desde que em nossas terras tropicais, aportaram os europeus sedentos por lucros no século XV, que nos deparamos com o combate ao controle da formiga cortadeira.                       

Ao longo de séculos seguintes, os exploradores de nossas riquezas agrícolas conseguiram refrear o ímpeto devorador das saúvas, colocando hoje o Brasil como o país gigantescamente exportador de grãos.Porém, ao mesmo tempo, na história política/social do Brasil, ainda não encontramos um pesticida capaz de eliminar definitivamente a CORRUPÇÃO, que provoca um estrago mensurável na nação.

Por nossa plaga verde/ amarela por ano, são 100 Bilhões de reais escondidos dentro da nave mãe da corrupção, como folhas no formigueiro das saúvas. Esse total representa 2,3% do PIB, motivado por desvio de verba pública, perda de eficiência de investimento, distorções na concorrência e falta de segurança para os empreendimentos.É hora de combatermos a corrupção eliminando os corruptos.

No dizer de Frei Betto, o corrupto não sorrir, agrada; não cumprimenta, estende a mão; não elogia, incensa; não possui valores, apenas saldo bancário, de tal modo se corrompe que nem mais percebe que é um corrupto. A política é uma ciência e como tal deve ser exercida com zelo e decoro. As saúvas mantem o equilíbrio do ecossistema, enquanto o corrupto desequilibra a ordem social.

O corrupto confunde tomar posse no cargo público com tomar posse do cargo público, as formigas saúvas trabalham para a coletividade, os corruptos para seus clãs e asseclas.Sem fazer apologia a rejeição politica, mas combatendo os males da corrupção de forma transversal pela educação, pela prática da cidadania, pelas manifestações de rua de maneira democrática e principalmente pelo exercício do voto consciente, pode-se exterminar essa praga que tanto assola o país. O maior bem de uma sociedade é sua sabedoria, seu maior mal é sua ignorância, como já afirmava Sócrates na Grécia antiga.

A sabedoria tem haver com a humildade intelectual e não com a quantidade de saber. O ignorante é arrogante porque pensa que sabe. A sabedoria de um povo passa por sua capacidade de escolher entre o bem e o mau, entre viver dignamente ou escolher ser capacho de corrupto.

No ano que se encaminha para novas eleições, as velhas aves de rabina, estarão mais uma vez na caminhada em busca de cargos públicos para se apossar do dinheiro público. Então, para você quem é mais nocivo? As saúvas ou os corruptos? 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia