Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 791 / 2014

08/10/2014 - 18:28:00

Deus existe. Não duvidem

Alari Romariz Torres Aposentada da Assembleia Legislativa.

A pessoa menos indicada para falar em religião sou eu. Meu pai se dizia ateu, mas era uma criatura humilde, dedicada, carinhosa e sempre ajudou aos necessitados.   

 Fui uma assídua freqüentadora do Convento dos Capuchinhos, dos 9 aos 14 anos, mas o meu objetivo principal era jogar voleibol. Nosso mestre, Frei Egídio, nos obrigava a ir à Missa todos os domingos. Aprendi muito com ele.     

Casei com um homem extremamente católico que não gostava de ir à igreja sozinho. Entre idas e vindas fizemos um acordo amigável: iria com ele às Missas aos domingos e só. Faz 51 anos que cumprimos o combinado e passei a gostar da Igreja Católica.Descobri que as leituras e o Evangelho poderiam render grandes frutos. Levo para o dia a dia de minha vida o que leio na Bíblia e tenho os meus preferidos: O Salmo do Bom Pastor e a Parábola do Filho Pródigo.     

Aprendi com a idade que existe um Ser Superior regendo nossas vidas. Não comandamos os acontecimentos diários, não sabemos quando vão chegar desastres ou boas novas. Somos sempre surpreendidos por novidades trazidas do acaso. Então, alguém lá em cima, rege tudo que ocorre aqui embaixo.     

Já freqüentei várias igrejas evangélicas. Na infância, ia à Igreja Batista do Farol e me encantava com a Escola Dominical. Respeito os ¨crentes¨, entretanto há algumas dissidências que chegam ao exagero. As curas que vemos na TV não me convencem. Alguns Pastores muito novos, com pouca experiência, falando errado e enriquecendo, são irritantes. Admiro, no entanto, as igrejas sérias que sabem praticar a religião e mostrar ao povo a sabedoria de Deus.     

Durante certa campanha eleitoral visitei muitas igrejas evangélicas em Maceió. Um Pastor me convenceu e me pareceu um homem sério. Era o Pastor mais importante da Assembleia de Deus. Pediu-me para falar a um grupo de mulheres sobre o Dia dos Pais. Depois me parabenizou e disse: ¨A Senhora é muito avançada¨.     

Certa feita, recebi a visita de 3 Pastores. Educadamente, pediram-me que não fosse de calças compridas nas visitas às igrejas. Expliquei que precisava subir em caminhões, mas passei a levar uma saia e trocava de roupa depois dos comícios. Discordo da opinião deles , mas soube respeitá-los.   

 Por curiosidade, fui umas quatro vezes a Centros Espíritas e li alguns livros dessa doutrina. Consigo ver algo de bom, mas não me convenço muito a ponto de considerar-me espírita. Todavia, conheço pessoas maravilhosas que professam tal religião e vejo sempre Deus em muita coisa que eles dizem. Só pode ser um caminho do bem.     

Não me arrisco a falar de outras religiões, pois delas nada conheço, mas se praticam o bem, a caridade, o respeito ao próximo, claro que merecem toda minha consideração.     

Criei meus 4 filhos ensinando-lhes o respeito a Deus, levando-os à Missa sempre que possível, incentivando a humildade que herdei de meu pai, mostrando-lhes a importância de respeitar as outras pessoas e procurando praticar o bem sem olhar a quem. Eles não são muito religiosos, vão à Missa de vez em quando e a mais nova é espírita.     

Hoje diria a vocês, caros leitores, que sou católica por adoção. Mas fiz grandes amigos na Igreja; independente de posição social vejo grandes lições de vida e sinto falta se não posso ir à Missa dominical.   

 Peço a Deus todos os dias ajuda para levar a vida com tranqüilidade, sabedoria, saúde e paz de espírito. Mas, não agüento injustiças e reajo vigorosamente quando sou machucada.     Acredito piamente num Ser Superior que rege nossos passos, conduz nossas vidas e nos ensina o caminho do bem.     Daí, porque digo todos os dias: Deus existe. Não duvidem!!!

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia