Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 791 / 2014

08/10/2014 - 11:17:00

Exerça o seu direito

JORGE MORAIS Jornalista

Estamos nos aproximando do chamado dia “D”. Neste domingo (05), os brasileiros vão exercer o seu direito como cidadão, praticando um ato de cidadania na escolha de seus governantes. É o livre exercício da democracia que estará em jogo, quando, frente a frente com as urnas, presidente, governadores, senadores, e deputados federais e estaduais estarão sendo votados e, nem sempre aqueles que consideramos como os melhores estarão sendo eleitos.Mas, certo ou errado e bom ou ruim, essas situações fazem parte do jogo político. E, se eu fosse à pessoa mais indicada para dizer alguma coisa nesse memento, reforçaria: não deixe de votar.

Sua indignação com a classe política a gente entende; a obrigação de sair de casa para votar, é uma exigência da legislação eleitoral brasileira; o desrespeito ao voto que você deu; as promessas de campanha não cumpridas depois; as denuncias e comprovações do desvio de verbas; e tantas outras coisas que acontecem, realmente deixam os eleitores indignados.

Apesar de tudo isso, você sabia que deixando de comparecer a sessão eleitoral, além de se justificar depois e ainda ter que pagar uma multa, você está colaborando para diminuir o coeficiente eleitoral e, com isso, favorece a quem já está no poder? Explico: O que define a quantidade de votos que o candidato precisa para se eleger é o número relacionado ao comparecimento desses eleitores as urnas.

Portanto, quanto menor o número, o candidato que está no poder vai precisar de menos votos para continuar por lá.Se ainda assim, você resolver sair de casa para votar em branco ou anular o seu voto, como protesto, faça isso não, porque você estará ajudando a manter no poder os que já estão no poder, pois os cálculos são feitos sobre o número de votos válidos.

Por isso, mesmo contrariado, vá votar e escolha aquele ou aquela que você acha que merece o seu voto ou, pelo menos, vai lhe enganar menos ou pode até corresponder depois.Não estou aqui dizendo que, quem está no poder não merece ser votado ou que não deve continuar. O que estou querendo dizer é: faça uma escolha pessoal.

Faça uma análise de quem pode ser melhor para o seu país ou seu estado. Não escolha pelo ouvir dizer, pelo disse me disse, porque disseram que ele é bom, porque ela vai resolver tudo.

E olhe que estou escrevendo para as classes sociais mais elevadas, abastardas, da Ponta Verde, formadores de opinião, aqueles que sabem o que querem. Estou escrevendo para quem lê jornal, porque o pobre não tem dinheiro nem para comprar o pão de cada dia, não vai comprar jornal para se ligar numa conversa dessas. O voto da periferia é outra história.

Não quero dizer também que toda essa gente que mora na periferia vende o seu voto, mas é exatamente por onda circula essa onda da compra que, dizem, no dia da eleição, chegar a custar 100 reais, principalmente nas chamadas grotas.

E no interior do estado? As informações dão conta de que nos sítios, povoados e onde o analfabetismo se alastra, é mais presente, é que ninguém dá jeito mesmo. Por essas bandas, o que vale mesmo é a mala do dinheiro dos cabos eleitorais, porque o eleitor não sabe quem é João nem Maria, e que só sabe que vai votar no doutor.     

Portanto, meu amigo, neste domingo (05), exerça esse direito ao voto, com licença da palavra, é quase sagrado. Nesse dia, ele vai ser a sua arma. É com ele, que você vai poder colocar ou tirar do poder quem nunca fez nada pelo povo, pelo seu país ou pelo seu estado, porque eles vão depender da soma dos votos dados e confirmados no verde da urna eletrônica.

Me junto ao TSE que pede uma eleição limpa, justa e democrática, e apesar de entender que isso é ainda difícil, precisamos votar pela ordem para escolha dos futuros deputados estaduais, federais, senadores, governadores e presidente. E tenho dito...   

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia