Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 791 / 2014

08/10/2014 - 10:25:00

SURURU

Golpe dos kits escolares chega a R$ 100 milhões

DA REDAÇÃO

O golpe dos kits escolares contra os estudantes alagoanos vai além da fraude em certames licitatórios e vem sendo praticado desde 2010. O esquema alcança também as compras de carteiras escolares. O golpe ocorreu no período de 2010 a 2013. Em 2010 e 2011 atingia a soma de mais de R$ 50 milhões só nos kits escolares.

A Fergbras faturou em 2013 R$ 17 milhões e em 2012 mais de R$ 10 milhões.A Secretaria da Fazenda constatou fortes indícios de que as empresas fornecedoras dos kits e carteiras escolares nunca entregaram todo o material escolar. A empresa que forneceu os kits escolares à Secretaria da Educação foi a WEJ, de Pernambuco, que faturou mais de R$ 50 milhões em 2010 e 2011. 

A WEJ tinha como fornecedores as empresas RM Distribuidora, RM Santa Cruz, APL Atacadão e Aliança Papéis, todas de Alagoas, que apenas faturavam o material sem dispor de registro idôneo das compras; vendiam o que não compraram. Para dar uma aparência de regularidade a quadrilha contava com uma autorização da Secretaria da Fazenda para validar, em gabinete de portas fechadas, o trânsito do material até as escolas, sem nota fiscal, através de memorandos, pois as únicas notas fiscais apresentadas eram faturas do total da compra; as notas fiscais referen-tes às remessas para as escolas nunca existiram.

 E mais: a Secretaria da Fazenda não encontrou qualquer registro da logística utilizada para distribuir milhares de kits e carteiras escolares em centenas de escolas espalhadas por todo o Estado.A Controladoria Geral da União e o TCU estão no encalço do bando em Alagoas, Pernambuco e em outros estados, onde também ocorrem superfaturamentos e outras fraudes através da WEJ. 

O esquema burlava o processo de entrega de cada kit escolar. As assinaturas dos recibos do material, se existentes, devem ser falsas, considerando a inexistência do material escolar no estoque dos fornecedores. Tem muita gente indignada com o golpe dos kits e carteiras escolares das criancinhas que também são roubadas na merenda escolar. 

 Mas este golpe é praticado por outras empresas no qual cada quilo pesa, no máximo, oitocentos gramas, além do superfaturamento.Com a palavra, o senador Biu de Lira e seu filho,  deputado federal  Arthur Lira, que nos últimos anos comandaram politicamente a Educação em Alagoas.  

Tensão em Cajueiro

Ex-secretário de Assistência Social do prefeito Cícero Almeida, o candidato a deputado estadual Francisco Araújo (PRTB) denunciou ao Ministério Público e prestou queixa na polícia da intimidação que sofreu na segunda-feira à noite em Cajueiro, onde já foi vereador. Sem querer apontar possíveis mandantes, ele foi perseguido por motoqueiros na saída da cidade e diz que considera a intimidação um ato de desespero de seus adversários.

Será o Benedito?

O Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) em Alagoas tem insistido na necessidade de ser apurada a coleção de aposentadorias exibidas por Biu de Lira. No dia 17 de setembro, o MCCE deu entrada numa representação solicitando que o “Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado (MPE), no âmbito de suas competências, investiguem a legalidade das três aposentadorias recebidas pelo senador: como vereador, procurador do Estado e deputado estadual”. E o pior: se a justiça não tomar uma atitu-de, Biu ainda pode tentar somar mais uma aposentadoria: a de senador (ainda tem quatro anos de mandato). E se ele resolve também pedir aposentadoria pelos quatro anos de deputado federal?

Renan X Biu

Renan Filho venceu mais um debate, desta vez o promovido pela TV Gazeta, na noite de terça-feira, 30. E foi o único a verdadeiramente apresentar propostas entre os candidatos a governador de Alagoas. O candidato do PMDB mostrou – mais uma vez – postura, firmeza, objetividade e conhecimento técnico ao responder e esclarecer sobre projetos para tornar Alagoas um lugar com mais oportunidades para o alagoano.Já no primeiro bloco, Renan Filho esclareceu ao candidato Benedito de Lira que seu partido não foi responsável pela criação do Programa de Demissão Voluntária (PDV). O programa foi a alternativa encontrada pelo governo Divaldo Suruagy/Manoel Gomes de Barros para enxugar a folha estadual. Detalhe: Suruagy apoia a chapa adversária.

Calote 

O Hospital do Açúcar precisa sofrer uma auditoria séria por parte dos órgãos de fiscalização, para investigar o destino dos recursos públicos enviados à entidade. Após se envolver em  desvios de verbas, o hospital agora é acusado de dar calote na construtora que reformou o setor de obstetrícia. A reforma da maternidade superou a emergência da falta de leitos provocada pelo fechamento da Santa Mônica.    

Clientelismo

1 TRE e Polícia Federal precisam estar atentos ao uso de fundações ditas sem fins lucrativos e clínicas populares em tempos de eleição. A história tem demonstrado ser um padrão entre seus responsáveis a utilização das mesmas na caça aos votos, aproveitando-se principalmente da omissão do poder público em suprir as necessidades da população carente.Clientelismo

2 Um dos exemplos mais nítidos está nas ações do Instituto Galba Novaes, hoje sob o comando do vereador Galba Novaes Filho (PRB), candidato a deputado estadual, cargo para o qual também concorre nestas eleições seu filho, Galba Novaes Netto (PMDB). Ginástica e fisioterapia são alguns dos serviços que o instituto oferece de “graça” em Maceió, mas para cuja inscrição o título de eleitor é sempre documento requerido.

Fundeb

As prefeituras têm até metade do mês para corrigir informações avaliadas pela Fundeb e garantir repasse da União à educação. As alterações necessárias podem ser feitas por meio do portal Educacenso www.educacenso.inep.gov.br


Destaques 

Três nomes devem aparecer com destaque como deputado federal. Ronaldo Lessa e Cícero Almeida apostam na força da capital. Já Marx Beltrão revelou no pleito desse ano uma das maiores estruturas para eleger um candidato a Câmara Federal. 


Grata surpresa 

Coronel Ivon é  uma das novidades positivas desse pleito. Figura serena e de posicionamentos firmes é a revelação dessa eleição. Alagoas vem dando o sinal que quer mudança. Um eleito Pelo menos um vereador por Ma-ceió chegará a Assembleia Legislativa. Estão no páreo: Wilson Júnior, Dr.Cléber Costa e os pastores Marcelo Gouveia e João Luiz. 


Adeus

Téo Vilela sente o clima de fim de governo. Antigos aliados hoje estão ao lado de Renan e Biu. O governador deve juntar os cacos e se reinventar para tentar novos voos em 2018. 


Picareta 

Tem um deputado de  mandato dizendo que brigou pela  infraestrutura da Av. Nações Unidas. Mentiroso! Fica esperto eleitor. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia