Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 788 / 2014

17/09/2014 - 08:57:00

Ex-presidente do PEN que fez acusações contra Renan trabalha para Arthur Lira

Gerson Guarines foi nomeado secretário parlamentar do filho de Benedito de Lira, em Brasília, com vencimentos de mais de R$ 2 mil

DA REDAÇÃO

O candidato a governador de Alagoas Benedito de Lira (PP) em seu programa eleitoral de rádio usou uma declaração registrada em cartório pelo ex-presidente do Partido Ecológico Nacional (PEN), Gerson Guarines, no qual alega ter deixado o partido porque estava sendo pressionado para apoiar Renan Filho (PMDB).

O que de fato ele se esqueceu de mencionar é que, quatro dias após sair do partido, foi contratado pelo filho do Benedito de Lira, Arthur Lira (PP) para atuar em seu gabinete em Brasília, como secretário parlamentar do deputado, recebendo  R$ 2.095,00, embora o que se sabe é que ele não dá um dia de trabalho e que apenas foi colocado lá para ser usado pela campanha do senador pepista para atacar a coligação adversária.

 O EXTRA teve acesso ao Diário Oficial da União, no qual consta o nome de Gerson Guarines como secretário de Arthur Lira. A confirmação está na Portaria de número 2.806 das disposições da Diretoria da Coordenação de Secretariado Parlamentar, com data de 13 de maio de 2014. Esse fato chegou ao conhecimento da mídia, após Benedito de Lira utilizar a declaração feita por Gerson Guarines ao cartório eleitoral.

Nela, Guarines alega que sua saída do PEN foi motivada pelas pressões políticas e econômicas exercidas pelo senador Renan Calheiros, que o estaria  substituindo como cabeça de chapa do partido pelo candidato atual Coronel Goulart, que teria aceitado ser “laranja” para a chapa de Renan Filho. 

Tendo o nome envolvido no caso, o EXTRA entrou em contato com o candidato ao governo pelo PEN, Coronel Goulart, que se manifestou sobre o fato: “Não conheço esse Guarines para ele usar meu nome de forma mentirosa. Não tive nenhuma negociata com o senador Renan Calheiros.

A escolha do meu nome partiu do presidente do partido, que convidou os militares para formarem a chapa. O que sei e vejo no horário eleitoral é Mário Agra (PSOL) e Júlio Cezar (PSDB) que já foi locutor do senador Benedito de Lira, sendo usados como laranjas por ele (Biu), com acusações contra o candidato do PMDB”.

 Em seu documento, Guarines assegurou que outros partidos, a exemplo do PPL também estariam sendo usados por Renan como laranjas na eleição, e afirma que o presidente em Alagoas do Partido da Pátria Livre, Sérgio Cabral, teria sido destituído do cargo por não ter aceito as condições dadas pelo presidente do Senado.

 Sérgio Cabral se manifestou sobre o caso através de um site de notícias e desmentiu Guarines. “Surpreso pelo envolvimento do meu nome nas denúncias do Senhor Gerson Guarines, quero dizer que não fui destituído da presidência do PPL- Alagoas e que meu passado responde por si qualquer ilação quanto à independência na condução política do PPL em Alagoas. Luto por um País livre e não vou desistir”. 


GUARINES NEGA

O EXTRA entrou em contato com Gerson Guarines, que negou estar à serviço de Arthur Lira e Benedito Lira. Segundo ele, a informação foi requentada pela imprensa com o intuito de gerar confusão, pois teria feito essa denúncia na justiça antes das convenções partidárias.

Mas o registro da declaração feita por ele à justiça eleitoral com a denúncia é datado do dia 26 de agosto, o que pode se configurar em prova, ao meno de fortes indícios, de que ele estaria a serviço dos Lira, já que o mesmo confirmou votar em Benedito de Lira, apesar de dizer que votará no menos ruim. Guarines informou também que não trabalha mais no gabinete de Arthur Lira e afirmou que o candidato Coronel Goulart é um ficha- suja, que não merece a confiança de ninguém. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia