Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 788 / 2014

17/09/2014 - 08:21:00

O papel do prefeito

A função do gestor municipal é trabalhar; nunca, jamais, movido pelo ódio, usar o poder para intimidar, ameaçar e agredir supostos desafetos

Geovan Benjoino [email protected]

Qual o papel do prefeito? Trabalhar, trabalhar e trabalhar. Prefeito é um gestor público e, como tal, é seu papel desenvolver projetos e programas e executar obras.Um prefeito que se preza nunca desiste de lutar para viabilizar políticas públicas efetivas que transformam de fato e de direito a vida de seus concidadãos.Prefeito não deve se desviar desse papel e se “emprenhar” pelos ouvidos estimulado por “assessores” que são iguais a ervas daninhas: só fazem mal.

Mal à municipalidade, mal à sociedade, mal ao serviço público. Esses “assessores” são abutres, isto é, defensores do quanto pior melhor. Eles adoram “carniça” e se deleitam quando o circo pega fogo. O “mau cheiro” da fofoca e da intriga é um “alimento” que os “assessores” adoram e se deliciam. Por isso, o prefeito deve se afastar dessa gente, se é que podemos denominá-los de gente, a não ser que o gestor municipal também adore “carniça”.

Prefeito não deve se incomodar com críticas. Santo Agostinho enfatizou que a crítica corrige, a bajulação corrompe. É preciso sabedoria para discernir uma da outra.Prefeito que não admite contestação desconhece o princípio do contraditório previsto na Constituição Federal, que está no topo da pirâmide normativa brasileira. O contraditório não é a base da democracia, mas a própria democracia.

Prefeito que usa o poder para intimidar, ameaçar, sufocar, agredir física e moralmente supostos desafetos, é um fraco, um covarde, pois além de ferir o princípio da igualdade, que também tem previsão constitucional, comete injustiça inominável. O poder não é para subjugar, mas para promover o bem coletivo, independente de cor partidária ou de qualquer aspecto.

Quando o prefeito se sentir caluniado, ele deve acionar a Justiça e legalmente postular a respectiva reparação de danos morais e materiais. Nunca, jamais usar a violência.Sentir comichão e perder o equilíbrio porque a imprensa registra os fatose a sociedade organizada se manifesta, não é postura de prefeito, que deve estar sempredisponível para servir à população.

Prefeito não pode reclamar porque trabalha; pois não está fazendo mais do que sua obrigação. Para isso, foi eleito, é pago mensalmente, inclusive com direito a férias anuais, é assessorado por um batalhão de servidores, tem direito a passagens de avião, hotéis cinco estrelas, carro de luxo, motoristas, garçonete, office-boy entre outras mordomias.

Prefeito não pode administrar o município como se fosse sua propriedade particular. Não! Terminantemente não!Prefeito não só deve satisfação, como tem obrigação constitucional de prestar contas à sociedade de cada centavo destinado ao município e de tudo que faz e deixa de fazer. Prefeitura não é fazenda, não é objeto pessoal nem tampouco instrumento de bravatas.

O ser que exerce o cargo de prefeito e não admite uma análise isenta da imprensa e age com desequilíbrio, truculência, arrogância  e vingança, pode ser tudo, menos prefeito. Está no lugar errado.

O papel do prefeito não é vomitar ódio nem proferir asneiras. O papel do prefeito é trabalhar, fazer o bem e ser um instrumento do desenvolvimento e da justiça social.

Prefeito tem que ser exemplo de equilíbrio, sensatez, justiça, honradez, civilidade, mansidão, simplicidade, competência e honestidade.O filósofo grego Sócrates, um dos mais sábios dos homens, afirmou que o pior dos castigos é a gente ser governada por gente pior do que a gente.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia