Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 788 / 2014

16/09/2014 - 18:03:00

Só escândalos

Alari Romariz Torres Aposentada da Assembleia Legislativa.

Estamos em pleno período eleitoral. Ao abrir os jornais, ouvir rádio e ver TV só escutamos e lemos notíicias alarmantes. Desvio de dinheiro governamental, propinas recebidas, participação ilegal em empresas públicas. Um verdadeiro horror.  Aqui, em Alagoas, a maioria dos políticos já virou taturana, gabiru. O pior é que continuam sendo candidatos e o povo está propenso a votar em pessoas que cometeram crimes e não foram presas, envolvidos pelas propagandas bem elaboradas.   

Comecemos por nosso Estado: São duas as mesas Diretoras da ALE que já foram presas, afastadas e acusadas de desviarem dinheiro do Poder Legislativo. Pois bem, quase todos ou parentes deles são candidatos a cargos eletivos. Os eleitores se influenciam por pesquisas, camisas, telhas, dinheiro e votam novamente nos infratores.   

 Notícias são amplamente comentadas- O valor do voto para Deputado Estadual já chega a 400 reais, principalmente no interior do Estado. É impressionante imaginar quem vai conseguir pagar tantos milhões para ser Deputado Estadual.   

 Uma categoria leva grande vantagem no pagamento de cabos eleitorais: os que já são Deputados. O Legislativo paga salário a 900 comissionados, usados na campanha eleitoral.

Cada parlamentar tem 30 servidores instáveis à sua disposição para prestarem serviço aos patrões. Quem quiser saber quanto custa um cabo eleitoral, faça seus cálculos. Isso sem contar que até Diretor da ALE virou cabo eleitoral.   

 Surgiu um novo escândalo: o da Petrobrás. Um diretor querendo diminuir sua pena, denunciou os políticos que recebiam propinas da empresa. Alagoas como sempre, destacou-se na espalhafatosa notícia:  Senadores e Deputados Federais foram denunciados.   

 Continuam sendo candidatos e permanecem soltos. O pior é que estão bem nas pesquisas e o eleitor, temendo votar num bom candidato sem chances de ganhar a eleição, vota no péssimo candidato porque o dinheiro (público) e o poder lhe dão chances de chegar lá. Infelizmente, a mentalidade do povo na hora de votar, não muda.   

Até agora está difíicil escolher o voto em Alagoas. O Biu nem é tão ruim, mas tem o calcanhar de Aquiles: seu filho Artur Lira, taturana, processado na Lei Maria da Penha. Por mais que o pai o defenda, seu passado o condena.   

 O Renan Filho, garoto novo, inexperiente, de família essencialmente política, cujo pai já foi afastado da Presidência do Senado e nome envolvido em vários escândalos, inclusive o recente da Petrobrás. Não creio que o pobre menino traga mudança para Alagoas. Diria que é o novo revestido de políticos velhos, envolvidos em notícias de crimes.   

 Os outros candidatos que lutam por mudanças não conseguem chances de eleição por falta de recursos, fato preocupante, mas presente na realidade eleitoral de nosso Estado.   

O candidato do Governador fala direitinho, se sai bem nos debates, mas não tem o apoio que o governo do Estado deveria dar. Não entendi a jogada do Téo, mas reconheço: meu QI é baixo.   

Para presidente da República está uma festa. Dilma, mais suja do que pau de galinheiro, prometendo mudanças, mexendo com seus Ministros, sendo vaiada por onde anda. Está loira, arrumada, mais gorda, querendo ser humilde. Escândalos mil surgiram com a turma do PT, mas a Presidente desconhece tudo. Um verdadeiro marido enganado!!!   

 O Aécio, coitado, só falta desenterrar o Tancredo. Mas nada surte efeito. Não conseguirá ser Presidente, creio eu. Saiu de Minas envolvido em vários escândalos, negando tudo, dizendo ser um excelente governador.   

 Aí chegamos na Marina. Beneficiada com a morte de Eduardo Campos. É uma candidata de esquerda que já foi Ministra de Lula e saiu por não concordar com os destinos do Brasil na época. Tentou fundar o partido Rede, não conseguiu. Está crescendo nas pesquisas e, creio eu, se for eleita e bem assessorada, poderá melhorar o Brasil.   

 E nós eleitores, quanto mais ouvimos notíicias de roubos, propinas, assustamo-nos. Pagamos impostos, trabalhamos para sobreviver, elegemos homens e mulheres penando em dias melhores e as decepções se sucedem.     

Ainda pode existir uma solução: votar em pessoas limpas, sem envolvimento em crimes e não vender o voto. Na hora de votar o pensamento deve ser um só: o bem do Brasil. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia