Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 785 / 2014

26/08/2014 - 09:16:00

Bom dia mamãe

Geraldinho Gonçalves

Bom dia minha querida MÃE SELÉ! Tudo bem?  Como vai você aí no Paraíso? Pergunto só por perguntar, mas sei que lugar melhor não existe, principalmente para um ser humano como a senhora, boa filha, esposa, mãe, avó, tia, amiga, etc.

Além do que, as companhias devem ser maravilhosas, pois aí é o lugar dos bons, dos melhores, dos  realmente merecedores.Trinta dias se passaram desde a sua viagem definitiva; com certeza encontrastes pessoas queridas e que faziam parte de suas saudades.

Como foi o seu encontro com o GERALDÃO, seu esposo e grande amor. Tenho certeza de que destes o meu recado! Aqui em baixo, querida MÃE, estamos vivendo, com saudades de sua presença física, pois a espiritual continua firme e forte exercendo sua influência sobre nós ao vivo e a cores.

Ainda não tive coragem de mexer em seu quarto, desarrumar o que quer que fosse. Até porque, está servindo de refúgio para mim; é lá que sinto sua presença, seu perfume, seus carinhos, e consigo manter vivo seus conselhos e forças para continuar a praticar a bondade e solidariedade para com os outros como você me ensinou. Farei tudo como me pedistes, doarei aos menos favorecidos, seus pertences pessoais.

Agradeço muito a DEUS essa oportunidade de ter convivido com você cada segundo, minuto e hora dos seus três últimos anos de vida;

foi muito gratificante poder retribuir um pouco do amor e carinho que me destes a vida inteira. Aprender, diuturnamente, que aqueles momentos não seriam eternos mas me ajudariam a enfrentar com tranqüilidade e conformação a sua partida definitiva.

Estou em PAZ comigo mesmo, tenho a tranqüilidade de às vezes deitar-me em sua cama e dormir toda a noite sereno e com a certeza de ter cumprido a minha parte.Para encerrar fique certa de que você faz muita falta, mas a vida continua.

Michela, sua nora, Ivanilda e Basta, suas cuidadoras, ainda não sentiram que a ficha caiu, sua neta Alexandra, sempre a meu lado, sente também o reflexo da sua partida, mas sua bisneta Letícia (8 aninhos), é a mais carinhosa, sempre me abraça e tenta me confortar nos momentos de tristeza.  Resultado: Choramos juntos.Um beijo, um abraço e um queijo!

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia