Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 784 / 2014

20/08/2014 - 02:35:00

Filho de Ceci Cunha busca apoios em Arapiraca para chegar à Assembleia

“Meu nome é Rodrigo Cunha, sou filho de Juvenal, sou filho de Ceci, sou filho de Arapiraca”

DA REDAÇÃO

Na última semana o ex-superintendente do Procon, Rodrigo Cunha, lançou sua candidatura em Arapiraca e emocionou os conterrâneos que apoiam seu nome para a Assembleia Legislativa de Alagoas. A emoção em retornar à terra de sua mãe (Ceci Cunha) ficou clara em toda a fala do candidato, principalmente quando Rodrigo resgatou a conquista do maior objetivo de sua vida. “Sempre achei que a missão da minha vida era dar um desfecho digno à covardia que fizeram com a minha família.

Consegui cumprir com meu objetivo há dois anos e hoje vivo um momento que eu jamais imaginei, mas tenho certeza que me candidatar a deputado estadual foi a decisão mais certa da minha vida”, afirmou. O evento reuniu amigos, familiares, engajados e contou com a presença do candidato ao Senado, Omar Coêlho, e do candidato a Câmara Federal, Rogério Teófilo.

O filho da saudosa ex-deputada federal Ceci Cunha falou emocionado sobre a decisão de ingressar na política: “Aprendi em casa que política é assunto sério e que precisamos ter pessoas de bem para nos representar. Eu acredito em uma forma diferente de fazer política e também vejo na minha candidatura um estímulo para que os jovens da minha geração ingressem na política, pois precisamos de pessoas comprometidas com a população”, disse Rodrigo. Uma das engajadas da campanha, Socorro Catonho, fez um discurso que comoveu todas as pessoas presentes no evento.

“Participei da primeira campanha de sua mãe, Ceci Cunha, e hoje estou muito feliz em estar aqui engajada na sua primeira campanha. Saiba que onde tiver eleitor de Rodrigo Cunha, irei até lá levar sua mensagem de justiça e cidadania para o povo alagoano”, afirmou Socorro. O candidato encerrou sua fala agradecendo a presença de todos. “Eu sou filho de Juvenal, sou filho de Ceci, sou filho de Arapiraca. Muito obrigado pelo carinho e vamos juntos fazer uma Alagoas Diferente”, concluiu Rodrigo.


Fim da impunidade 

“Fim do ciclo de impunidade.” Essas foram as palavras proferidas por Rodrigo Cunha, filho da deputada federal Ceci Cunha, ao termino do julgamento dos algozes da parlamentar. Os sete jurados decidiram pela condenação do ex-deputado federal Talvane Albuquerque e dos seus quatro assessores: Jadielson Barbosa e José Alexandre (o Zé Piaba), Alécio Alves e Mendonça Medeiros. O dia 16 de dezembro de 1996 chegou ao fim na manhã do dia 19 de 2012, quando a “Chacina da Gruta” teve seu desfecho após três dias de julgamento.

A família de Ceci saiu do plenário da Justiça Federal com a certeza de que a justiça foi feita e que o caso emblemático sirva de exemplo para inúmeros casos de crime de mando que continuam impunes em Alagoas. Além da pena de prisão, o médico Talvane Albuquerque foi condenado a indenizar a família das vítimas em R$ 100 mil. Na história das oligarquias políticas do Estado, Talvane se torna um exemplo de figurão que foi julgado, condenado e preso. Outros deputados e ex-deputados do estado de Alagoas também são acusados de participar de uma série


Pistolagem 

Na noite do dia 16 de dezembro de 1998, horas depois de ser diplomada deputada federal pelo PSDB de Alagoas, a médica Ceci Cunha estava na casa do cunhado Iran Carlos Maranhão, no bairro Gruta de Lourdes, em Maceió, em companhia do marido, Juvenal Cunha, e da mãe de Iran, Ítala Maranhão, onde comemorariam a eleição, quando foi morta a tiros por pistoleiros. As outras três pessoas também foram assassinadas.

Ceci Cunha foi atingida na nuca e morreu instantaneamente com uma flor branca no colo.De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal e acatada pelos jurados, o crime teve como motivação a não eleição do médico Talvane Albuquerque para um segundo mandato na Câmara Federal. Matar a deputada Ceci Cunha, então, seria a única maneira de Talvane voltar ao cenário político e à imunidade parlamentar, pois ele era o primeiro suplente da coligação. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia