Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 784 / 2014

20/08/2014 - 02:20:00

Plantadores de cana tentam acordo extrajudicial com a usina Capricho

Fornecedores estão sem receber desde janeiro e se acordo falhar pedirão falência do Grupo Toledo

DA REDAÇÃO

Dezenas de produtores de cana da usina Capricho se reuniram semana passada em Cajueiro para discutir alternativas de receber seus créditos junto à indústria, que desde janeiro não paga o que deve aos fornecedores.  

A maioria é de pequenos plantadores de cana que estão endividados e sem perspectivas de receber o pagamento pelas canas que forneceram à indústria na última safra.  Muitos deles estão sem condições até mesmo de comprar alimentos para a própria família. O encontro de Cajueiro contou com a participação de dirigentes da Asplana, que colocou um escritório de advocacia à disposição dos associados.

A idéia é propor a Capricho um acordo extrajudicial, como ocorreu na Utinga Leão, que mesmo em regime de recuperação judicial, está honrando o compromisso com centenas de fornecedores. Os termos do acordo estão sendo redigidos por um grupo de advogados e deverão ser apresentados aos diretores da usina Capricho na próxima semana.

 “Se falhar esse acordo, vamos à justiça pedir a falência do Grupo Toledo”, informou ao jornal Extra um dos fornecedores que preferiu não se identificar por temer represália da indústria.  

Além da Capricho, em Cajueiro, o Grupo Toledo é proprietário das usinas Sumaúma, em Marechal Deodoro, e Paísa, no município de Penedo, ambas também em crise financeira. Além de não receber os créditos a que têm direito, os fornecedores são humilhados pela diretoria da usina.

“Toda sexta-feira amanhecemos na porta do escritório da usina e lá ficamos o dia todo na esperança de falar com diretor-geral da indústria, Antônio Toledo, que chega e sai pela porta dos fundos, sem falar com ninguém”. Essa foi uma das maiores reclamações dos participantes da reunião em Cajueiro. 

Em tempo: Antônio Toledo é irmão do deputado federal Alexandre Toledo – candidato a vice-governador na chapa de Biu de Lira – e primo de Fernando Toledo, presidente da Assembléia Legislativa, cujo filho Bruno é candidato a deputado estadual.Paisa - A Penedo Agroindustrial S.A. (Paisa) também não vem pagando verbas rescisórias, férias e atraso no vencimento do salário de seus empregados, além de atrasar o pagamento dos créditos de seus fornecedores de cana.

 Semana passada  os trabalhadores da usina paralisaram as atividades durante o período da manha para registrar a insatisfação com a gestão da empresa. O clima de descontentamento já reflete na candidatura de Alexandre, já que a região faz parte de um reduto eleitoral do candidato. A Procuradoria do Trabalho no Município de Arapiraca (PTM) tomou conhecimento das irregularidades trabalhistas através de fiscalização realizada pela SRTE/AL e cobra soluções emergenciais.

A Paisa pertence ao Grupo Toledo, juntamente com as usinas Capricho (Cajueiro/AL), Sumaúma (Marechal Deodoro/AL) e Ibéria (Borá/SP).Em audiência realizada nas dependências da PTM, a empresa informou que “o setor no Brasil vem enfrentando grave crise, e que a usina estaria reunindo esforços para ajustar o pagamento das verbas”. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia