Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 783 / 2014

13/08/2014 - 15:46:00

Patrimônio de candidato ao governo do Ceará é o maior do Nordeste

Renan Filho e Biu de Lira estão entre os ‘lanterninhas’ em relação aos bens declarados junto ao TSE

Carlos Victor Costa [email protected]

Baseando-se nas pesquisas eleitorais feitas em todos os nove estados do Nordeste, o EXTRA escolheu os dois candidatos mais bem colocados na disputa ao governo para fazer as comparações entre os bens declarados e o limite de gastos na campanha. O senador Eunício Oliveira (PMDB), que concorre ao governo do Ceará e lidera as pesquisas eleitorais, tem o maior patrimônio declarado à Justiça Eleitoral entre todos candidatos da região. Ele informou possuir mais de R$ 99 milhões em bens.

As informações sobre o patrimônio dos candidatos fazem parte da declaração entregue por partidos e coligações aos seus Tribunais Eleitorais para registro das candidaturas, cujo prazo terminou no dia 5 do mês passado. O patrimônio de Oliveira inclui mais de 90 imóveis rurais e uma Land Rover. O bem mais valioso é a empresa Remmo Participações, cujo valor declarado é de R$ 19 milhões.

Em relação aos limites de gastos, o senador pretende gastar R$ 67 milhões.Segundo colocado na pesquisa no Estado, Camilo Santana (PT) declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter um patrimônio que não chega a 1% dos bens de seu concorrente.Seus bens estão no valor de R$ 534.576,65. Já o limite de gastos de sua campanha será de R$ 64 milhões. O patrimônio real dos candidatos pode ser maior do que o informado ao TSE.

Isso porque a declaração entregue à Justiça Eleitoral é a mesma feita da Receita Federal, na qual o contribuinte tem de informar o valor de compra dos imóveis, e não o valor atualizado. O dinheiro utilizado para a campanha não parte necessariamente dos bens dos candidatos. Os postulantes podem receber doações dos próprios partidos e de pessoas físicas e jurídicas. 

No Estado de Pernambuco estão em primeiro e segundo lugar respectivamente, Armando Monteiro (PTB) e Paulo Câmara (PSB). O petebista não lidera apenas as pesquisas intencionais de voto, mas também a riqueza. Seu patrimônio está avaliado em R$ 14.917.614,75.

Logo seu limite de gastos na campanha chega a R$ 30 milhões. No caso de Câmara, seu patrimônio declarado à Justiça foi no valor de R$ 364. 299,89 e o limite de gastos de R$ 19.500.000,00. No Rio Grande do Norte quem está na frente nas pesquisas é o atual presidente da Câmara Federal, Henrique Alves (PMDB). Em relação aos bens declarados, ele também está à frente de seu opositor Robinson Faria (PSD). Alves declarou seus bens em R$12.414.019,98 e limite de gastos no valor de R$ 40 milhões.

Já Faria declarou ter R$ 8.333.819,99 em bens e que pretende gastar R$ 18 milhões. No quarto lugar entre os candidatos mais ricos está Lobão Filho (PMDB), concorrente ao governo do Maranhão. Ele declarou bens no valor de R$ 9.881.256,03 e limite de gastos de R$ 50 milhões. Seu opositor na disputa, Flávio Dino, revelou um patrimônio de R$933.605,93 e um limite de gastos de R$ 10 milhões.


PIAUÍ E PARAÍBA 

No Piauí e na Paraíba a situação é diferente. Os dois candidatos que estão em segundo lugar lideram em relação aos patrimônios. O piauiense Zé Filho (PMDB) declarou um patrimônio de R$ 1.948.660,30, com limite de gastos de R$ 20 milhões. E Wellington Dias (PT) revelou para Justiça ter R$ 551.654,68 em bens e que deve gastar na campanha R$ 5 milhões. Na Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB) tem um patrimônio em torno de R$ 1.405.603,81 e um limite de gastos de R$ 25 milhões, enquanto Cássio Cunha Lima (PSDB) afirmou ter R$ 874.430,46 e que pretende gastar R$ 18 milhões na campanha.


ALAGOAS E SERGIPE

Entre os que lideram as pesquisas eleitorais com os menores patrimônios estão: Renan Filho (PMDB) de Alagoas e Jackson Barreto (PMDB) de Sergipe. O filho do senador Renan Calheiros afirmou ter um patrimônio de R$ 784.424,56 e limite de gastos de R$ 59 milhões. Seu opositor, Benedito de Lira (PP) aparece um pouco atrás, com patrimônio de R$723.220,66 e limite de gastos de R$ 30 milhões. Atual governador de Sergipe, Barreto declarou ter R$ 453.016,18 e que pretende gastar na campanha R$ 10 milhões, enquanto Eduardo Amorim (PSC) afirmou ter R$ 283.701,28 e que deve gastar também R$ 10 milhões no pleito. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia