Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 783 / 2014

13/08/2014 - 15:38:00

Candidatura de ET também era figurativa

Odilon Rios Repórter

O caso mais chamativo foi a escolha do procurador Eduardo Tavares para a disputa. Lembrando que ele disse ter saído da disputa por falta de apoio (também financeiro) do Governo.Não é toda a verdade porque a campanha de ET até o dia 25 de julho (ele renunciou no dia 24) havia recebido R$ 1,2 milhão.

Nada mal comparado a Renan Filho (R$ 2,5 milhões) e Biu de Lira (R$ 962,2 mil). Problema era o projeto: garantir a eleição do sobrinho de Vilela, Pedro, a deputado federal e o segundo turno a Biu de Lira.ET rejeitou as duas propostas.Tirado do bolso do colete, ele foi vendido como um nome novo. Sem experiência política, a não ser uma passagem como vereador em Traipu, Tavares não conseguiu juntar nem mesmo os deputados e prefeitos tucanos.

Apontada como resultado de um acordo com Renan Calheiros, essa escolha soou meio estranha no mundo político. Havia quem acreditasse que Téo Vilela estava se guardando junto ao Poder Judiciário em futuras decisões- em especial a da Operação Navalha, cujas investigações voltam a primeira instância no próximo ano. Depois de um mês de campanha, ET alegou falta de apoio e de estrutura.

E abandonou a candidatura. Toda a história de “novo nome” ou “jeito diferente” foi para o espaço.Como explicar que o candidato do governador não tenha tido condições mínimas para fazer uma campanha? Todos os políticos experientes afirmam que qualquer candidato apoiado – de fato – por um governador teria 30% dos votos. 

Com a caneta nas mãos, o governador pode mobilizar recursos para, pelo menos, começar bem uma campanha. Téo Vilela fez o contrário. Não mobilizou nenhum de seus prefeitos ou deputados, determinando o apoio ao desconhecido Tavares e, tão grave, não pressionou os partidos aliados para que dessem apoio a candidatura governista.

Manteve, por exemplo, os cargos do PROS, mesmo ele estando com Renan Filho; PP, PSB e PRB não perderam cargos na administração. Vilela assistiu quase passivamente os aliados caminharem em direção a Biu de Lira e o máximo do esforço foi atrair o PRB de Galba Novais, que mais refletiu sua preocupação em garantir a chapa federal para seu sobrinho Pedro e atrapalhar os planos de Collor.

O PRB tinha a suplência de Collor com Euclydes Mello.As análises – e especulações – levantam a possibilidade de um acordo entre Téo e Renan pensando em 2018. Só assim se explicaria tanta facilidade para a formação da frente liderada por Biu de Lira, a cortesia em relação  ao PMDB e o comportamento tão desinteressado do governador em relação ao candidato do Palácio República dos Palmares.

Esta semana, o ato final da campanha tucana revela a própria dissolução partidária, quando o ex-futuro vice, deputado estadual Gilvan Barros, negou-se a ser o candidato a governador restando Téo lançar o vereador Julio César, de Palmeira dos Índios, o mesmo que vinha fazendo campanha para Biu de Lira do PP.

Biu: o obstinado

O senador Biu de Lira é um exemplo de obstinação.Na eleição de 2010, saiu de 3% nas pesquisas iniciais para ser o mais votado candidato ao Senado, com mais votos que a vereadora Heloísa Helena (PSOL) e o senador Renan Calheiros (PMDB), tratados como nomes fáceis nas urnas.Desde então, Biu é candidato a governador tratando-se como a zebra da votação.

Líder de um partido da base do governo federal, de onde conseguiu trazer recursos para quase todos os municípios de Alagoas, Biu de Lira foi costurando uma rede de alianças em torno de seu nome capaz de esvaziar a chapa tucana. Ou recebeu a ajuda de Vilela para este esvaziamento.Montou base na sede do governo estadual, atraiu os prefeitos que não estavam com Renan Calheiros, e, com o apoio discreto de Téo Vilela, com quem conversa regularmente, levou até o vice-governador para sua frente eleitoral.

Preocupado com o futuro de seu filho, o deputado federal Artur Lira (PP), articulou uma chapa para a Câmara dos Deputados que garante seu sucessor e mais dois outros nomes. Diferentemente da chapa tucana, construiu uma boa estrutura de campanha que vem fazendo uma animada presença em bairros e cidades do interior.A força da campanha de Biu vem atraindo os mais diversos apoios. O presidente da Assembleia, deputado Fernando Toledo (PSDB), é o caso mais conhecido, mas há também o prefeito Rui Palmeira (PSDB). 

Renan Filho reúne forças políticas

O candidato de oposição é Renan Filho, beneficiado pela conjugação de três forças políticas locais: a do seu pai, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), que comanda a maioria das lideranças do interior de Alagoas, com sua longa trajetória que vem desde a segunda metade dos anos 1970; a do ex-governador Ronaldo Lessa, com sua disponibilidade para articular as mais diferentes lideranças partidárias em torno do projeto do PMDB; e a do senador Fernando Collor, com sua força de comunicação que ajudou a desmontar a imagem do governo Téo Vilela, facilitando a vida da oposição.   

Prefeitos e vereadores do interior são responsáveis por 30% dos votos em qualquer eleição alagoana, é o que afirmam os analistas de campo. A cidade de Maceió tem apenas 500 mil dos dois milhões de eleitores. Desde o ano passado que Renan-pai vem dando demonstrações de que comanda pelo menos 85 prefeitos; e, em muitos casos, prefeitos e líderes da oposição local.

 O ex-governador Ronaldo Lessa caiu em campo e construiu o que parecia impossível, uma frente de ex-inimigos da vida inteira e adversários recentes. O senador Collor, na avaliação de fontes governistas, foi o principal causador dos estragos na imagem do governo Téo, com suas denúncias amplamente divulgadas nos meios de comunicação.Collor tem sido beneficiado, até agora, pelos lançamentos de outros candidatos ao Senado.

Nonô que poderia ter sido o nome governista para enfrentar com chances reais a disputa senatorial, foi cozinhado e terminou como coordenador de uma campanha que quase não existe em Alagoas, que é a de Aécio Neves. Omar Coelho faz a campanha junto a Biu, mas sem conseguir entusiasmar nem mesmo os candidatos proporcionais, apesar de arrecadar bastante: R$ 227,8 mil, segundo declarou ao Tribunal Superior Eleitoral. Vem em segundo lugar, perdendo para Collor (R$ 238,4 mil) e Heloísa (R$ 10 mil).

A reclamação também já atinge parte desses candidatos que aderiu a campanha de Fernando do Collor. Eduardo Magalhães, agora ao lado do vereador Júlio Cézar, cumprirá a exigência burocrática do PSDB ter chapa majoritária.  O nome da disputa é Heloísa Helena que vem recebendo apoios públicos de tucanos, como o deputado Inácio Loyola, e do polêmico João Henrique Caldas e contará com a presença de Marina Silva em Maceió. 


Pesquisas

Os institutos de pesquisa até agora não deram o ar graça em Alagoas. Praticamente em todos os estados, os grandes institutos – Ibope, Vox Populi e Datafolha – anunciaram os resultados de pesquisa para os majoritários estaduais nos últimos 15 dias. Alagoas está de fora e a última pesquisa registrada foi realizada em maio. Talvez eles estejam esperando o dia 20, quando começam os programas gratuitos de rádio e tv.  

Se as pesquisas refletirem as campanhas de rua, Biu de Lira e Renan Filho deverão polarizar os resultados para governador; Collor e Heloísa deverão colher os melhores índices para o senado. Os chamados nanicos ainda não saíram para fazer campanha de rua. Nem mesmo o PSOL de Heloísa e Mário Agra. E a campanha tucana, com seus desconhecidos candidatos, deverá dar a marca especial da campanha alagoana, chamando a atenção para uma chapa governista que não tem apoio no Palácio nem mesmo dos seus proporcionais.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia