Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 783 / 2014

13/08/2014 - 10:52:00

Acusado de vários crimes, Luiz Pedro vira cabo eleitoral de peso em Maceió

Redutos eleitorais do ex-deputado é a menina dos olhos para muitos políticos que tentam se eleger

João Mousinho [email protected]

O ex-vereador de Maceió e ex-deputado estadual, Cabo Luiz Pedro, é figura conhecida no meio da política alagoana. Notório por redutos políticos consolidado e marcado por inúmeras acusações, inclusive de crime de mando, candidatos a deputado estadual e federal contam com o apoio de Luiz Pedro para serem eleitos no pleito desse ano. 

Luiz Pedro decidiu não ser candidato esse ano, assim como não foi há dois anos para vereador de Maceió. Cargo esse, ocupado atualmente pela sua esposa, Aparecida, figura discreta na Casa Mário Guimarães que obteve 9.014 votos; o que na época representava 2,18% do universo de eleitores da capital. Nos conjuntos populares de sua propriedade, onde residem milhares de pessoas, o direcionamento político de Luiz Pedro é “obrigação”.

Ele diz quem são seus candidatos e os moradores das regiões periféricas adotam os preteridos como uma verdade absoluta; motivos óbvios da “gratidão” de que lhe ofertou um lar para morar. O ex-deputado parece já ter feito suas escolhas, o candidato a deputado estadual, Léo Loureiro (PLP), pouco conhecido do grande já tem material de campanha fazendo referência ao apoio de Luiz Pedro.

Léo Loureiro é irmão do ex-secretário de Saúde de Maceió, Adeilson Loureiro, na gestão do prefeito Cícero Almeida (PRTB). Quando o nome passa a ser apoio para federal, surge o nome de Val Amélio (PRTB), que é filho do ex-deputado estadual e atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Cícero Amélio. O bairro do Vergel do Lago, onde reside Luiz Pedro, matérias gráficos e adesivos dos candidatos do cabo eleitoral já pode ser visto em inúmeras localidades. 

10 anos de impunidade

O dia 12 de agosto de 2004 jamais chegará ao fim para seu Sebastião Pereira dos Santos, pai do servente de pedreiro Carlos Roberto Rocha Santos, Beto, que na madrugada desse dia foi sequestrado por quatro elementos e executado a mando do ex-deputado Cabo Luiz Pedro.  “Meu filho sempre foi um sujeito pacato e não suportava o autoritarismo de melicianos de Luiz Pedro na região que ele morava. Após algumas situações onde ele foi constrangido e revidou com palavras, o seu destino perante a quadrilha de Luiz Pedro já estava traçado”, contou seu Sebastião em recente entrevista ao jornal Extra.  

Segundo seu Sebastião, às 1h30 da madrugada Naelson Osmar Vasconcelos Melo, Adezio Rodrigues, Laercio Barros e Leoni Lima chegaram à residência de Beto, onde foram atendidos por sua esposa Alessandra Cristina da Silva Costa, que esclareceu que ele estava dormindo e não poderia atender ninguém naquele momento. Se identificando como policiais, os quatro homens insistiram que Beto se apresentasse. A esposa grávida não teve como conter o ímpeto dos “homens de Luiz Pedro”, que acordaram Beto com agressões e o levaram sem maiores explicações para um veículo não identificado. Logo após a vida de Beto seria ceifada.  

Dali em diante o pai de Beto passou a ser mais uma vítima do crime organizado após a execução ser cometida contra seu filho; já que passou a sofrer intimidações. “Passei muitos anos no programa de proteção a testemunhas do governo federal e nesse período pude fazer mais e mais denuncias contra Luiz Pedro, sempre com embasamento legal.”O aposentado acrescentou na mesma entrevista ao Exrtra que espera que a justiça seja feita. “Celeridade eu não posso mais cobrar, pois já são 10 anos.

Os quatro elementos que carregaram meu filho para seu destino final foram condenados e ficaram pouco mais de três anos atrás das grades. Espero agora que Luiz Pedro também seja punido”, enfatizou.O caso está na 8ª Vara Criminal da Capital, esperando a definição de uma data para que o júri aconteça.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia