Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 780 / 2014

23/07/2014 - 10:44:00

Silvânio Barbosa empregava nora do dono de empresas de ônibus

Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral em Alagoas denunciou vereador do PSB, que presidiu a Comissão da Câmara responsável por ‘fiscalizar’ o transporte público em Maceió

DA REDAÇÃO

Um ato de exoneração publicado no Diário Oficial do Município (DOM) pode indicar que o vereador Silvânio Barbosa, do PSB de Maceió, mantém relações “muito mais próximas do que devia” com um dos setores mais controversos entre os quais os governos municipais mantêm contrato nas prefeituras brasileiras: o setor do transporte público de passageiros.

Na edição de 2 de junho de 2014, o DOM trouxe a publicação da portaria de exoneração de Tassia Lima Campelo Mata, que ocupava o cargo de Assessor Parlamentar (sigla II, CCPG-2) no gabinete do vereador Silvânio Barbosa, na Câmara de Vereadores de Maceió.

A portaria de exoneração tem data de 30 de maio de 2014 e a agora ex-servidora teria sido nomeada no início do mandato de Barbosa na Casa de Mário Guimarães.Uma exoneração normal, não fosse um detalhe: Tassia Lima Campelo Mata seria nora do empresário Rubens Pimenta, dono das empresas de ônibus Piedade e Cidade de Maceió. As duas empresas operam várias linhas no bairro do Benedito Bentes, reduto eleitoral de Silvânio Barbosa.

Como vereador, caberia a Silvânio Barbosa fiscalizar a ação das empresas de ônibus de Maceió, inclusive da Piedade e da Cidade de Maceió, empresas que pertencem ao sogro de sua “assessora”.

O parlamentar presidiu na Câmara de Vereadores de Maceió uma Comissão Especial que buscou fiscalizar o transporte público maceioense.Mas nem nos discursos que profere em plenário, nem nas entrevistas que concede à imprensa ou muito menos nos trabalhos da Comissão que ele mesmo presidiu, o vereador jamais disse que empregava em seu gabinete parentes de donos de empresas de ônibus que atuam na capital, principalmente em seu bairro de atuação.

A ligação entre gabinete do vereador e parentes de dono de empresas de ônibus poderia “favorecer” os interesses das empresas do setor, em detrimento das necessidades da população, contrariando assim o papel do vereador em ser um dos “fiscais” da população.

Fica o questionamento acerca de como um vereador, que tem a missão de fiscalizar a prestação de serviços públicos para a população, teve condições de fiscalizar o serviço de ônibus da Capital empregando um parente tão próximo de um dos prestadores deste serviço. Como esta relação tão “próxima” favoreceu a fiscalização de Silvânio Barbosa é a resposta que o vereador deve ao povo de Maceió. 

MCCE: ‘Raposa tomando conta do galinheiro’

Em julho de 2013, o Movimento Contra a Corrupção Eleitoral (MCCE) em Alagoas já havia entrado com uma representação contra Silvânio Barbosa. Na representação, o MCCE alegava que o comportamento do vereador era antiético. De acordo com os integrantes do movimento, Silvânio teria dito na imprensa que “adora dinheiro” e que não abre mão do que lhe é de direito. Silvânio teria usado estas expressões quando da polêmica acerca da já extinta verba polêmica do “auxílio-enxoval” destinado aos vereadores da capital.

No mesmo documento protocolado pelo MCCE já constava a denúncia de que o vereador teria em seu gabinete uma funcionária ligada ao proprietário das empresas de ônibus.

Na ocasião da denúncia, o coordenador geral do MCCE em Alagoas, Antônio Fernando da Silva, falou que a denúncia havia partido de um morador do Benedito Bentes durante a audiência pública sobre o transporte coletivo. Na ocasião, Silvânio Barbosa presidia a Comissão Especial do Transporte Público formada na Câmara de Vereadores.

“Nós enviamos o ofício, localizamos a portaria de nomeação e juntamos ao documento. Como pode um vereador ter relação direta com empresários do ramo de transporte e ser membro da comissão que fiscaliza? É a raposa tomando conta do galinheiro”, disse à época o coordenador do MCCE, Antônio Fernando da Silva, a um portal de notícias de Alagoas. 

À Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Maceió fica uma excelente oportunidade para que seja aberta uma investigação acerca do possível suposto desvio ético cometido por Silvânio Barbosa. E assim esclarecer a população se houve, ou se não houve, desvio ético por parte do parlamentar.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia