Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 779 / 2014

16/07/2014 - 08:42:00

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL - [email protected]

Mais disciplina

Já estamos no segundo semestre do ano e o que vem se comprovando através de pesquisas, é que o consumidor vem mudando de hábitos e com mais disciplina e consciência de que deve economizar ao máximo, consumindo menos, evitando os juros altos e vivendo de acordo com o que ganha, sem se endividar. Esse é o economicamente correto e civilizado. A inflação vem sendo controlada, mas os preços sempre sobem, de acordo com o próprio momento econômico e os fatores climáticos, que reduzem a produção. Não existe exagero de preços altos. A concorrência é acirrada e exisge que o consumidor continue pesquisando, só comprando à vista ou a prazo curto. Quanto mais longo foi o tempo de pagamento, mais prejuízo para o orçamento.


Juros

A chamada Taxa Selic (aquela que é praticada entre bancos), anunciando todo mês pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central, vem subindo e já ultrapassa os 10% ao ano. Só que a que o consumidor paga no cartão de crédito parcelado e no cheque especial, é superior a esse porcentual e mensal. Portanto, fuja desse tipo de crédito. 


Sem pressa

Ao se dirigir a um supermercado ou lojas de shoppings e de ruas, vá sem pressa. Jamais compre na primeira parada. Primeiro, deve levar a lista de compras e ir pesquisado, checando preços, constatando se o preço cobrada é maior ou menor do que a compra anterior.

 
Cautela

O casal mais disciplinado é o que deve ir às compras. Se tiver filhos pequenos, também não leve. Eles costuam provocar escândalos quando não conseguem colocar no carrinho do supermercado o que pretendem consumir. No caso de uma feira livre, pode ainda pechinchar preços, já que a maioria dos vendedores é formada pelo próprio produtor de frutas, verduras e legumes. Uma boa maneira de economizar e ter um produto natural, sem agrotóxico.

Anotando

No orçamento doméstico elaborado desde janeiro, e cumprido todo mês, tem que existir o espaço reservado a uma poupança, ou seja, uma reserva financeira, para qualquer emergência, já que esse tipo de invesimento do mercado, pode ser sacado a qualquer dia. 


Vestuário

Esse ítem sempre se constituiu em um peso para qualquer consumidor. Existe o que compra por impulso, quando se depara com alguma roupa na vitrine da loja e anunciando como promoção. Muitas vezes, nem necessita naquele momento, mas compra. Aí o orçamento estoura e não tem como sair desse hábito exagerado de consumo. Evite isso.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia