Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 778 / 2014

10/07/2014 - 11:53:00

O que é a FIFA?

JORGE MORAIS Jornalista

A sigla FIFA, todo mundo sabe: Federation International de Football Association. Mas, na prática mesmo, o que faz a FIFA? Ela é uma entidade mundial que tem um poder extraordinário sobre diversas coisas, inclusive Nações. Dizem que ela se compara, ou se considera mais importante do que as Nações Unidas, pela força que tem nas mãos e nas decisões que toma, principalmente, porque, mexe com o emocional das pessoas, por meio do futebol.Mais do que tudo isso, a FIFA realiza um dos mais importantes eventos do mundo, que é a Copa, como essa de agora no Brasil. Em todas elas, o lucro financeiro da entidade é impressionante, e aumentando a cada quatro anos. Essa de 2014 vai deixar livre de qualquer imposto ou penalidade, cerca de 15 bilhões de dólares, o dobro da última realizada na África do Sul, em 2010.No entanto, o que mais chama a atenção não é o dinheiro ganho com a realização do evento, é como esses dirigentes da FIFA ficam cada vez mais fortes e milionários diante de um futebol paupérrimo na maioria dos países.

Não estou me referindo aos países que estão disputando a copa, mas aqueles que pagam miséria de salário e que jamais chegarão a disputar uma Copa do Mundo.Esses países deveriam receber por parte da FIFA recursos para produzir jogadores, fortalecer as suas competições, e criar um incentivo maior para a prática do futebol. Diferente disso, a FIFA tira dessa gente para sustentar o luxo na Suíça, sua sede original, e enriquecer dirigentes de lá e comprar os votos dos outros que estão espalhados pelo mundo para se manter no poder.

O dirigente brasileiro João Havelange sempre foi um homem rico, muito rico. Ficou dezenas de anos a frente da FIFA, e após a sua saída, vieram os escândalos financeiros sobre a sua pessoa, que saiu mais rico do que quando entrou na entidade. Não se viu depois disso, nenhum comentário sobre o assunto nos meios do futebol. Não causou surpresa para ninguém. Tudo foi encarado com normalidade e o homem continuou poderoso. Qual foi a pena que sofreu? Nenhuma.No futebol é assim. Apesar das leis e das cobranças políticas ou da sociedade, nunca se tem uma solução para nada. Fica tudo do mesmo jeito, só no discurso, na conversa fiada, sem solução, e sem punição.

Sem querer misturar as coisas, está aí o resultado dos mensaleiros, com o ministro Joaquim Brito correndo do STF, para não ser morto, o José Dirceu já livre para “trabalhar”, mesmo que fora da política nunca tenha dado um dia de serviço na vida, e outras aberrações que devem ocorrer daqui para frente. Isso é o Brasil.Mas, voltando ao futebol, essa sacanagem toda não só ocorre na FIFA. É também nas confederações de futebol, e em federações espalhadas pelo mundo, principalmente no Brasil. É o exemplo da CBF do Ricardo Teixeira, ex-genro de João Havelange.

Cheios de denúncias contra ele e o homem vive tranquilo e feliz em Miami Beach, nos Estados Unidos. Deixou um rombo danado na CBF e nunca foi punido por nada.Sai ano e entra ano e as denúncias são as mesmas, na CBF e nas federações, com seus dirigentes cada vez mais ricos. Para que os senhores tenham uma ideia, o futebol brasileiro está falido. Todos os clubes profissionais devem impostos ao governo; alguns com salários bem atrasados; outros com ações na justiça; devem a fornecedores; mas o Presidente da CBF, José Maria Marim, ganha em terno de 200 mil reais de salário. Boa parte dos dirigentes possa dos 100 mil reais, enquanto isso os clubes estão endividados, quebrados e, em algumas cidades interioranas, não resistem ao tempo. Este é o mundo cão em que vivemos que é o futebol. As últimas denúncias da fábrica de ingressos falsos e verdadeiros é fichinha diante do que eles fazem e ganham com esse pobre futebol, em relação a nós outros.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia