Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 776 / 2014

25/06/2014 - 08:20:00

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL - [email protected]

Ganhando sem trabalhar

O empreguismo no serviço público é uma praga milenar. Vem da Idade antiga, passando pela média e chegando a contemporânea. É o “dando que se recebe” enraizado e onde todos querem tirar proveito da imensa maioria que paga seus impostos, sustentando a máquina pública em proveito de uns privilegiados. Por mais que se tente, o governo não consegue acabar, exatamente porque se elegem comprando votos e dando emprego aqueles que não querem trabalhar, só querendo mesmo receber o salário no final do mês.Isso é revoltante para os próprios servidores públicos que ingressaram através de concurso e muitas vezes, recebem menos do que aqueles que não dão expediente, mas possuem o poder da troca de favores ou são parentes dos políticos. A banalheira se expande a cada ano eleitoral nas três esferes da União, Estados e municípios. E mais: o dinheiro é desviado, indo direto para a conta bancária dos gestores públicos. Alguns chegam a perder o mandato ou cargo, chegam a ser presos, mas soltos em poucos dias. Infelizmente é assim e nunca vai acabar.


O outro lado

Esquecendo essa vergonha nacional, os que realmente trabalham para ganhar seu salário, devem acima de tudo entender o verdadeiro significado de sobreviver ao máximo, pesquisando preços e reservando uma parte do dinheiro para a caderneta de poupança. Agindo assim, terá ueconomizando ma vida digna, tranquila e sem endividamento.

Só à vista

Quem já passou pelo constrangimento de sempre receber cobranças, quitando todo o débito, tem que jurar nunca mais comprar a crédito, sabendo que os juros cobrados são elevados, aliado ainda a taxas diversas e multas. Comprando só à vista, vai ter descontos, sobrando dinheiro para as despesas do dia a dia e o lazer. Tudo deve ser feito com cautela, sem pressa e consciente do verdadeiro valor do dinheiro que recebe. InflaçãoEla vem crescendo desde o início de 2014 e deve encerrar em mais de 7%, o que significa um porcentual elevado, levando em consideração os anos anteriores, desde o início do Plano Real, em 1994. Isso se deve a queda na produção industrial, a alta do dólar e os juros altos. Portanto, o consumidor tem que seus hábitos, procurando consumir o necessário e sempre pesquisar preços. 


Evitando

Cheque especial, cartão de crédito parcelado e compras pelo carnê, além é claro de empréstimos de longo prazo e os agiotas. Tudo que envolva crédito, simplesmente para consumir, é prejuízo. Compre só exclusivamente à vista e tenha uma reserva financeira, para quando quiser algo novo (eletroeletrônico, móveis, etc.) pagando em espécie e com um bom desconto. 


Sem exageros

Repito o que disse na edição antrior: não exagere nos gastos com a Copa do Mundo e os festejos juninos. Festeje com cautela e em casa mesmo. Nada de gastos em bares e usando cartão de crédito. Mantenha suas despesas fixas pagando tudo à vista. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia