Acompanhe nas redes sociais:

16 de Dezembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 775 / 2014

17/06/2014 - 08:48:00

O santo pagando pelo pecador

Alari Romariz Torres Aposentada da Assembleia Legislativa

Novamente a Assembleia vira notícia na imprensa alagoana: A Mesa Diretora da ALE joga 400 aposentados no AL Previdência e coloca 100 servidores, chamados por ela de ociosos, à disposição do Poder Executivo.  Tudo normal se as medidas gerassem economia para o Legislativo e se fosse verdade o que diz o Dep. Fernando Toledo, Presidente da Assembleia.No caso dos aposentados seria motivo de alegria sair da ditadura criada pelo trio maravilha: Fernando, Maurício e Marcelo Victor.Já existe uma experiência altamente negativa: pensionistas da ALE foram mandados para a previdência e ficaram com os salários congelados, porque a Mesa Diretora, há anos, não repassa nada para o AL Previdência.

O caso foi para a Justiça, empurra prá lá, empurra prá cá e nada foi resolvido. O medo dos inativos é exatamente isso: falta de compromisso da Mesa Diretora com qualquer tipo de entidade. É a célebre frase: Faz acordos, mas não cumpre o que promete.Se os Deputados fossem pessoas dignas de credibilidade não pensaríamos em sair para o AL Previdência. Como não são, ficaríamos mais tranquilos convivendo   com administradores públicos normais na previdência estadual.

Lembro-me que, quando não existia o duodécimo, recebíamos nossos salários pela Secretaria de Administração e quem elaborava a folha dos inativos era a Secretaria da Fazenda. Qualquer alteração salarial dos ativos, a Assembleia comunicava, por ofício, e no mesmo mês o salário saía corrigido.

Éramos felizes e não sabíamos.Nosso temor é que o Legislativo não repasse os valores, não comunique os reajustes e os velhinhos fiquem com fome, exatamente o que acontece hoje com os pensionistas.Quanto aos 100 que vão para o Executivo, foi uma jogada de mestre da Mesa Diretora: escolheu servidores, grande maioria com mais de 50 anos, que participaram do movimento de novembro de 2013 e colocou-os à disposição do Estado.

Se não fosse trágico, seria cômico: a Mesa garantiu às entidades de classe que só iriam funcionários estáveis à disposição dos Gabinetes dos Deputados. Pura mentira: há pessoas lotadas em Departamentos, que comparecem ao trabalho, têm mais de 50 anos e não bajulam os parlamentares.

O trio maravilha: Fernando, Maurício e Marcelo Victor, são superdotados, mentes brilhantes para o mal; eles querem que o povo das Alagoas esqueça os verdadeiro foco da questão: o desvio de milhões de reais dos cofres públicos.Ao invés de réus, viraram heróis, mostrando à sociedade que os responsáveis pela situação crítica em que se encontra a ALE, não são eles, somos nós, ativos e inativos do Legislativo.

As duas medidas não gerarão economia para a Assembleia, a não ser que o trio não repasse o dinheiro do pagamento. São atitudes que enlameiam os nomes de quem trabalha e passa a ser visto como ocioso, ou vulgarmente falando, como vagabundo.Ela, a mesa, não cita os 900 comissionados, as parcelas que recebem os Deputados, os laranjas, o dinheiro desviado.

O verdadeiro foco da questão.Os papéis se inverteram: os Deputados e o Diretor que foram afastados pela Justiça resolveram ¨limpar a Asembleia¨. Nós, ativos e inativos que estamos sofrendo com uma administração desastrosa do trio maravilha, viramos ¨culpados¨ e estamos sendo castigados.

Por favor, povo da minha terra, entenda corretamente o que se passa na Casa de Tavares Bastos: quem desviou dinheiro público não fomos nós; quem mantém 900 comissionados e com eles dividem dinheiro não somos nós; quem deveria estar sendo castigado não somos nós, quem nomeou aleatoriamente pessoas para o legislativo  não fomos nós, foram os Deputados.O santo está pagando pelo pecador...

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia