Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 775 / 2014

17/06/2014 - 08:26:00

Traídos e traidores

Voney Malta

Dizem no interior que quem cochila o cachimbo cai. Na política ainda mais, especialmente quando se confia em alguém. E essa está sendo a revolta do 1º suplente do senador Fernando Collor (PTB), Euclides Mello, que, naturalmente, mais uma vez preencheria o mesmo cargo nestas eleições.

Comandante do PRB, Euclides cedeu a presidência, ficando como vice, a Galba Novaes para que este organizasse o partido no interior objetivando disputar uma vaga na Câmara Federal, fato também pretendido pela direção nacional da sigla.

Entretanto, agora Galba quer disputar o mandato de deputado estadual. Só que esse não é o maior problema. A grande questão é que ele está levando o partido para uma coligação com o PSDB do governador Vilela, o que está praticamente fechado.

Caso isso se concretize, Euclides fica impedido de fazer parte como 1º suplente de Collor porque estariam coligações diferentes. “Isso é uma trairagem, uma cassação da minha suplência. Assumi várias vezes o mandato e tive uma atuação destacada conseguindo trazer recursos para vários municípios alagoanos.

Agora ele quer cassar a minha suplência”, afirma.“Fui vereador na década de 80 por Maceió com o pai dele, o velho Galba,  que, como tenente do exército no período da ditadura nunca cassou ninguém. Agora, em pleno regime democrático está havendo uma cassação”, garante Euclides Mello.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia