Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 773 / 2014

04/06/2014 - 10:33:00

A política ilógica do segundo turno

Roberto Gondo*

Faltando poucas semanas para o início do período eleitoral, Dilma volta para o seu patamar de liderança nas pesquisas, chegando aos seus 40% de intenção de votos. Obviamente não é ela que cresce de modo intenso, mas os seus concorrentes que não conseguem deslanchar e potencializar resultados para o segundo turno. 

A lógica do segundo turno deixa qualquer partido líder nas intenções de votos tenso e preocupado, porque a segurança da vitória no primeiro turno eleitoral não significa vitória final, já que não é totalmente garantida a predileção do eleitor dos candidatos derrotados na escolha do representante no segundo pleito eleitoral.

Se Dilma pudesse desejar algo, seria ter um segundo turno com o PSDB, já que possui representativa possibilidade de reverter ao menos uma parte dos votos de Campos para sua base eleitoral, dificultando uma virada.

Todavia seja Aécio o terceiro colocado, a rejeição ao PT é enorme pelos tucanos, condicionando um aumento na intenção da dupla Campos e Marina Silva.Esse cenário de maio demonstra que a preocupação não está em ficar à frente, mas sim em quem terá forças para ser o segundo. Mais uma característica do sistema brasileiro que demonstra estatisticamente que nem sempre o primeiro vence nas urnas.

 *Roberto Gondo é doutor em Comunicação Política, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia