Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 773 / 2014

04/06/2014 - 10:19:00

JORGE OLIVEIRA

TV Globo não quer o PT

Maceió - O Brasil entrou em estado de letargia, o povo está assustado e indiferente aos festejos da Copa do Mundo. De um canto a outro do país empresários reclamam do fracasso da organização e alguns já lamentam os investimentos feitos para a época dos jogos. É isso mesmo. O PT conseguiu o que jamais alguém poderia imaginar: que o Brasil não se empolgasse com a Seleção Brasileira mesmo com toda propaganda na mídia. A prova disso é que os jogadores foram recepcionados com protestos à porta da concentração da seleção que se apresentou para os treinos.No exterior, milhares de reservas foram canceladas nos hotéis e nos aviões brasileiros.

Assustados, os estrangeiros preferem assistir aos jogos pela televisão em seus países a serem atingidos por pedras ou tiros no meio da rua. Corre o perigo de ser queimado vivo dentro de um ônibus no Rio e em São Paulo. E se  tiver a sorte de ficar ferido, ainda tem outro risco: o de não encontrar leitos em hospitais para curar as feridas. Este é o Brasil que o PT transformou: um foco de miséria, um antro de corrupção e do salve-se quem puder. A petezada parece ave de rapina. Esfomeados, eles assaltam os cofres públicos na perspectiva de perder o poder nas eleições deste ano.

É a história da farinha pouca, meu pirão primeiro.A TV Globo mostra que cansou desse governo por alguns motivos. O primeiro deles está na ruas. Seus repórteres estão sendo hostilizados por manifestantes que impedem os jornalistas de concluírem suas matérias; o país em frangalhos, está com a economia desestabilizada; ainda há ameaça da criação de um conselho para controlar a mídia; e os candidatos Aécio e Eduardo Campos são vistos pelo império da comunicação como confiáveis.

Assim, as matérias denunciando as mazelas do governo petista vão aparecendo no horário nobre da TV como uma espécie de recado: “Não queremos mais vocês (petistas) no comando do país”.

Não à toa, os brasileiros que assistiram ao Fantástico do domingo assustaram-se com o que viram. Amparados em um relatório do Tribunal de Contas da União, a TV Globo destroçou o governo da Dilma. A denúncia do caos na saúde, baseada no relatório, disfarça muito bem a oposição que as Organizações Globo vem fazendo ao PT há muito tempo, mostrando obras paralisadas, a inflação dos alimentos nas feiras e supermercados e a falta de comando da Dilma no governo que permite o flagelo da corrupção nos órgãos públicos.

Aécio e Eduardo Campos são considerados candidatos experientes, cumpridores fieis de acordos e certamente vão respeitar as regras do jogo que regem as comunicações no país. Tanto é assim que não faz muito tempo Aécio queixou-se com os Marinho dos espaços generosos que a Dilma recebia na TV Globo, ainda infestada de petistas. Colocou-se na posição de candidato com perspectivas de poder e conseguiu equilibrar o noticiário, mesmo sem a oficialização da candidatura. 

Outra demonstração da insatisfação dos Marinho ocorreu quando da transmissão ao vivo pela Globo News do julgamento dos mensaleiros. O Brasil acompanhou passo a passo todo o trâmite do processo que culminou com a condenação dos “Homens de Ouro” de Lula atolados até o pescoço no mar da corrupção. 

Reviravolta

O PT tem consciência da reviravolta da mídia e se organiza para combater o que eles chamam de campanha difamatória contra seus militantes e o seu governo. Precisa, para isso, reverter o noticiário, convencer os Marinho de que ainda são merecedores de um quarto mandato e estancar a rejeição da Dilma, já na estratosfera. 


Lei de Gerson

Os pobres morrem nas filas dos hospitais e os que têm plano privado recorrem à Justiça para fazer valer os seus direitos, mesmo pagando uma fortuna pelos convênios.  A ANS – Agência Nacional de Saúde –, criada no governo de Fernando Henrique para regular o mercado, está se lixando. Ocupada por sindicalistas desqualificados e incompetentes, o órgão faz vista grossa para o abuso dos planos de saúde e ignora o sofrimento de seus associados que padecem com a falta de assistência e com o desprezo dessas empresas mercenárias aos seus associados.


Nós, os idiotas

O brasileiro, coitado!, que até pouco tempo vivia se gabando da fartura na mesa, dos créditos facilitados, da compra dos carros novos com longas prestações, agora aperta o cinto para não perder tudo. De uma hora para outra viu o dinheiro fugir do bolso com a desorganização da economia e a inflação batendo no teto. Desassistida, desamparada e carente das suas necessidades básicas, a população olha com desconfiança os investimentos na Copa do Mundo. Enquanto bilhões de dinheiro foram jogados nas obras superfaturadas de estádio de futebol para atender os interesses das empreiteiras e a megalomania de alguns retardados do governo, os recursos na saúde e na educação desapareceram, as obras de infraestrutura estão paralisadas e o pais vive em um estado pré-falimentar.


Caos na saúde

E a saúde, que já estava cambaleante, virou um caos. Como não existe fiscalização, os mercenários da vida e da morte dão as cartas. Entrar numa farmácia, por exemplo, para comprar remédio é uma dor insuportável no bolso. Os laboratórios cooptaram os médicos e os transformaram em cúmplices para roubar os clientes. A estratégia para achacar a população é simples: o remédio receitado pelo médico é o dobro do preço. Fica, portanto, pela metade quando o farmacêutico liga para o laboratório e identifica o profissional pelo nome e pelo CRM. O infeliz do paciente deixa a farmácia feliz da vida porque aparentemente obteve um expressivo desconto na sua lista de medicamentos. Uma farsa montada para tirar mais dinheiro dos miseráveis e enganá-los com um preço irreal do produto, fazendo-os pensar que está levando “vantagem” na compra que acaba de fazer.

Achaque

A quadrilha laboratório-médico tem apenas um objetivo: roubar o paciente. O preço do remédio, na verdade, nunca foi o dobro porque nenhum laboratório é idiota de vender o produto com prejuízo. Quando você escapa da extorsão dos laboratórios, a farmácia entra em ação: exige a sua fidelidade com o cartão do grupo com direito a desconto de até 40%. Outra farsa que o obriga a comprar sempre na mesma rede. O que há nessa safadeza é a fidelização do médico com o laboratório, de quem virou um comparsa na bandalheira. É o que acontece também com a fidelização do arquiteto nas lojas de construção. Os prêmios são viagens internacionais, hospedagem de luxo e boa alimentação lá fora. Com esse artifício espúrio, as obras ou a restauração de um imóvel ficam muito mais caras pela compra de material desnecessário e superfaturado.


Vantagem

É a Lei de Gerson ainda em vigor no país. É aquela história do sujeito que quer levar vantagem em tudo mesmo que para isso jogue no lixo a ética e a moral. Para quem  não se lembra, o jogador Gérson,  protagonizou na televisão em 1976  propaganda do cigarro Vila Rica que terminava com a seguinte frase: “Gosto de levar vantagem em tudo”. É assim que boa parte dos brasileiros ainda pensa e age até hoje.

Espertinhos

Não devemos estranhar, portanto, os métodos desses espertinhos. Devem fazer parte daquela pesquisa feita no segundo mandato do ex-presidente Lula. Ela registrou que muitos dos brasileiros não estavam preocupados com a corrupção no Brasil. Votaria, sim, em um político corrupto. A julgar por esse comportamento, devemos entender que o Brasil evoluiu da Lei de Gerson pra cá. Agora, somos, com muito orgulho, um país de corrupto. O preço que se paga? É este aí: a saúde e a educação destroçadas por um governo incompetente, mas que tem a cumplicidade dos seus compatriotas. Quem quiser que vá reclamar ao Bispo. Se o Bispo, é claro, não estiver também metido em uma boquinha.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia