Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 771 / 2014

20/05/2014 - 18:56:00

Gabriel Mousinho

A fúria do PRTB

Está marcada para hoje a entrevista considerada bomba pelo deputado Antônio Albuquerque, alijado do Chapão junto com alguns companheiros, como o que de há mais ruim na política alagoana.Depois de adiar de quarta para esta sexta-feira, o assunto parece que promete. AA deve expelir todo o seu rancor e sentimento em nome de todos os outros, considerados como personas non gratas pelo presidente do PMDB, senador Renan Calheiros. Até que dá para entender a preocupação do presidente do Senado em partilhar com políticos que estariam manchados, mas a forma parece mesmo que não agradou a ninguém.Expurgar o PRTB da aliança do Chapão, mesmo que acordos possam ter sido feitos nas caladas da noite, deixou os integrantes que eles chamam da bancada violenta, em situação vexatória junto aos eleitores. Agora, não há como recuar, mas os partidos que compõem o Chapão podem se arrepender depois.A entrevista de Antônio Albuquerque não deve ser esta flor de laranja que andam dizendo por aí, depois da intervenção da turma do deixa disso. Ele deve vomitar o que está armazenado dentro de si, expondo também as entranhas de outras figuras que estão do lado de lá. Se não o fizer, era melhor não ter ensaiado um espetáculo digno de um tiroteio político dos mais interessantes. Aí, seria um tiro no pé. 

Esperança

O PT tem trabalhado para indicar o vice na chapa de Renan Filho, mas tem esbarrado na pretensão do PMDB de convidar Luciano Barbosa ou Rosinha da Adefal para cumprir a missão. Mas se depender de Joaquim Brito a aliança já está consolidada.


Destino

O PSDB tem ficado espremido entre o grupo do senador Biu de Lira e o Chapão. A continuar assim vai ter que tomar uma rápida decisão para preservar os dedos, embora possa perder os anéis.


Fator previdenciário

Os aposentados, milhares deles em Alagoas, devem ficar bem lembrados de que quem impôs essa ´´jóia´´ aos sofridos da Previdência Social, foi Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, quando era presidente da República. Alegou que a Previdência poderia quebrar se não impusesse o tal de fator previdenciário que tira do bolso do aposentado pelo menos 30% de sua sobrevivência. Mas não fez as contas do mensalão, mensalinho, Petrobras e outras falcatruas que viriam logo em seguida e que, bem fiscalizados, não precisaria humilhar os aposentados.

  Bastidores da Câmara

Os onze vereadores que integram o bloco de oposição na Câmara de Vereadores de Maceió querem antecipar a eleição da Mesa Diretora e com certeza o caso vai parar na Justiça. Nos bastidores alguns vereadores dizem que o presidente Chico Filho fez muito pouco para manter uma boa relação com a Mesa Diretora. Há insatisfação tomou conta do grupo.


Em alta

Algumas pesquisas mostram que se a eleição fosse hoje, o mandato do senador Fernando Collor seria renovado sem muita preocupação. Ele estaria muito distante do segundo colocado, no caso a vereador Heloísa Helena. Como seguro morreu de velho, Collor imprime um ritmo acelerado de compromissos políticos, na capital e no interior.


O vice e Dudu Holanda

Existe uma forte tendência do PMDB escolher o nome do ex-prefeito Luciano Barbosa para vice de Renan Filho. Havendo esta possibilidade o beneficiado seria o deputado estadual Dudu Holanda, que está anunciando uma candidatura a deputado federal. Dudu contaria com o apoio irrestrito da prefeita de Arapiraca, Célia Rocha, que tem gratidão pelo deputado por ter lhe dado grande apoio em campanhas anteriores.


Disputa

Os candidatos majoritários começam a briga para a contratação de profissionais de marketing para as eleições de outubro. Biu de Lira já acertou os ponteiros com Rui França, enquanto Renan Filho deve anunciar a equipe nos próximos dias. Já Eduardo Tavares vai ser orientado por um grupo comandado pelo publicitário Einhart Jácome da Paz, que presta serviços para o tucanato há anos.


Jogo político

Ninguém sabe ainda para onde vai os integrantes do PRTB, que foram rejeitados pelo PMDB para participarem da coligação. Em função disso, Antônio Albuquerque e o ex-prefeito Cícero Almeida já repensam suas candidaturas para deputado federal. Até agora não existe indicativo para onde irão João Betrão, Antônio Albuquerque, Cícero Ferro e Cícero Almeida, além, é claro, do deputado Francisco Tenório, do PMN, que também faz parte da lista.

Destino certo

Embora tenha adiado o anúncio de aliança política, o deputado federal Givaldo Carimbão já tem passaporte carimbado para o Chapão. Suas últimas indicações para o governo federal  evidenciam que ele administrou sua ida para lá.


Rejeição

Algumas pesquisas têm assustado muito os candidatos. A rejeição tem migrado de forma impressionante de um para outro, podendo aumentar ainda mais à medida que se aproximam as eleições. Os números são inflexíveis e as estratégias já estão sendo discutidas nos bastidores.


Briga por partidos

Quem for podre que se quebre. Pelo menos este o slogan de candidatos majoritários em aumentar o poder de fogo nas alianças que serão construídas até o dia 30 de junho. O tempo no rádio e na televisão é o alvo maior dos candidatos ao Governo e ao Senado, onde esperam convencer os eleitores. Para isso, vale tudo. Até falar na mãe.


Clima de guerra

A campanha deste ano não será diferente das outras. O clima é cada vez mais pesado e a cada dia que passa, as alianças são disputadas na tapa. O tom cordial entre os que disputam as eleições já não existe mais, a não ser ressentimento, mágoa e até mesmo ódio. Até as eleições o clima será este, hostil, cada vez mais perigoso. O Guia Eleitoral, com certeza, deverá ser proibido para menos de 21 anos. 


O PROS e Carimbão

A briga entre Carimbão e os irmãos Gomes, do Ceará, pode desencadear em uma crise sem precedentes em Brasília e o deputado alagoano pode até ter complicações com a legenda em Alagoas e perder os cargos que está indicando em nível federal. Ciro Gomes, por exemplo, sem papas na língua, partiu para a agressão verba e sobrou até para o ex-secretário de Infraestrutura do Governo de Alagoas, Marco Fireman, que tem se mantido elegante no episódio.


Ponto final

O deputado federal João Lyra teve uma conversa na sede do PSD, em Brasília, com o presidente nacional, Gilberto Kassab, que confirmou não haver nenhuma intenção de intervir no partido, em Alagoas, como se comentou durante toda a semana. Disse Kassab, que o PSD não tem formação política de andar intervindo nos diretórios regionais sem motivos aparentes. Ou seja, João Lyra vai continuar presidindo o PSD.

 
Muita conversa

Depois de Renan Filho, o senador Biu de Lira vai lançar sua pré-candidatura no início da semana com os partidos de sua aliança política e, ao contrário do que foi boatado durante toda a semana, o PR de Maurício Quintela está na linha de frente da coligação.

Eleições proporcionais

A disputa agora é para saber qual a coligação que fará mais deputados estaduais e federais. Preocupados, alguns partidos trabalham dia e noite. Sabem que é preciso 160 mil votos para fazer o primeiro deputado federal.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia