Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 770 / 2014

13/05/2014 - 17:44:00

Sururu

DA Redação

Expurgo

Forçada pelas circunstâncias dos novos tempos, a Frente de Oposição expurgou do Chapão os ex-aliados políticos João Beltrão, Cícero Ferro, Antônio Albuquerque e Chico Tenório. Pelos crimes dos quais são acusados, o currículo dos quatro mais parece folha corrida. Ao comunicar a degola, o senador Renan Calheiros justificou assim a decisão: “A Frente de Oposição fez uma depuração”. Faz sentido. Segundo Mestre Aurélio, depuração é “ação de purificar costumes para eliminar membros indignos de fazer parte de uma corporação ou grupamento”.


Bancada da pistola 

Enxotados da Frente de Oposição, João Beltrão, Antônio Albuquerque e Cícero Ferro (PRTB), e Chico Tenório (PMN), devem buscar abrigo nos palanques de Biu de Lira, Eduardo Tavares e Alexandre Toledo.Quem se habilita a receber os ilustres políticos? 


E o Ciço?

O expurgo do PRTB pelo Chapão – por tabela – pegou até o ex-prefeito Cícero Almeida, uma das lideranças mais cobiçadas pela Frente de Oposição. Ciço sentiu-se humilhado, mas ainda assim deve marchar com Renan Filho e Collor de Mello. Fazer o que? Quem não tem partido será sempre pau mandado. 


Palanque do crime

O expurgo da chamada “bancada do crime” deixou sem discurso os adversários do Chapão. O projeto dos governistas era rotular o candidato da oposição como “palanque do crime”, “candidato da pistolagem” e coisas do gênero.  Agora terão que arranjar outro mote para fustigar os adversários.  

Bom aluno

Indagado sobre a expulsão do pai pelo Frente de Oposição comandada pelo seu PMDB, o ex-prefeito Marx Beltrão não perdeu a pose: “Sou homem de partido. A decisão foi coletiva e no interesse maior do Estado, não por motivação pessoal”.Aprendeu rápido o beabá da sobrevivência política.   


A grande fraude

O PMDB volta a disputar o governo de Alagoas 24 anos depois da maior fraude eleitoral da história, que derrotou o candidato do partido em 1990. Naquele ano, Renan Calheiros foi dormir como virtual governador, segundo o Ibope de boca de urnas, e acordou desempregado. Geraldo Bulhões, o eleito, até hoje nega a existência de fraude no pleito de 90, mas os fatos provam o contrário. 


Tal pai, nem tanto...

“O deputado federal Renan Filho tem brilho próprio. Herdou as melhores qualidades do pai e nenhum dos seus defeitos”.Jornalista Cláudio Humberto Rosa e Silva.

LOG enrolado

O governo tucano precisa resolver logo as sérias pendências judiciais  envolvendo a doação de terrenos na área B do pólo de Marechal Deodoro.  A coisa é grave e ameaça levar gente graúda para a cadeia. O imbróglio criado pelo ex-supersecretário Luis Otávio Gomes, o LOG, pode custar a fuga de duas importantes indústrias que tentam se instalar em Alagoas, mas querem distância de áreas em litígios. 


Voltas que o mundo dá 

Nas eleições de outubro de 1990 o então deputado federal Renan Calheiros lutou muito pelo apoio do então presidente Collor para se eleger governador de Alagoas. Não deu. Hoje, 24 anos depois, é Collor quem precisa do apoio de Renan para se reeleger senador. 


Culpa das zelites

Nesse quarto de século, o mundo mudou, o Brasil mudou, mas Alagoas mantém os piores indicadores, e seus líderes presos à mentalidade vigente na época dos engenhos de açúcar. Como diz aquele famoso filósofo de Caetés, é tudo culpa das zelites. E agora, Biu?Após anunciar aliança partidária com PSB, Biu de Lira terá de explicar a seus eleitores porque trocou Dilma por Eduardo Campos.  Afinal, Biu se elegeu senador propagandeando os bilhões de reais liberados por Dilma para Alagoas. 


Emprego ameaçado

Sete dos 10 vereadores de Rio Largo estão ameaçados de perder o mandado por preguiça. Eles ganham R$ 8 mil por mês - mais mordomia - para trabalharem dois dias por semana, ou 45 dias por ano, mas em 2013 só compareceram a um terço das sessões, ou 15 dias no ano. 


Suplentes querem vaga

De olho no empregão, seis suplentes entraram na justiça com mandado de segurança pedindo liminar para serem empossados na vaga dos gazeteiros. A bola

Atalaia 1

O prefeito e vice-prefeito de de Atalaia, Manoel da Silva Oliveira (PTB) - o Professor Mano - e Élvio Alves Brasil (PTB), tiveram seus mandatos cassados e foram afastados pela Justiça Eleitoral, do comando do Executivo Municipal. Eles foram denunciados pela chapa de oposição na última e são acusados de cometer atos de improbidade administrativa.


Atalaia 2

O motivo para a cassação dos mandatos se deu diante da denúncia sobre doação, pelo município, de bens móveis ao sindicato dos servidores públicos no ano da eleição, para construção de casas. Tal prática se configuraria como abuso de poder político e econômico, que teria capitalizado os impugnados, desequilibrando a eleição. 


Atalaia 3

A Justiça Eleitoral também determinou a diplomação e posse dos impugnantes José Lopes de Albuquerque, o Zé do Pedrinho (PTB) e Fernando Lyra Affonso Collor de Mello (PSD), que foram ficaram em segundo lugar para os cargos de prefeito e vice-prefeito, com 46,941% dos votos válidos. A posse da dupla deve ocorrer nessa sexta-feira, 09/05. 


Atalaia 4

Fernando Lyra Collor é filho de Thereza e Pedro Collor e neto do deputado federal João Lyra (PSD). Durante o pleito de 2012, o então candidato a vice-prefeito ficou em palanque aposto ao do tio, o senador Fernando Collor de Mello (PTB), que na oportunidade apoiou o candidato eleito, Manoel da Silva Oliveira (PTB). 

Fim da linha 

Os desembargadores do TJ/AL afastaram  o ex-prefeito de Major Izidoro Ítalo Amaral da vida pública por  um período de oito anos.. A determinação também afeta o candidato a vice de Amaral nas ultimas eleições, Kleres Barbosa Simão. O ex-chefe do executivo foi acusado de improbidade administrativa e a condenação teve por base abuso de poder político e econômico. O reinado dos Amaral parece ter chegado ao fim no Sertão de Alagoas. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia