Acompanhe nas redes sociais:

13 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 769 / 2014

07/05/2014 - 18:49:00

MPF abre inquérito para investigar irregularidades no Senac-Alagoas

Presidente do órgão, Wilton Malta, foi denunciado em junho do ano passado

Carlos Victor Costa [email protected]

Em junho do ano passado, o Extra trouxe à tona uma denúncia feita pela presidente do Sindicato Representativo dos Trabalhadores do Sesc e Senac de Alagoas (Senalba), Ivanilda Carvalho, e pelo diretor da Força Sindical, Mário Sérgio Teixeira de Carvalho, na qual acusavam o presidente da  Federação do Comércio do Estado de Alagoas (Fecomércio), Wilton Malta de Almeida de ter realizado contratos sem licitação, de assédio moral e improbidade administrativa.

Eles também procuraram o Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral (MCCE), que entrou com um pedido de investigação junto aos ministérios Público Federal e Estadual, de abertura de inquérito contra Wilton. Há cerca de 15 dias, o MPF abriu inquérito para investigar o caso. A reportagem conversou com, Antonio Fernando da Silva, coordenador do MCCE, que confirmou a denúncia, e afirmou que existem fortes indícios de irregularidades por parte do presidente Wilton Malta.

“Ivanilda e Mário procuraram o Movimento, e trouxeram diversos documentos que comprovam anormalidades cometidas pelo senhor Wilton Malta. Depois disso enviamos uma representação para o Ministério Público Federal (MPF) e para o Ministério Público Estadual (MPE), onde foram abertos três inquéritos civis públicos. Na documentação mostra que existe fortes indícios de desvios de recursos.

Wilton também é acusado de perseguir e assediar moralmente a presidente do Senalba”. O jornal Extra teve acesso à documentação, na qual mostra que Wilton Malta em uma reunião tentou apagar os indícios de irregularidades cometidas por ele, como no caso do pagamento de diárias de deslocamento e viagens técnicas da presidência daquele órgão, no período de 2007 a 2009, cujo valor detectado pela auditoria nacional foi de R$ 47.925,00, e onde na ata do dia 4 de junho do ano passado, ratificava dizendo na referida reunião que o valor correto era de R$1.800,00, caracterizando encobrimento de irregularidades. 

Outro fato que pesa contra o presidente Wilton Malta é o suposto desvio de mais de R$ 3 milhões no Senac, conforme auditoria feita entre 9 a 15 de outubro de 2009.O coordenador do MCCE, disse também que o movimento apenas cumpriu com o papel da entidade, que é de lutar contra os desmandos do dinheiro público.

“O presidente do Senac acha que está acima do bem e do mal, mas os gestores públicos tem que aprender que a sociedade está vigilante e que o Brasil está mudando. Ocupar cargo público não quer dizer que o lugar seja propriedade sua e você possa fazer o que quiser.O nosso papel é o de ajudar os órgãos de justiça na luta contra a improbidade.

O MCCE não funciona só na eleição, funciona o ano inteiro, mas para fazer as representações é necessário que as entidades e o cidadão nos forneçam provas. E  o que fazemos é encaminhar para que sejam tomadas as devidas providências civis e penais”. Por fim, Antonio Fernando ressaltou que espera a atuação dos órgãos judiciais.“Esperamos que o MPF e MPE restabeleçam a verdade dos fatos pois o erário público precisa ser respeitado. Confiamos na justiça e estaremos sempre aqui para ajudar nesta luta contra a podridão dos atos que tendem a lesar o patrimônio e erário públicos”.


RESPOSTA DO SENAC

A reportagem entrou em contato com o presidente do Senac, através de sua assessoria, que respondeu o seguinte: “A transparência adotada pela atual gestão do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac tem reflexos diretos no crescimento do trabalho oferecido à população. Essa transparência garante total segurança à gestão atual na prestação de contas. O Senac realiza auditoria interna e também é fiscalizado pelos órgãos competentes.

É natural que esse crescimento incomode pessoas que não têm interesse no sucesso de uma administração séria e comprometida com o propósito maior do Senac, que é a capacitação de mão de obra, principalmente, na semana em que acontecerá a eleição para a presidência do Sistema, no próximo dia 2 de maio.

A postura da gestão atual é adotar todos os mecanismos possíveis para manter a lisura em todos os processos do Sistema. A Presidência do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac aproveita para informar que não recebeu notificação dos órgãos competentes e que, caso receba, tomará as providências cabíveis junto a sua Assessoria Jurídica.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia