Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 769 / 2014

07/05/2014 - 18:12:00

PEDRO OLIVEIRA

Lula não é louco. É cínico e irresponsável

Em entrevista à emissora portuguesa RTP veiculada esta semana o ex-presidente Lula, usando de toda sua falta de caráter  e descompromisso com a verdade, voltou a insistir, com o maior cinismo, em sua tese estapafúrdia de negar  a existência do esquema do mensalão e disse que este se tratou de uma história “que precisa ser recontada”.“O tempo vai se encarregar de provar que o mensalão teve 80% de decisão política e 20% de decisão jurídica. O que eu acho é que não houve mensalão. (…) Acho que ele foi um massacre pra destruir o PT e não conseguiram”, disse.

“O que é importante é que quando uma pessoa é honesta e decente, elas enxergam é nos olhos. Não adianta dizer que o Lula praticou ato ilícito, que o povo não acredita”.Realmente em um ponto ele tem razão: o povo não despertou ainda para sua condição de farsante, mentiroso e irresponsável.

Patrocinou um dos governos mais corruptos da história nacional, ficou rico no exercício do cargo de presidente e permitiu que roubassem escancaradamente os cofres públicos. Suas declarações levianas provocaram imediata reação dos ministros do Supremo Tribunal Federal responsáveis pelo julgamento e condenação da corja petista de mensaleiros.

O presidente do STF, Joaquim Barbosa, publicou nota na qual diz: “Lamento profundamente que um ex-presidente da República tenha escolhido um órgão da imprensa estrangeira para questionar a lisura do trabalho realizado pelos membros da mais alta Corte do País.

A desqualificação do Supremo Tribunal Federal, pilar essencial da democracia brasileira, é um fato grave que merece o mais veemente repúdio. Essa iniciativa emite um sinal de desesperança para o cidadão comum, já indignado com a corrupção e a impunidade, e acuado pela violência. Os cidadãos brasileiros clamam por justiça”.

E completou o ministro: “O juízo de valor emitido pelo ex-chefe de Estado não encontra qualquer respaldo na realidade e revela pura e simplesmente sua dificuldade em compreender o extraordinário papel reservado a um Judiciário independente em uma democracia verdadeiramente digna desse nome”.O ministro Marco Aurélio Mello, falou sobre o assunto ironizando Lula quando declarou que “O tempo vai se encarregar de provar que o mensalão teve 80% de decisão política e 20% de decisão jurídica: “Não sei como ele tarifou, como fez a medição.

Que aparelho permite isso? É um troço de doido? O senador José Agripino (DEM/RN), líder da oposição no Senado, também se manifestou sobre as declarações irresponsáveis de Lula: “Eu acho que o ex- presidente,  definitivamente surtou” - afirmou em Plenário o senador, lembrando que os condenados na Ação 470 tiveram amplo direito de defesa.

Agripino  lembrou que a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal foi nomeada por governos do PT, partido de Lula. Assim, no entendimento do senador, se o critério do julgamento do mensalão fosse meramente político, então os réus teriam sido absolvidos, e não condenados. O senador acrescentou que a declaração de Lula significa um desrespeito ao STF.

República de Alagoas

Alguns políticos alagoanos estão se imaginando com poderes muito além do que realmente possuem. Na verdade fora o sanador Renan Calheiros, que disputa e decide a nível nacional, os demais não passam de “aliados”  tratados no devido tamanho da importância do estado e cada um em particular por seus votos. A representatividade  eleitoral de Alagoas é muito pouca diante de muitos estados mais importantes aos quais o governo se obriga a “agradar” para manter sua sustentação política no Congresso Nacional.Se cada senador e deputado federal alagoano tivesse o prestigio que anuncia com certeza seriamos o mais poderoso estado da federação.E ainda aparece alguns malucos não satisfeitos que expõem pessoas convidando para ocupar cargos de relevância nacional e o pior: anunciando esses nomes na imprensa. Muita irresponsabilidade e falta de respeito.


A farra da Copa

Após editar decreto em junho passado que bancava viagens para servidores para a Copa das Confederações, o Palácio do Planalto reeditou a ‘Bolsa Copa’ para funcionários do alto escalão que vão a trabalho ou em assistência de organização aos jogos da Copa da FIFA nas 12 cidades sedes. O Decreto nº 8.228 de 22 de abril foi assinado pela presidente Dilma e pela ministra Miriam Belchior (Planejamento).Apesar de propalar, desde a gestão do ex-presidente Lula, que evitaria gastos com o evento privado, o governo vai pagar para servidores passagens e hospedagens em hotéis nas cidades-sedes  - com majoração (aumento) de até 100% na tabela de valores estipulada pela União.Os benefícios de passagem mais hospedagem para os servidores da Copa se estenderão até dia 15 de agosto, um mês depois do término do torneio internacional.É a farra da Copa com o dinheiro do povo.


Vamos para uma campanha limpa?

O jogo politico alagoano ainda não colocou em campo as principais escalações, coisa que deve acontecer nos próximos dias. Mesmo assim já há pré-escalação como Eduardo Tavares, Benedito de Lira, Renan Filho, Thomaz Nonô, Luciano Barbosa, Alexandre Toledo, além de outros. Nomes todos conhecidos, com experiência e sabedoria suficientes para disputar o pleito em qualquer posição. De uma maneira geral todos já estiveram juntos em algum momento  como aliados, portanto se conhecem mutuamente. Alagoas também os conhece.Será que não seria a hora e a vez de Alagoas fazer a diferença? Que tal uma campanha limpa, com propostas de governo para que sejam avaliadas pelo eleitor, sem ataques pessoais, sem a virulência feroz que costuma vigorar nas disputas eleitorais? E se cada candidato colocasse de lado os “defeitos” do outro, pois toda Alagoas os conhece, e mostrasse na propaganda eleitoral o que será capaz de fazer por Alagoas?Sei que é uma proposta de difícil assimilação até por nossos costumes e maneira equivocada de fazer política, mas registro a ideia. Agora é com eles.

Copa: mobilidade sob suspeição

Preocupado com a mobilidade urbana durante a Copa do Mundo  o Ministério Público Federal deu prazo de 20 dias para que os Governos dos 12 estados que irão sediar jogos informem o atual andamento e a viabilidade de entrega das obras relacionadas ao transporte antes do início do evento.  Também foram enviados ofícios para que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a Secretaria de Aviação Civil (Sac) e a Secretaria Especial de Portos (Sep) informem as medidas adotadas em relação à fiscalização.Os ofícios são assinados pelo coordenador do Grupo de Trabalho de Transportes da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF (consumidor e ordem econômica), Thiago Lacerda Nobre. O GT decidiu enviar os ofícios para garantir a preservação do direito dos consumidores de serviços de transporte durante o período da Copa e prevenir eventuais transtornos causados em razão do aumento significativo de passageiros, notadamente estrangeiros. Também considerou a necessidade de monitorar as políticas públicas para garantir a implementação das medidas necessárias. De nada vai adiantar. Pois nada vai funcionar mesmo.

O desabafo de Collor

Após o resultado do julgamento no Supremo Tribunal Federal que o absolveu, por unanimidade, das acusações que levaram ao seu afastamento da Presidência  da República, o senador Fernando Collor, em emocionado  discurso em plenário, disse: “O tempo é o senhor da razão e a razão da Justiça é sempre a melhor e a mais forte”. Segundo ele , os episódios ocorridos e que o obrigaram a padecer por 23 anos foram infinitamente rememorados por meio de acusações infundadas e condenações de qualquer julgamento. A perseguição e a hostilidade permaneceram por todo este tempo, transformando as duas décadas em angústia. Fez críticas à imprensa que o perseguiu e narrou o seu martírio político e pessoal.Collor ao mesmo tempo parecia um homem aliviado e pronto para enfrentar o país olhando de frente.Mas ai uma pergunta: o povo vai entender sua absolvição? É aguardar para ver.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia