Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 767 / 2014

23/04/2014 - 09:00:00

Alegria de pobre dura pouco...

Alari Romariz Torres aposentada da ALE

Procurei escrever amenidades na semana passada para meus queridos leitores, pois estávamos vivendo momentos tranquilos no Legislativo alagoano.     

Eis que me levanto no sábado,12, abro o computador e quase desmaio: O Presidente Fernando Toledo, através de portaria, colocava 300 ¨servidores ociosos¨ à disposição do Estado. Tentei localizar a lista e verifiquei antigos companheiros e companheiras que levam a Assembleia nas costas. Pessoas lotadas nos Departamentos e que sempre trabalharam.   

Não vi parentes de Deputados, donas de boutique, empresários, bajuladores que denigrem a imagem de outros colegas, famílias inteiras de parlamentares e ex parlamentares que lá não vão.     

Fiquei imaginando o que teria acontecido, pois se tratava de uma simples portaria assinada apenas pelo Presidente da ALE. E os outros componentes da Mesa? Foram excluídos de tão absurdo fato? Em que o Deputado Fernando Toledo se baseou para selecionar os ¨ociosos¨ relacionados na maldita lista? Estaria ele assessorado por malucos que não conhecem os verdadeiros desocupados?          

O fim de semana foi trágico. O telefone não parava. O facebook vinha cheio de reclamações. Companheiros assustados, alguns em férias, não entendiam nada. Tentei falar com os Presidentes das entidades da classe e eles disseram que não sabiam de nada.     

Comecei a analisar a lista: a grande maioria composta por pessoas de mais de 50 anos, lotadas em Departamentos e que trabalham. Duas servidoras de mais de 70 anos que já deveriam estar aposentadas. Uma outra, Madalena, já falecida. Numa diretoria, nem a chefe escapou (a Taquigrafia). Houve setores onde todos os funcionários constavam da lista, No Sindicato, em sua Diretoria, saíram vários componentes, inclusive o Presidente do Conselho Fiscal e parte do Conselho Deliberativo. Na sala do Eduardo, Presidente da ASSALA, saíram cinco. Famílias inteiras não escaparam. Um verdadeiro terremoto!!!     

Aí fiquei pensando: como a Assembleia passará a funcionar? Será preciso treinar os ociosos que ficaram, para aprenderem a parte técnica e administrativa do Legislativo. Vamos chamar os familiares dos Deputados para começarem a trabalhar, mandar buscar os que moram fora do Estado para ficarem no lugar daqueles que realmente trabalhavam.      

Na segunda-feira, 14, logo cedo, fui à Assembleia prestar solidariedade aos companheiros injustiçados. Outra loucura: pessoas assustadas sem entenderem o por quê do castigo. Outras,com mais de 60 anos, tomando remédio para pressão, chorando, amparadas por parentes.     

Houve uma reunião no saguão da Casa de Tavares Bastos com as entidades e os atingidos, para que todos tentassem entender o ocorrido. Quanto mais se falava, menos era entendido. Até que alguém falou: ¨O Presidente Fernando Toledo ligou e disse que não sabia de nada; foi um engano e tudo será revertido¨. Rimos todos, pois a portaria foi assinada por ele e mandada para a publicação oficial. E ele não sabia de nada?     

Praticamente falando, acho que deveria ser elaborado e levado para a Justiça um Mandado de Segurança, pois o ato não é legal e está cheio de falhas. Em seguida, um processo por danos morais: pessoas sérias que trabalham, tiveram seus nomes expostos à opinião pública como se vagabundos fossem. Uma colega com 32 anos de serviço entrou nesse meio.     

Não sei o que se passa na cabeça do Presidente do Legislativo e de alguns amigos dele que o assessoram em tantas loucuras! Ele mexe com a vida de centenas de pessoas, expõe os nomes, as idades à opinião pública chamando-as de ¨ociosas¨.

Ou ele não é bom do juízo ou quer desviar o foco da questão: o sumiço de R$ 300 milhões dos cofres da Assembléia realizado pela Mesa que preside nos últimos seis anos. Tal fato já foi publicado em jornais, dito no ¨Fantástico¨ da TV Globo e consta de processos no Ministério Público.     

O pior de tudo isso é que a maioria das pessoas relacionadas na lista de Toledo (ou de Schindler) participaram dos movimentos grevistas reinvidicando salários (inclusive o 13º), férias e valores cortados dos contracheques aleatoriamente.     

Os servidores querem descobrir quem selecionou os ¨ociosos¨ ou o autor da famigerada lista. Impossível; a cada momento aparece um autor e ninguém tem a coragem de se acusar.     

Estava tudo tão calmo, mas a alegria de pobre dura pouco....

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia