Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 764 / 2014

02/04/2014 - 09:37:00

Acusados de assassinar vereador de Tanque D’Arca vão a júri dia 3

Homicídio completa 11 anos em junho deste ano; mãe da vítima denuncia ameaças

Carlos Victor Costa Repórter

No próximo dia 03 de abril, quatro acusados de assassinar o vereador de Tanque D’Arca, Renato Lima, serão julgados, após duas vezes  o julgamento ter sido desmarcado. O crime aconteceu há quase 11 anos, exatamente no dia 11 de junho de 2003. O que para mãe da vítima, Inez Morais Lima teria sido um crime político. 

A mãe, segundo relatou  para o Jornal Extra, não vive em paz desde o dia do assassinato do filho. Ela também falou sobre o dia do crime e das ameaças que já sofreu. “Ele era um homem bom, que não tinha intriga com ninguém,  mas vinha fazendo um belo trabalho como vereador, cotado até para ser prefeito do município, fato que ele  não queria por não ter condições.

Ele também era diretor do ginásio de multieventos da cidade, e no dia do crime Renato tava indo para o trabalho, quando foi abordado por dois homens e assassinado à queima-roupa. Com isso acabaram com toda minha família. Já fui ameaçada de morte várias vezes, meus netos também, por isso tivemos que sair do município, de onde vivi mais de 50 anos, hoje resido em Maceió”. 

Para Inez, o motivo do assassinato de seu filho seria político, onde ela alegou que muitas pessoas do município sabem quem foi que mandou matar ele. “O homem forte por trás disso é José Rubem Fonseca de Lima, candidato derrotado a vice-prefeito na chapa de Manoel Valente.

Pessoas na cidade dizem que foi ele que mandou matar, mas o medo faz com que elas não queiram testemunhar, pelo fato dele ter fama de bravo.” Pelo crime irão a júri: Agilberto Junior dos Santos,  que está preso mas não pelo assassinato do vereador, seu irmão Carlos Antenor Tenório Costa, que está em regime semi-aberto, com uma tornozeleira eletrônica.  

Carlos Jorge de Araujo Ferreira,  que atualmente é presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Tanque D’Arca, seu irmão Ricardo Jorge de Araujo Ferreira. Marcelo Borges Rocha também foi indiciado pelo crime, mas está foragido. Por fim, Inez alegou que espera a condenação dos réus.

“Quero justiça, viver em paz, pois com essas pessoas condenadas sei que vou conseguir dormir. Quero que meus netos e filhos tenham vida também, pois eles vivem amedrontados com toda essa situação.” 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia