Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 762 / 2014

19/03/2014 - 09:58:00

Roney Valença sofre novo revés e continua cassado

Sentença proferida pelo Juízo da 4ª Zona, que entendeu pela inelegibilidade de Roney Tadeu e Valdemir Lima, o vice, deve ser mantida

Carlos Victor Costa [email protected]

Em novembro do ano passado, o juiz eleitoral da 4ª Zona, Helestron Silva da Costa, julgou procedente a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) proposta pelo Ministério Público Estadual e cassou o mandato eletivo do prefeito do município de Tanque D’Arca, Roney Tadeu Valença Silva e do vice-prefeito, Valdemir Bezerra Lima, pela prática de captação ilícita de sufrágio, condenando-os ao pagamento de multa individual no valor de R$ 10.641 e, ainda, declarou a inelegibilidade de ambos por oito anos subsequentes ao pleito eleitoral.

Há duas semanas, a Procuradoria Regional Eleitoral em Alagoas emitiu parecer desfavorável ao recurso apresentado pelo prefeito cassado.  A apelação era referente a decisão do juiz Helestron Costa. Segundo depoimentos colhidos pelo Ministério Público, os investigados – que concorriam à reeleição em 2012 – teriam promovido farta distribuição de blocos de cimento aos moradores do Sítio Várzea Verde, localizado na zona rural de Tanque D’Arca, em troca de seus votos.

Diversos eleitores afirmaram que os benefícios recebidos teriam sido fruto de doação de material de construção realizada pelo filho de Roney Valença às vésperas do pleito eleitoral.

Outro fato que complica a situação de Roney e de seu vice, Valdemir Bezerra é a de que de acordo com a Coordenação do Ministério Público Eleitoral em Alagoas, nos autos, há provas contundentes da captação ilícita de votos em prol da candidatura de Roney e Valdemir, como fotografias e declarações colhidas pela promotora eleitoral da 4ª Zona. 

OUTRAS ACUSAÇÕES 

Roney Valença já foi acusado de liderar uma quadrilha que chegou a desviar cerca de R$ 5 milhões em verbas, prioritariamente, do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica.

A prova dos desvios, segundo a justiça, são ligações grampeadas, que comprovam as negociações entre integrantes da quadrilha e representantes das empresas. Por decisão do desembargador Rogério Fialho Moreira, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF/5ª Região), Roney Valença ficou na época impedido de se aproximar da sede do poder Executivo em Tanque D’Arca. 


PREFEITO  DENUNCIADO 

Em 2010, O Movimento do Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) Roney Valença à Procuradoria Regional Eleitoral (PRE). De acordo com a Coordenação-geral do Movimento a denúncia foi enviada por ofício pela Câmara de Vereadores da cidade, onde nela constava  mais de 28 acusações contra Roney, nas quais se destacam ,formação de quadrilha, esquema de notas frias, enriquecimento ilícito, crimes eleitorais, desvio de verba federal, fraude à licitação pública, recebimento de vantagem pública indevida, alienação de bens públicos, licenças particulares pagas com o dinheiro público e segurança armada sem autorização legal.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia