Acompanhe nas redes sociais:

21 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 762 / 2014

19/03/2014 - 08:58:00

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL - [email protected]

Juros, só numa emergência!

Passada a euforia do Carnaval - quando o Brasil realmente trabalha - é hora de se disciplinar, cumprindo à risca o orçamento doméstico, pesquisando preços, economizando nos vários ítens de consumo (alimentação, material de limpeza e higiene, energia, água, telefone, combustível, etc), procurando sobreviver e acordo com o que ganha e tenho o máximo cuidado na utilização do crédito parcelado, já que os juros vão continuar subindo e deverão chegar ainda este mês, nos nos 12% ano.Lembro que esse porcentual, funciona apenas entre bancos. É a chamada Taxa Selic,que puxa para cima, os juros diretos ao consumidor, principalmente no cheque especial e cartão de crédito parcelado. Evite isso e só compre à vista, exigindo do vendedor, um bom desconto. Cuidado também com as chamadas promoções  que o comércio lojista oferece. Os preços diferenciam muito de uma loja para outra. 


Pagando em dia

Se  você usa o cartão de crédito ou cheque pré-datado, pague o valor total no dia exato, evitando os juros, multas, taxas de administração. Esses dois mecanismos de crédito, devem ser utilizados em casos de emergência. Evite também o crédito parcelado em longo prazo, cinco anos, por exemplo. O valor do produto comprado, triplica do à vista. 


Outras despesas

As chamadas despesas fixas, aquelas que você tem que pagar mensalmente e no dia do vencimento. nunca devem ser prorrogadas. Se assim proceder, nunca vai ter o constrangimento de cobranças constantes e ter que pagar os juros e multas. Corte as despesas do dia a dia, jamais as fixas. 

Poupando

Nada mais economicamente correto para o assalariado, do que possuir uma reserva financeira: caderneta de poupança ou fundo de renda fixa. A primeira opção, continua sendo a melhor, pois pode ser sacada a qualquer momento, tem a garantia do governo federal e ainda é isenta de Imposto de Renda. 


Mudança

Em tempo de “dinheiro curto” como agora, mude seus hábitos de consumo, principalmente na alimentação. Nunca compre em apenas um supermercado, mercadinho, quitanda. Faça pesquise em vários. A concorrência é muito acirrada e você pesquisando, vai encontrar um preço menor. Também mude de marca, principalmente os enlatados. Mas lembre que verificar o prazo de validade e a composição nutricional. 


Empréstimos

As financeiras fazem de tudo para conquistar novos clientes, até mesmo aqueles que estão com o nome incluído no cadastro negativo (SPC/Serasa) e oferecem dinheiro fácil para pagar em até 60 meses (5 anos). Alem que os juros são baixos, o que é propagada enganosa. É só fazer as contas: da quantidade de parcelas e o valor total. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia