Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 761 / 2014

10/03/2014 - 20:38:00

Jorge Oliveira

É golpe, viu Lula!

Brasília - O que era uma manifestação discreta, agora está escancarada. Os petistas e os empresários lulistas estão enchendo a mídia com o “Volta, Lula” numa tentativa de desestabilizar o governo da Dilma e forçá-la a desistir da reeleição este ano. É golpe! Por trás dessa armação política, está o próprio ex-presidente que estimula a campanha quando recebe empresários no seu escritório em São Paulo e deixa vazar para a imprensa que eles estão insatisfeitos com o rumo da economia e com o tratamento grosseiro que recebem da presidente.

Estão acrescentando mais vozes ao coro da conspiração. Lula, é bem verdade, está de plantão para voltar ao poder mas prefere que a Dilma entregue o bastão para disfarçar o golpe. Se isso ocorrer, quem apostou que o mandato da presidente era tampão acertou na mosca. Ela esquenta a cadeira para a volta do Lula.

O alvoroço na cúpula do PT começou depois das últimas pesquisas que não deixam a presidente numa posição confortável para a reeleição. Esqueça, por exemplo, as manchetes dos jornais baseadas em pesquisas encomendadas que dão a Dilma ganhando no primeiro turno. É pura fantasia, mágica dos institutos. Esqueceu? Agora, leia nas entrelinhas dessas pesquisas publicadas. Lá, você vai encontrar o que mais ameaça a reeleição da Dilma e o que fez acender a luz vermelha nas hostes petistas: a presidente lidera a rejeição entre os candidatos Aécio e Eduardo Campos.

Não precisa ser um expert em marketing político para deduzir o perigo que ameaça a candidatura da presidente se esse percentual continuar aumentando.Para não deixar a Dilma isolada como campeã da rejeição, os institutos de pesquisas encontraram uma fórmula milagrosa de aproximar os dois candidatos dela.

A pergunta é: como Aécio e Eduardo estão próximos da rejeição da presidente se ainda não são candidatos oficiais? As pesquisas mostram que os dois prováveis candidatos são desconhecidos por mais de 80% da população, portanto, como eles podem estar quase empatados com a Dilma no quesito rejeição se ela é conhecida por mais de 90% da população? Conclua você mesmo. Mas antes que você dê a resposta, vou me antecipar: manipulação para continuar espalhando festivamente que a presidente ganha a eleição já no primeiro turno.Agora, vamos voltar ao golpe do Lula.

O PT, que adotou no país a doutrina bolivariana do chavismo e da ditadura dos irmãos Castro, quer se perpetuar no poder, portanto, vale tudo para subjugar o eleitor e se manter no pedestal. Indicar a Dilma já foi uma jogada do Lula. Um candidato carismático, independente e habilidoso politicamente não interessava ao ex-presidente quando pinçou a Dilma para substituí-lo.

Ele preferia o que está aí: uma presidente incompetente, de mente fragmentada e despreparada para o cargo que permitisse lá na frente movimentos como esses de “Volta, Lula”. Ora, o brasileiro sabe que a Dilma foi empurrada de goela adentro do eleitor por uma fábrica de marketing que a elegeu mãe do PAC, hoje transformada em madrasta depois da paralisação de quase todas as obras de infraestrutura no país.

E mais:  que a economia nas mãos do Mantega está afundando a cada dia; que se gasta mais na Copa do Mundo do que em setores básicos como educação e saúde, o que está levando à população às ruas; que os escândalos se multiplicam agora com  as bênçãos da Comissão de Ética que absolve os malfeitores do governo; que o governo está prestes a ser desclassificado pelas agências internacionais porque não consegue sair do atoleiro das contas públicas; e que a presidente não tem e nunca teve um plano para governar o país. Mas tirá-la a força é golpe, viu Lula!

Desapontamento

É por causa dessa deficiência administrativa e o risco de um desastre na reeleição que os petistas e empresários lulistas incentivam nos jornais e na rede social o “Volta, Lula” para forçar a Dilma a ceder o lugar a ele que, na verdade, nem precisava porque continua exercendo de fato o terceiro mandato.  Esse desapontamento do Lula, se você me permite, lembra muito o jargão de um esquete do Zorra Total, onde o ator Jorge Dória terminava o diálogo com o Alfredinho (Lucio Mauro Filho) e arrematava: “Mas onde foi que eu errei”?


Distorções 

Confesso que não entendo como o Supremo Tribunal Federal faz um julgamento contrariando a Constituição que o próprio tribunal deveria proteger como última instância da Justiça. A liminar do ministro Marco Aurélio para obrigar o Senado a pagar os privilegiados marajás acima do teto constitucional é discutível. Essa história de que decisão da Justiça não se descumpri, cumpre-se, é uma balela. É uma forma autoritária de silenciar os injustiçados que às vezes se sentem acuados por decisões injustas e descabidas de tribunais e preferem se calar a defender abertamente os seus direitos ultrajados. Num regime democrático, decisões judiciais devem sim ser discutidas e debatidas porque os juízes não estão acima do bem e do mal. Essa, por exemplo, inconstitucional, não só deve ser debatida como o Senado deveria lutar para tentar anular uma sentença monocrática que vai certamente criar jurisprudência no país se for mantida pelo pleno do STF.


Impunidade

É assim, penalizando os pagadores de impostos, que o país vai caminhando para uma anarquia jurídica. De vez em quando os brasileiros são surpreendidos por decisões descabidas de tribunais e ficam sem entender a lógica de algumas sentenças. Veja: existem centenas de criminosos que cumprem pena em casa e outros milhares soltos esperando apelações. O bicheiro Cachoeira é um exemplo disso. Condenado a mais de trinta anos vive solto em Goiás comparecendo a festas  e sendo homenageado como filantrópico. Outros, são condenados, mas gozam da regalia de sair de dia e voltar para o presídio à noite para dormir, como é o caso dos mensaleiros que roubaram milhões de reais e por esses dias, já na rua, leves e fagueiros, devem voltar ao crime.Três pêsÉ por causa dessas decisões esdrúxulas que a sociedade passou a divulgar que no Brasil a justiça é implacável apenas com as putas, os pobres e os pretos. Caiu em uma dessas categorias é xadrez na certa. Claro que o caso dos servidores do Senado ainda não está capitulado como crime comum, portanto, eles não estariam enquadrados nos três pês. Essas benesses são imorais e ilegais, simplesmente. Existe uma norma clara que diz que nenhum funcionário público pode receber mais do que o presidente da república. Então como se entende que o próprio STF transgrida à lei que ele próprio deveria ser o guardião? Só se pode imaginar que está julgando em causa própria, ou seja, se lá na frente a remuneração de um ministro do tribunal ultrapassar o que diz esse preceito, estaria resguardada por uma decisão do próprio STF, é o que se pode deduzir.


Anarquia

É assim que caminha o país da anarquia, da imoralidade e do faz de conta. Por causa disso é que os erros vão se acumulando, o dinheiro vai saindo pelo ralo e o brasileiro cada vez paga mais imposto para cobrir a incapacidade e a incompetência gerencial dos seus governantes. Guido Mantega, o mágico da economia, o homem que faz desaparecer números e estatísticas como fazia o Delfim Neto na ditadura, já anunciou que pode vir mais impostos por aí. Claro, o país precisa socializar a imoralidade dos gastos. Ou não é imoral, por exemplo, o contribuinte pagar por ano 5 bilhões de reais de pensões para filhas de militares? 


Pensões

Foi o que mostrou no domingo Antonio Temóteo, do Correio Brasiliense. Segundo a matéria, o Tesouro Nacional paga essa cifra astronômica a 103 mil filhas de militares que, para terem direito ao benefício, não podem casar, como se o casamento hoje valesse alguma coisa. Para se ter idéia desse descalabro até hoje 17 herdeiras de militares do Exército que lutaram na guerra do Paraguai, entre os anos de 1864 e 1870, recebem pensões. Como é difícil encontrar essas herdeiras depois de mais de um século e meio do conflito, ninguém sabe como o pagamento é feito e para onde vai o dinheiro. Já imaginou como seria engraçado você se deparar com uma dessas senhoras de 150 anos, elegantemente vestida, no caixa do banco para receber seu benefício. Não há registro no mundo de tanta longevidade. 

Privilégios

É assim, com essas distorções imorais, que o dinheiro do contribuinte vai pelo ralo. E a boca do ralo cada vez fica maior quando se sabe que milhões de reais estão sendo pagos para uma castra de privilegiados do Senado Federal, agora sob a custódia do Superior Tribunal Federal.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia