Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 761 / 2014

10/03/2014 - 20:33:00

Sururu

Matança, insegurança e a inércia

Da Redação

Daniel Nunes, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/AL classificou como: “carnificina”, o que vem ocorrendo com os jovens de Alagoas. Um dia após a citação de Daniel, o empresário Guilherme Brandão, proprietário do Maikai, foi executado dentro do seu estabelecimento vítima de um latrocínio. Guilherme é mais um que deixa as famílias alagoanas de luto. Em véspera de carnaval, época mais violenta do ano, a matança em Alagoas só vem crescendo, como aponta inúmeros estudos. A inércia do poder público, a conversa fiada de engravatados que ficam nos seus gabinetes e que andam de carros blindados não reflete a realidade do trabalhador que sai 5h da manhã, todos os dias de coletivo, para tentar sobreviver. 

O discurso vazio em época de eleição tanto para situacionistas quanto oposicionistas serão utilizados de forma eleitoreira, pois a vida em Alagoas não se tem valor; são meras estáticas, números frios.Enquanto uma mãe chora, um índice é analisado por detentores do poder que se preocupam com imagem pessoal e o próximo gerenciamento de crise para tentar sanar a “impressão” deixada. Vários “Guilhermes” são executados todos os dias em Alagoas. Maceió é terra de ninguém, está abandonada pela própria sorte. Não se trata mais de sessão de insegurança, mas sim, de insegurança generalizada!  

Leia mais sobre a violência em Alagoas na página 12. 

Reconhecimento

O Ministério Público arquivou o pedido de investigação que os black block do cinema alagoano pediram contra a secretaria de Cultura de Alagoas pela participação no filme “Olhar de Nise”, do diretor Jorge Oliveira. Como se sabe, incentivados pelo pernambucano Almir Guilhermino, professor da UFAL, estudantes da universidade tentaram impedir os trabalhos do documentário em Maceió em março de 2013. O MP considerou a representação infundada e, com o arquivamento do processo, reconheceu que a psiquiatra alagoana Nise da Silveira, uma das mulheres mais importantes do século XX, é uma grande personalidade do mundo que será retratada este ano em dois filmes, portanto, digna dessa homenagem. Ainda há quem valorize a cultura em Alagoas. Parabéns ao MP.

Novo prefeito 

Após nove anos um vice-prefeito da Capital irá assumir o comando de Maceió. O prefeito Rui Palmeira vai entrar de férias e Marcelo Palmeira assume a chefia do executivo. Vale lembrar que Cícero Almeida não deixou um dia sequer para Lurdinha Lyra, sua vice em dois mandatos, assumir como prefeita. Dizem que a mágoa nunca passou. 

Qual o lado

Em Alagoas o Partido Progressista (PP) tem o senador Benedito de Lira candidato ao governo. Mas uma pergunta favorece comentário pondo dúvida: o diretório nacional do PP se articula pendendo para apoiar o PSDB de Aécio Neves e Teotonio Vilela ou o PT de Dilma Rousseff, favorita nas pesquisas, mas sem estrela que brilhe forte no Estado?   

Advertência

 Candidatos em outubro devem ter atenção para evitar enquetes eleitorais em site. Elas, segundo decisão do Superior Tribunal Eleitoral, estão proibidas desde 1º de janeiro. A observação soa como advertência vez que nas eleições de 2012 as enquete foram comuns. É bom que nos partidos haja uma assessoria para não escorregar escorregões que contrariem orientação da Justiça Eleitoral. 


Moeda forte

No Nordeste começa falatório de haver políticos usando a estiagem prolongada para fortalecer a campanha, oferecendo meios para populações alcançadas pela seca terem abastecimento de água em troca do voto. Um toma lá dá cá que ao menos pelos lados de Alagoas passa à distância. Mas até quando ninguém topa uma aposta.


Black blocs 

Essa semana, a Câmara de vereadores de Maceió foi invadida por manifestantes que cobravam a não aprovação das OSs para capital. Devido à baderna que foi criada na Câmara, o presidente Chico Filho, classificou a atitude dos presentes como de “Black blocs”. 


João e as Comissões

O deputado federal João Caldas (SDD-AL) foi indicado para ocupar duas vagas em comissões permanentes da Câmara dos Deputados. As indicações foram feitas pela liderança do Solidariedade na Câmara. O deputado será titular na Comissão de Ciência e Tecnologia e suplente na Comissão de Minas e Energia. 

De Frei Beto:

“É impressionante o vigor que tem o comandante. Vou pedir o telefone do pediatra dele, porque ele tem a cabeça cada vez mais fresca e um entusiasmo juvenil  impressionante.” Opinião foi de Frei Beto  sobre Fidel Castro, por quem foi recebido em audiência recente em Cuba.  
Do Papa FranciscoRecado recente dele aos cardeais teve a ver com a importância para que evitarem as fofocas, as intrigas e os favoritismos pessoais. Foi explicito na mensagem dando conta de ser esse tipo de comportamento próprio de uma corte.


Cadê o grito!

A esquerda,  no quadro político voltado para as eleições de outubro, chama atenção não pela organização de atos públicos nas ruas de Maceió, constante no passado, mas na calmaria das  diversas correntes.  Entre eles não tem quem engue sentir falta do  grito na rua de “povo unido jamais será vencido.”


Carnaval

Pode ser engano mas a única pré-carnavalesca do carnaval deste ano,  na orla da Pajuçara, não transferiu motivo para o folião se entusiasmar  e cair na folia pelos próximos quatro dias. Ah! Quem for para a avenida deve ter cuidado com  a carteira. Isso em todos os sentidos.  


Doação de campanha

Os partidos ignoram ainda o valor dos recursos a ser liberado para o Fundo Partidário das eleições de outubro. É dinheiro para uso na campanha transferido do Orçamento, de  multas, penalidades e doações e de pessoas físicas até 10% do rendimento de  empresas limitados até 2% do faturamento bruto do ano anterior  ao da eleição. No caso a de 20012.


“Esforço concentrado”

1 - Uma decisão em comum do presidente do Senado, Renan Calheiros,  com os líderes partidários da Casa aprovou na terça-feira (25) que no período de junho e setembro, época da campanha eleitoral, os senadores dêem uma semana de trabalho por mês. O resto do tempo deverá ser usado na campanha da reeleição, nos seus Estados.
2 – É parte da rotina nas casas legislativas haver nesta época “esforço concentrado” para permitir a presença dos parlamentares que tentarão a reeleição ganhar tempo para a campanha. É de praxe acontecer no segundo semestre, período mais próximo das eleições. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia