Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 759 / 2014

18/02/2014 - 16:20:00

Gabriel Mousinho

Fim da malandragem

Embora muitas pessoas questionem as propostas do Procurador Geral da Assembleia Legislativa, o advogado Fábio Ferrario vai fazer história na Casa de Tavares Bastos.

Todas as medidas tomadas pelo presidente Fernando Toledo passaram por Ferrario, que tem dado sua contribuição para que a Assembleia seja respeitada, honrada, dignificada, o que não acontecia há dezenas de anos.Se maus políticos empurraram centenas de protegidos na Assembleia ganhando sem trabalhar, pessoas, aliás, de famílias importantes em Alagoas, não seria inteligente continuar com esta patifaria. E o Procurador Fábio Ferrario mostrou que se pode fazer muito mais.

Sugeriu cortar privilégios, instituiu o ponto, a partir de agora eletrônico e quem não compareceu ao trabalho perdeu dinheiro. E vai perder muito mais. E deve mesmo perder, independentemente de quem seja e até mesmo alguns profissionais de imprensa que se aboletaram nas tetas do parlamento anos atrás, como também outros inseridos na folha de pagame nto, além de deputados, vereadores, cabos eleitorais e dondocas.

Chegou a hora de se passar a limpo a Assembleia Legislativa e queira Deus que não haja retrocesso nas medidas que estão sendo tomadas. Quem não trabalhar, o que convenhamos era uma bandalheira, agora terá que dar sua contribuição. Contribuição justa de quem recebe dos cofres públicos.

Os outros parasitas, não todos evidentemente que se aposentaram, estão rindo da atual situação. Foram para o estaleiro com todas as honras e grandes salários. Mas na sua maioria foram empregados através do ´´é dando que se recebe´´.

Trabalhar na Assembleia Legislativa e nas Câmaras Municipais por Alagoas afora, era sinônimo de apadrinhamento, esquemas, de pessoas protegidas, de cabos eleitorais, de caixas de campanha, de dividir salários comissionados com alguns deputados. Pelo menos agora a Assembleia dá o exemplo. E o advogado Fábio Ferrario é o responsável por tudo isso.

Tiro de misericórdia

A instituição do ponto biométrico na Assembleia Legislativa proposta pelo Procurador Geral, Fábio Ferrario, é um tiro de misericórdia na malandragem que reinava na Casa de Tavares Bastos. Com o ponto eletrônico, certamente os servidores não terão como escapar da marcação da presença no local de trabalho, a não ser que alguns tentem imitar o que aconteceu há meses em uma das unidades de saúde pública no sul do país: produzir dedos biônicos para enganar as máquinas registradoras do ponto.


Bem próximo

Antes das convenções partidárias os partidos estão abertos para conversar com todos os segmentos e, em Alagoas, não seria diferente. Renan Calheiros, Biu de Lira, Fernando Collor, Ronaldo Lessa, Cícero Almeida e outros, varam a noite discutindo alianças e soluções. Até o deputado Alexandre Toledo, que sempre foi um fiel seguidor do governador Téo Vilela também se aproxima de Renan Calheiros. É a luta pela sobrevivência política.

Bote pronto

A Justiça Eleitoral deve estar preparando um bote para acabar com a propaganda eleitoral antecipada de alguns candidatos que circulam com seus veículos com adesivos estampados nos vidros. Alguns deles abusam da propaganda, a exemplo de Marx Beltrão que é candidatíssimo a deputado federal. O candidato que reina na região sul do Estado já migrou para outras regiões e hoje seria eleito facilmente para a Câmara Federal. 

Renan é o candidato

Mas o Renan Filho. O senador Renan Calheiros está preferindo permanecer em Brasília e continuar como presidente do Congresso Nacional. Tem mais visibilidade, poder e está muito próximo da presidente Dilma Rousseff, que também parte para a reeleição. Renan Filho já adota postura de candidato e agora articula, junto com o pai, os nomes mais fortes para vice e senador pelo PMDB.


Mais forte

O ex-prefeito Luciano Barbosa deve ser mesmo o candidato do PMDB ao Senado e com isso Renan Calheiros rompe politicamente com o seu colega Fernando Collor. O ex-presidente está formando sua própria base e se aproxima cada vez mais do ex-governador Ronaldo Lessa, pronto para enfrentar a briga que vai definir seu futuro político.


Dilema

O ex-prefeito Cícero Almeida está sendo assediado tanto pelo PMDB de Renan Calheiros, como o PTB de Fernando Collor. Só não quer desagradar nenhum dos dois, o que será muito difícil. Almeida está entusiasmado com uma carreira solo, embora já deva ir se prevenindo de que podem puxar o seu tapete.


Despistando

O presidente do PRTB disse com todas as letras que Cícero Almeida deverá disputar uma cadeira na Câmara Federal. Isso é despiste para não antecipar uma possível candidatura ao Governo. 


Alternativas

Embora continue conversando com todos os partidos da base aliada, o deputado Givaldo Carimbão não descarta a possibilidade de partir para a reeleição ou mesmo disputar a única vaga de senador. Qualquer das duas possibilidades pode acontecer, tem dito Carimbão nos corredores da Câmara dos Deputados.


Outros caminhos

A indecisão do governador Teotônio Vilela de definir quem será o candidato à sua sucessão, está empurrando grandes lideranças para os braços da oposição. O senador Biu de Lira, por exemplo, não diz publicamente, mas não está nada satisfeito com Vilela empurrando as eleições de outubro com a barriga.


Pode ser tarde

Sem uma definição na base política aliada, alguns candidatos em potencial podem migrar para outras legendas. As conversações vão de vento em popa. Renan conversa com Thomaz Nonô, que conversa com Collor, que deve conversar com Benedito de Lira, migrando para Ronaldo Lessa e Cícero Almeida. Samba do crioulo doido.

O defeito

A exemplo de Cícero Almeida, o governador Téo Vilela durante seus mais de sete anos de governo não produziu um candidato para sua sucessão. Deixou o barco correr solto. Apenas o senador Benedito de Lira, que construiu sua própria candidatura pelos trabalhos realizados em prol de Alagoas e de Maceió, ganhou fôlego. E pode se desvincular de Vilela, se ele continuar como bom tucano em cima do muro.


Ilusão do PSDB

Nos últimos dias se tem comentado de que o ex-secretário de Infraestrutura, Marco Fireman seria o candidato tucano ao Governo de Alagoas. Ele tem todo o direito, mas com certeza, não tem votos. Se Téo Vilela quiser ter sucesso e eleger o seu sucessor, embora seja uma eleição muito difícil, não pode apostar em ninguém a não ser em Biu de Lira. E o Biu já está com o saco cheio de esperar uma definição do governador. E é bom que Vilela pense seriamente de que é melhor com Biu de que sem o Biu.


Perguntar não ofende 1

E se juntar Fernando Collor, Biu de Lira e Renan Calheiros? Sobra pra quem?

Perguntar não ofende 2

Se o deputado Dudu Holanda é representante do PSD na Assembleia Legislativa e da base de sustentação do governo de Teotônio Vilela, como ele iria participar de um encontro da Frente de Oposição?


Reação de JL

O deputado federal João Lyra ficou surpreso com a notícia de que o PSD iria participar, hoje, do encontro da Frente de Oposição na cidade de Arapiraca. Já disse e reafirmo que apoio o governo de Teotônio Vilela. Não tenho duas conversas, disse o deputado que preside o diretório regional do PSD em Alagoas.


Chance zero

Pessoas ligadas ao senador Fernando Collor sequer admitem que o ex-presidente mude de rumo nas eleições deste ano. Ou seja, será candidato à reeleição dê no que der. Collor sabe que os ventos lhes são favoráveis e tentar outra candidatura seria suicídio político ou, no mínimo, insegurança.


Urticária

A prefeita de Arapiraca, Célia Rocha, dizem alguns amigos, quando está muito estressada começa a ter problemas na pele. Ultimamente ela tem se coçado muito, talvez pensando qual a decisão em quem apoiar nas eleições de outubro. Collor ou Luciano Barbosa?

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia