Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 758 / 2014

10/02/2014 - 11:17:00

Sururu

Da Redação

Quem acredita?


É comum em Alagoas botar banda de música na rua e o cidadão acreditar em dias melhores. A um quadro hereditária, transmitido a cada época de eleições hábito incentivado por candidatos em campanhas identificando  as dificuldades da população para fazer chover propostas de compromissos de com ele no poder a vida de todos vai melhorar.  Mas como promessas para a prática o quadro difere do que fazem representantes do povo em Brasília. Ou como responder o fato de hoje no Brasil a decepção ser fascilmente identificada nas denúncias divulgadas diariamentre sobre atos desabanadores envolvlendo justamente aquelesa que se proclamamram com a ordem e o progresso do País? Diante das ocorrências do dia a dia fácil identificar um vício gerado no dito popular do “triste do besta não fosse o sabido”? Uma questão que motiva dúvida a dúvida sobre se o  Brasil tem jeito, ainda.

Reajuste
Funcionários da Câmara Municipal de Maceió estão otimistas de a mesa diretora definir com efeito retroativo a janeiro, o  reajuste da categoria e aposentados em 7% mesmo percentual oferecido pelo prefeito Rui Palmeira para o pessoal ativo e inativo da Prefeitura. No ano passado o pessoal do legislastivo não teve reposição nos salários.


O que dizem
Não é observado ainda entre maceioenses conversas temperadas com motivação para confiar na reorganização do sistema de transporte coletivo da cidade. Lembram que o “lenga-lenga” na discussão da questão é coisa do arco da velha, empurrado pela barriga a cada legislatura. 


Mais presente
O senador Renan Calheiros (PMDB) está ultimamente mais presente em Alagoas. A observação que apareceu entre políticos oposicionistas tem a ver com o começo da contagem regressiva para realização das convenções. Renan, todos sabem, tenta emplacar o filho xará da Câmara Federal como inquilinos do Palácio dos Martírios em 2015.  .

Esfregando mãos
Prefeitos interior afora esfregam mãos enquanto aguardam a hora de receberem o bote (salto) de candidatos em busca de apoio nas urnas. É época de ouro para eles se sentirem úteis. Senão ao povo mas aos amigos poderosos.   

Estranho
 O prefeito Rui Palmeira, de Maceió, dá um pique de obras na sua administração que causa estranheza entre moradores  da cidade. Uns serviços são de boa qualidade mas outros deixam a desejar .Esse diferencial é fácil  de ser notado. Só depende do bairro onde o trabalho é executado.

Quebrado

O prefeito de Canapi, Celso Luis, retirou seu irmão Tenorinho Malta da disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa. Com uma dívida de campanha em torno de R$ 4 milhões, Celso agora tenta vender o apoio da família para quem o salvar dos agiotas.

 
Família unida...

O Tribunal de Contas do Estado terá três candidatos a deputado federal nas eleições deste ano: Antônio Albuquerque, apoiado pela irmã-conselheira Rosa Albuquerque, Val Amélio, apoiado pelo irmão-presidente da corte, Cícero Amélio, e Luis Pedro, filho da conselheira Cláudia Brandão, esposa do prefeito de Canapi, Celso Luis. 


Quase parando!

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) está investigando a morosidade dos atos na 10ª Vara da Capital, que tem como titular o juiz Erick Costa Filho e na 12ª Vara comandada pelo juiz Gustavo Souza Lima.


Opiniões 

O trânsito em Maceió se mostra fora de controle e pelo habitual comportamento dos motoristas o pédestre se pergunta qual a utilidade da SMTT. Outros conduzem a reclamação como “um problema de educação doméstica”.


Indecisão

Entre eleitores habituais participantes de conversas com lideranças de partidos consta como  questão de análise a indecisão do governador Teotonio Vilela na proposta do “esqueçam de mim como candidato em outubro.”  Do lado que não leva a decisão a sério aparece uma dúvida gerada pelao vício de uma frase bastante usual na vida  pública: “O que político diz hoje não tem validade amahá”.

“Documento público”

A presidente Dilma Rousseff  dá mostras de que não abirá mão dos acertos postados em uma mensagem definida como “documento público” assinado por  líderes de partido ligados ao Planalto propondo a não inclusão em pauta matérias que estimulem gastos públicos, uma tentação em ano de eleições.  O trato está em vigor desde o ano passado. 


Advertência

“É uma mensagem clara da presidenta para todos  os líderes,” advertiu Eduardo Braga (PMDB-AM), líder do governo no Senado, sobre o Documento Público.  Uma advertência que tem a ver com sete matérias engatilhadas para apreciação no retorno do recesso, em março. São aliados de Dilma no Senado Renan  e Collor. Lira se mostra alheio.


Novo mandato

1 - “Dentre os desafios da diretoria para o novo mandato, está a interiorização do gás natural através da extensão do gasoduto de Penedo até Arapiraca.” A proposta da Algás objetiva estender a distribuição do energético para todo o Agreste e fortalecer a infra-estrutura da região no atendimento às novas indústrias.
2 – Da Assessoria de Comunicação da Algás: “O gasoduto, que terá 66 km de extensão, partirá do city-gate da Petrobras na cidade de Penedo e passará pelos municípios de Igreja Nova e São Sebastião até chegar à futura Estação de Regulagem de Pressão (ERP) da ALGÁS na cidade de Arapiraca.”  


Lei-antii corrupção
Quem faz fé na execução dessa lei, caso ela venha a ser asprovada? A curiosidade tem a ver com o local por onde ela terá que tramitar: o Congresso Nacional. 


Mitivos?

Primeiro a lei anti-corrupção está direcionada para punir empresas que se locupletam favorecendo políticos com beneses estranhas, ou em miúdos fora dos rigores da lei. E segundo, como certos eleitores vão votar sem que lhe molhder às mãos?

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia