Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 756 / 2014

29/01/2014 - 08:44:00

A anarquia tomou conta do Brasil

José Arnaldo Lisboa Martins [email protected]

Não é necessário que uma pessoa seja Economista ou Engenheiro, para elaborar um orçamento. Qualquer pessoa, por mais ignorante que seja, é capaz de elaborar um, sem se utilizar da teoria dos compêndios. Basta um pouco de prática e um pouco de bom senso. Através das experiências do dia-dia, um lavrador é capaz de dizer quantos quilogramas de feijão ou milho serão necessários para ele plantar num hectare ou numa tarefa.

Ele será capaz de saber quantos dias serão necessários para o plantio e de quanto vai ter de lucro, claro que, com uma certa aproximação. Uma costureira pode saber quantos metros de tecidos serão necessários para um vestido de noiva, em quantos dias ela vai trabalhar e saber quanto ele lhe custa. Num país de vergonha, tudo deve ser previsto, medido, pesado e calculado, para que haja segurança nos planejamentos, principalmente, quando se trata de Serviço Público.

Um Governo não deve e não pode ficar fazendo as coisas de oitiva, no “chute” ou no “parece que é”. Um Governo sério, não deve ficar com suas improvisações, às vezes propositais, para poder cometer desonestidades. O Governo Brasileiro, de uns anos para cá, resolveu fazer as coisas na base da improvisação, sem nenhum critério de economia ou de planejamento, às vezes, para ser mais fácil haver a corrupção, como aconteceu com os mensaleiros.Um Plano de Governo, deve ser bem elaborado, independentemente das exigências das Leis que norteiam a matéria.

Eu estudei um pouco de Economia, pelo menos para saber o que são Receitas e o que são Despesas. Sem o equilíbrio entre elas, o Governo passa a ser deficitário, fazendo com que a realidade crie juros, gerando dívidas às vezes impagáveis. O Brasil está brincando de Economia, quando dispensando débitos de “companheiros” do Sr. Lula, seus vizinhos da América do Sul e fazendo a eles, criminosas doações bilionárias, no fim do seu Governo.

No mesmo caminho, está indo a Presidenta Dilma, quando fazendo doações, aos Srs. Prefeitos, de Pás Carregadeiras, Tratores, Caçambas, Retro-Escavadeiras e outros equipamentos rodoviários caríssimos, coisas sem precedentes na nossa História. Os Senhores Prefeitos estão num país sem Oficinas Mecânicas, sem Almoxarifados, sem Mecânicos Especializados, sem Motoristas e sem dinheiro para bancar tamanha derrama eleitoral. Alguns dos equipamentos doados, já estão encostados, por falta de manutenção e de peças de reposições, com os Prefeitos sem saber o que fazer com os “cavalos de Tróia” que a Sra, Dilma aprontou para eles. 

Em termos de esbanjamento, somos o País da Anarquia, da Falta de Planejamento e das Doações Eleitorais Legais. Somos de um País que distribuiu mais de mil “kits” rodoviários nos palanques que foram armados para a festa. Estamos bem pertinho da Copa do Mundo e das Eleições que virão logo depois delas.

Eu estou com medo de tantas festas, de tantas doações, de tantas compras de votos e de tantas impunidades que virão, nas “barbas dos nossos Tribunais”. Eu vou ficar com medo de sair às ruas, com tantas “caras pintadas” que poderão vir e com tantos mascarados que poderão aparecer, para transformar nossa “copa do mundo, numa “copa do fim do mundo”.


Em tempo - Para mim foi muito gratificante, saber que a Ilustre Magistrada, Dra. Ester Manso, já leu artigos meus, algumas vezes. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia