Acompanhe nas redes sociais:

26 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 755 / 2014

22/01/2014 - 07:23:00

S.O.S. Alagoas

Cunha Pinto

Melhor qualidade
Algás  começa a produzir gasolina automotiva com menos enxofre, produto que permitirá uma redução de gases poluentes e que permitirá um prazo de durabilidade maior para as peças dos veículos mediante uma redução das impurezas. De cor rosada ficará fácil de ser identificado nos postos.

Justificando 

O GNV, segundo testes, é mais econômico que a gasolina, o álcool e terá preço médio de R$ 1,91 por metro3, além de fazer bem ao meio ambiente. Foi lançado em fins de 2013 e a proposta para quem queira adaptar veículo  para usá-lo como combustível se estende até 20 de fevereiro. (Com a Marketing Publicidade).  


Licenciamento

Ainda sobre o segmento automobilístico vale lembrar que entra na contagem regressiva o mês de agendamento no AL Detran para renovação do licenciamento de veículos motorizados. Um trabalho de praxe com calendário para cumprimento alicerçado nos números terminais das placas.


Paciência

Na Assembléia Legislativa começa a ser observada uma abertura de entendimento da mesa diretora com os funcionários do quadro efetivo A mobilização dos servidores, contudo, segue em frente devido a falta ainda da liberação do 13º. Foram quitados só dezembro e 1/3 das férias.

 
Sextas clássicas

O Projeto Sextas Clássica, em Marechal Deodoro, segue até o dia 21 de fevereiro e na segunda quinzena deste mês tem a imperdível programação para anotar: Dia 17 (esta sexta-feira) Arte e Choro.Com e mais Dida Lira com o show Canções Napolitanas); Dia 24  Grupo Samba da Massagueira com a Banda Filarmônica Santa Rita; e dia 31 Nelson da Rebeca e Coral Prisma fecham o mês.


Da curiosidade

A desistência de Teotonio Vilela por um mandato no Senado abre curiosidade sobre quem ele vai apoiar na sua  sucessão. São vistos como pré-candidatos do Palácio dos Martírios, além agora do vice Thomas Nonô, também Benedito de Lira, mas com cotação mais abaixo  De chances, mas remotas, aparece o deputado Fernando Toledo.  

Observando

O deputado Judson Cabral (PT), neste ano de eleições, está mais para ouvir que comentar o rumo que pretende dar a sua carreira política.Paciente, sempre sorridente, consciente da boa postura na ALE e  bem com a vida, deixa na dúvida se topará a reeleição ou lança nome para uma majoritária.  


Por enquanto

Em Alagoas, áreas habitualmente penalizadas pelos períodos de estiagem, o Sertão em especial, não se observa no momento agricultores se queixando daa falta de água. Tanto para consumo doméstico como para a lavoura e a sobrevivência dos animais. Já as obras da adutora avançam em rítimo bem acelerado.

 
Observação popular 

“Rui Palmeira mantém na Prefeitura de Maceió o estilo Teo Vilela no governo do Estado. Não é de levantar o tom da voz, evita polemizar com a oposição e mantém o apoio da maioria dos vereadores na Câmara. Conta nos dedos quem é da oposição.


Presidenciáveis 

Eduardo Campos e Marina Silva, ambos do PSB e unidos numa chapa para as eleições presidenciais, abre nas coligações adversárias em Alagoas, preocupação sobre radicalização da campanha.  

Risco de dengue 

Em 2013 ocorreram 1,4 milhão de casos de dengue no Brasil, quase o dobro do ano anterior (2012). Os dados são do Ministério da Saúde com previsão de neste ano o surto da doença ser bem mais forte. A informação se alicerça em pesquisa feita em 1.315 municípios brasileiros.

O que falam 

Da vinda recente de Fernando Henrique Cardoso a Alagoas conversa foi que teria sido mais que para “um descanso” da sobrecarga do trabalho na  coordenação da pré-campanha de Aécio Neves a presidência. Teve a ver  para convencer Teotonio Vilela em manter sua candidatura ao Senado. 

Candidatos

Nos partidos observação dá conta que não surpreenderá se neste ano haver fartura de pessoas propondo ser candidato.Áreas mais procuradas constam Assembléia Legislativa e Câmara Federal. Os escândalos do ano passado são instrumentos do estímulo para o que alguns chamam aventura.

Eleitor

Outro campo da contenda eleitoral que injeta o estímulo da “vocação política”de alguns é o fôlego eleitoral do sobrenome. Um quesito, inclusive, constatada através da história das casas legislativas no Estado funcionando como “capitania hereditária.”


Quem topa?

No interior é observado ex-prefeitos analisando chances de uma candidatura legislativa em outubro. A maioria (observam eleitores é com interesse de “prender” processos na Justiça condenando o passado político da maioria.   

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia