Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 754 / 2014

15/01/2014 - 17:08:00

Cientista política diz que decisão de Téo Vilela foi inteligente

João Mousinho [email protected]

O governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) revelou durante entrevista coletiva que vai permanecer no cargo até o final do seu mandato. A decisão de Vilela coloca um ponto final na especulação da sua possível candidatura ao Senado e meche com o xadrez político visando o Palácio República dos Palmares.

 Para a cientista política e professora da Universidade Federal de Alagoas, Luciana Santana, o posicionamento de Téo Vilela foi correto. “O governador vai cumprir seu programa de governo. Ele foi inteligente ao anunciar que vai terminar o mandado. Suas avaliações negativas iria levar seu nome de forma desgastada para qualquer disputa em 2014”. 

Ainda segundo a especialista, Vilela deve melhorar os indicadores sociais do Estado até outubro e fortalecer a sua imagem e consequentemente do candidato do grupo governista; além de blindar os ataques da oposição já que não é mais candidato. “Quero comunicar a todos vocês que ficarei no mandato até o último dia dele.

Não estou plenamente satisfeito com os resultados da educação, da saúde e da segurança. Embora tenhamos avançado muito, podemos avançar muito mais e eu vou ficar pra que consigamos atingir isso”, disse o governador durante a coletiva. Luciana Santana analisou que Vilela protegeu seu partido com a decisão e visou seu futuro político.  

“O PSDB seria muito prejudicado se deixasse o governo com a imagem de hoje e tanto pessoalmente, quanto politicamente seria uma situação difícil de reverter num futuro breve; pensando em 2016 e 2018.”A cientista polícia foi questionada se seria viável a candidatura de um tucano para suceder Vilela e ela foi direta: “Acredito que não, apenas se for um imposição do diretório nacional. O cenário em Alagoas parece está encaminhado para a união das forças da base do governo Viela encabeçado por um nome que deve ser escolhido ou que já está sendo trabalhado”.


Nomes da sucessão 

Quem faz parte da gestão de Vilela é o PP do senador Benedito de Lira e que já adiantou desde 2013 que está disposto a ir para o páreo na condição de candidato da situação. Lira deixou claro que não fará composição para ser vice de ninguém e declarou no início da semana: “Já fui vice e não gostei”. Outro nome que pode estar em pauta é do vice-governador José Thomaz Nonô (DEM) que esperava que Vilela fosse candidato ao Senado para ir à disputa sentando na cadeira de governador. Assim como Benedito, o vice-governador também se posicionou de forma política: “Teotonio deixa de ser um forte candidato a qualquer cargo que viesse a disputar e passa a ser um forte eleitor, e naturalmente ele deve ser o comandante do bloco.”Quem também sonha com o apoio do governador para disputa do executivo do Estado é o PSB. A presidente estadual da sigla, Kátia Born, tenta costurar com o presidenciável Eduardo Campos (PSB) o apoio de Vilela ao deputado federal e ex-prefeito de Penedo, Alexandre Toledo. 


E o Senado?

Com a saída de Vilela da disputa ao Senado, como vinha sendo especulada, a eleição hoje seria polarizada entre o senador Fernando Collor de Mello (PTB) e a vereadora Heloísa Helena (Psol). Ambos confirmaram que são pré-candidatos. Após a coletiva de Vilela muitos nomes ligados ao governo foram cogitados para fazer frente a dupla Collor e Heloísa.

Quem não descartou a possibilidade de tentar uma vaga no Senado com o novo cenário foi o deputado federal Givaldo Carimbão (Pros), que sempre manteve atrelado ao governo tucano, desde quando dava as cartas pelo PSB. Além de Carimbão, o secretário de esportes de Maceió e presidente Estadual do PSDB, Pedro Vilela, é outro que figura como potencial candidato. Em recente entrevista ao jornal Extra, Pedro disse que seu nome será colocado a prova em 2014.

 Existe um forte indicativo que Pedro seja candidato do seu grupo político para substituir Rui Palmeira em Brasília, que hoje é prefeito de Maceió. Com a saída de Téo Vilela, Pedro pode subir sua candidatura de deputado federal para o Senado. Até as convenções várias possibilidade serão ventiladas e nomes especulados.  

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia