Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 753 / 2014

12/01/2014 - 18:25:00

Usina nuclear em Alagoas é uma ameaça para população e o Rio São Francisco

Com risco de acidente, praticamente toda Alagoas e estados vizinhos seriam contaminados

Carlos Victor Costa [email protected]

A energia nuclear atravessa um período crítico. Como resultado dessas inquietações e incertezas, está em curso uma reavaliação, em grande número de países, sobre o futuro da sobrevivência e do uso de reatores nucleares para geração de eletricidades. O problema que está para acontecer é uma possível instalação de uma usina nuclear no município sertanejo de Alagoas, Piranhas.  Projeta-se até 2030 a instalação de quatro novas usinas nucleares sendo duas no Nordeste.

Uma seria na cidade de Itacuruba no sertão pernambucano (480 km de Recife) como provável local para esta instalação a beira do Rio São Francisco. O que acabou gerando uma total repulsa dos moradores através de uma carta.  O outro município é Piranhas (291 km de Maceió), em função da declaração pública do chefe do escritório da Eletrobrás/Eletronuclear de Recife, apontando o município como o provável destino para a instalação da usina nuclear nordestina, as margens do Rio São Francisco.

 Após a declaração do coordenador regional no nordeste da Eletronuclear, Carlos Henrique da Costa Marins, alegando que Alagoas está apta a abrigar uma das 6 centrais nucleares previstas para o nordeste, um inquérito civil foi instaurado pelo Ministério Público Federal (MPF) em Arapiraca/Alagoas para investigar o processo de instalação da usina nuclear.

Um ofício foi enviado para a Eletrobrás/Eletronuclear solicitando informações sobre o andamento do projeto, e detalhes, como a localização exata das duas usinas nucleares anunciadas pelo Governo Federal a serem instaladas no Nordeste, bem como a data prevista para o início da construção.  O MPF solicitou ainda o esclarecimento de que forma as populações afetadas foram consultadas sobre a implantação da usina, como exige a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).


DEPUTADO É CONTRA INSTALAÇÃO

O Jornal Extra conversou com o deputado estadual Inácio Loyola (PSB),  que é natural de Piranhas. Para a reportagem o parlamentar disse que é um absurdo a possível instalação da Usina na cidade. “É o maior absurdo, uma ideia criminosa, pois se pararmos pra analisar é um risco fatal para todos nós. O rio São Francisco é o maior manancial do Nordeste e não podemos deixar que ele seja afetado. Pois com a instalação irresponsável dessa usina muitos estarão correndo risco de vida, pois qualquer contaminação que o rio  venha a sofrer, a população também poderá ser afetada. 

Centenas de problemas foram revelados durante uma inspeção em usinas nucleares em funcionamento na União Europeia. A solução destes problemas custará 25 bilhões de euros, afirma o relatório, cujos excertos foram divulgados pela imprensa. Praticamente todas as 143 centrais nucleares europeias não podem ser consideradas totalmente funcionais e seguras, afirmam os peritos que conduziram a inspeção. Espera-se que a versão completa do relatório seja publicada na quinta-feira.

Países como Rússia e França já apresentaram falhas em suas usinas. O deputado também comentou sobre a desativação de usinas na Europa. “Um país como o Japão, rico em tecnologias não consegue administrar os problemas que ocorrem nas usinas de lá, imagine o Brasil ou especificamente Alagoas que não tem nenhuma tecnologia ou estrutura para conter um desastre. Vários países da Europa como a França e Rússia estão desativando suas usinas, aí porque o Brasil agora quer trazer para cá, é inaceitável e irresponsável essa instalação”. 


VANTAGENS E DESVANTAGENS 

Uma das alternativas energéticas disponíveis no mundo, a energia nuclear levantou diversas questões ao longo das últimas décadas com relação à sua utilização de forma segura. Ainda hoje a inauguração de centrais energéticas que se utilizam da energia termonuclear são cercadas de polêmica e protestos vindo de diversas correntes da sociedade, devido ao risco, sempre presente, deste tipo de energia escapar ao controle dos operadores e causar destruição e morte às áreas vizinhas.

No Brasil, temos em sua maioria usinas hidrelétricas, que utilizam a força das águas em movimento para a geração de energia elétricaComo todos sabemos, a energia nuclear é uma das alternativas energéticas mais debatidas no mundo: comenta-se, entre outros tópicos, se valerá a pena implementar centrais de produção nuclear ou se devemos apostar noutro tipo de energias que sejam renováveis, pois como sabemos a energia nuclear não é renovável, uma vez que a sua matéria-prima são elementos químicos, como ourânio, extraídos de minerais.

Diante disso o Jornal Extra conversou com Elton Fireman, Doutor em Física e professor da Universidade Federal de Alagoas, que falou sobre as vantagens e desvantagens de uma usina nuclear. “A vantagem é que não emite CO2. Ao contrário do que muita gente pensa, a energia nuclear não é uma energia suja, os impactos ambientais causados pela deposição do resíduo radioactivo não são muito maiores que os impactos de uma hidroeléctrica. Se não usarmos uma usina nuclear, teremos substituto? Pois não temos cachoeiras suficientes para suportar uma hidrelétrica, esse é o problema. Mas o  principal problema mesmo é o risco de acidente.

Pois tem que ser bem analisado o local que a usina será instalada e também o local onde será colocado o lixo nuclear, que é a parte contaminada, que deve ficar no lugar bastante isolado. Não afetaria só o rio, mas atingiria quase o Estado todo. A região ficaria contaminada por muitos anos e os impactos do acidente iriam surgir aos poucos. Há vantagens e desvantagens para uma possível instalação”. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia