Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 751 / 2013

27/12/2013 - 11:04:00

Gabriel Mousinho

Biu e a medicina no Cesmac

Durante três longos anos vencendo etapas muitos difíceis, finalmente o senador Benedito de Lira viu o seu trabalho coroado de êxito com a aprovação pela Comissão de Recursos Humanos do Conselho Nacional de Saúde, para a liberação final do curso de Medicina do Cesmac, que irá ocorrer nos próximos dias.Fazendo o dever de casa, o Cesmac mostrou competência em atender todas as exigências do governo federal. O reitor João Sampaio e o vice-reitor Douglas Apratto, travaram uma verdadeira cruzada para mostrar que o Cesmac, centro de referência de ensino no norte e nordeste, tinha as condições plenas para instituir um curso de Medicina tão desejado pelos alagoanos.Mas o trabalho incessante do senador Benedito de Lira, se reunindo com técnicos, diretorias de recursos humanos do governo federal acompanhando todo o processo para a aprovação do curso e o contato permanente com os Ministros da Educação e da Saúde, foram fundamentais para que o tão sonhado curso de Medicina do Cesmac seja dentro de poucos dias autorizado.Os alagoanos agradecem.

Indecisão prejudicial

A indecisão do governador Téo Vilela de admitir ou não sua candidatura ao Senado nas eleições do próximo ano, tem trazido conseqüências nada agradáveis para os partidos da base aliada. As alianças têm ficado difíceis e os candidatos patinam na incerteza do governador, que insiste em fazer mistério de sua decisão até os primeiros dias de abril do próximo ano.Se o silêncio do governador faz mal aos seus aliados, consequentemente faz muito bem aos seus adversários, que procuram por todos os meios encontrar motivos para que ele não saia candidato ao Senado.Ao que parece os aliados já tomam rumos sozinhos, independentemente da decisão ou não de Vilela. Reflexo disso são as alianças que estão acontecendo em ritmo acelerado. Os aliados acham que estão perdendo muito tempo enquanto os adversários trabalham nos bastidores para montar uma estrutura capaz de enfrentá-lo nas urnas.Mesmo com comportamento de candidato, com ações de candidato e publicidade de candidato, o governador deixa todos atordoados. Se isso é uma estratégia, que seja para o bem de todos, dizem alguns aliados de Vilela.


Nem ver

Se depender de algumas empresas de ônibus o município jamais realizará a tão sonhada e esperada licitação. Algumas alegam que estão quebradas e já teve empresário que já vendeu oito apartamentos para investir no setor. A coisa é séria.

Oposição

O PMDB adotou de uma vez por todas o discurso de oposição. No encontro na Adepol, o deputado federal Renan Filho foi incisivo, crítico da segurança e das ações do governo do Estado. Ele disse que o governo nunca fez nada por Maceió, mas esqueceu que um bom trabalho de infra-estrutura e de saneamento na parte baixa da cidade, além da construção de duas UPAS é de responsabilidade da administração de Téo Vilela.


Sem chances

A postura do PMDB com relação às eleições do próximo ano revela que não existe  a possibilidade de aproximação do partido do senador Renan Calheiros com o PSDB do governador Téo Vilela. O comportamento dos peemedebistas nas reuniões demonstra que PMDB e PSDB estarão fatalmente em confronto no próximo ano.

 
Anunciado

Todos os partidos trabalham para uma ampla coligação para as eleições do próximo ano. O PMDB, através do senador Renan Calheiros, já disse que estarão num mesmo palanque o PSB, o PDT e o PTB, podendo ampliar o número nos próximos dias.


Resolvido

A distância entre o PTB de Collor e o PMDB de Renan Calheiros, parece que encurtou nos últimos dias. Fernando Collor não estava nada satisfeito com a possibilidade de uma chapa puro-sangue do PMDB, quando chegou até a dizer que não engoliria prato feito. Mas pelas últimas declarações de Calheiros, o PTB fará sim parte da coligação nas eleições majoritárias de 2014.


Sem dúvida

Numa reunião em que não teve muita representatividade, o ex-governador Ronaldo Lessa bateu o martelo: é candidato a deputado federal. Não quer entrar em novas aventuras e ficar mais uma vez fora do caldeirão político.


Dificuldades

Profissionais da política observam com preocupação uma chapa para deputado federal com a participação do PMDB, PDT e outros afins. Ali disputarão o cargo Renan Filho - se não sair candidato ao governo -  Ronaldo Lessa, Marx Beltrão e Cícero Almeida, entre outros. Chapão arriscado.


Lados opostos

Téo Vilela e Fernando Collor estarão em lados opostos em 2014. Não haverá acordo que faça Téo e Collor marcharem juntos nas eleições do próximo ano. Não existe clima para qualquer aproximação, dizem pessoas ligadas aos dois. Eles irão decidir a parada nas urnas. Collor de um lado e Téo do outro.

Novo hospital

O provedor da Santa Casa, Humberto Gomes de Melo, anunciou num almoço aos jornalistas no Hotel Jatiúca, a entrada em operação, já em janeiro, de novo hospital onde funcionava a Casa de Saúde Santa Juliano. Serão mais 78 leitos com dez unidades de tratamento intensivo. Uma grande conquista.

Na reserva

Pelo menos até o momento não existe qualquer possibilidade de o ex-vice-governador José Wanderley Neto disputar uma eleição majoritária. Ficará na reserva para qualquer eventualidade, a não ser que engrosse a fileira de candidatos a deputado federal. O senador Renan Calheiros, velho estrategista político, só lançará mão de alguns nomes se for absolutamente necessário.


Bola da vez

O ex-prefeito de Arapiraca, Luciano Barbosa, está sendo preparado para disputar o Senado, isso se Fernando Collor não compor com o PMDB de Renan Calheiros. Havendo uma aliança entre PMDB e PTB, Luciano estará fora da jogada. Mas será recebido de braços abertos nas eleições proporcionais para deputado federal.


Crescendo

Algumas pesquisas realizadas no interior demonstram o crescimento do senador Benedito de Lira numa candidatura ao governo. Avança principalmente no maior reduto adversário, o município de Arapiraca, junto com o governador Téo Vilela.


Preocupação

Sem a força de mandatos anteriores, a prefeita de Arapiraca Célia Rocha vê com preocupação os adversários ganharem espaço. As eleições majoritárias não serão nada fáceis no segundo maior colégio eleitoral do Estado.


Saudade

Já faz tempo que a Usina Triunfo, na administração dos irmãos João e Emerson Tenório, que controlavam a indústria, mantinha uma relação de respeito com a população. Agora, não. Tome poluição. E o mais engraçado: parece que não existem órgãos fiscalizadores em Alagoas. O Instituto do Meio Ambiente é omisso, a prefeitura parece não se preocupar com a saúde de seus moradores e o Ministério Público dá a impressão que não vê e nem sente os efeitos da poluição. Viva Alagoas!


Collor e a imprensa

O senador Fernando Collor se reúne nesta sexta-feira com jornalistas em café da manhã na Bodega do Sertão, onde fará um balanço das suas atividades no Senado no ano de 2013. Como não poderia deixar de ser, falará sobre sua candidatura em 2014, seus projetos, suas alianças políticas e a oposição que tem exercido ao governo de Téo Vilela nos últimos meses.


Oposição reunida

Na segunda-feira setores da oposição se encontram num almoço de confraternização no restaurante Famiglia Giulliano, onde tratarão das eleições majoritárias e proporcionais do próximo ano. Presentes o senador Fernando Collor, o ex-governador Ronaldo Lessa, o ex-prefeito Cícero Almeida e dirigentes do Partido dos Trabalhadores, além de outras lideranças políticas da capital e do interior. Renan não confirmou presença. 

Novo hospital

O provedor da Santa Casa, Humberto Gomes de Melo, anunciou num almoço aos jornalistas no Hotel Jatiúca, a entrada em operação, já em janeiro, de novo hospital onde funcionava a Casa de Saúde Santa Juliano. Serão mais 78 leitos com dez unidades de tratamento intensivo. Uma grande conquista.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia