Alagoas, 15 de agosto de 2022 23º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Fátima Vasconcellos
Opinião

Blog da Fátima Vasconcellos

Por Fátima Vasconcellos
OPINIÃO

SOS Tradição Nordestina

Fátima Vasconcellos

29/06/2022 19h07 - Atualizado em 29/06/2022 19h07

É hora de começarmos um movimento pelo resgate e respeito às origens
DivulgaçãoÉ hora de começarmos um movimento pelo resgate e respeito às origens

Acharam pouco ignorar o frevo e marchinhas carnavalescas da festa do Momo ... agora descaracterizaram também os festejos juninos. O autêntico ‘pé de serra’ ficou fora dos arraiais em todo o Nordeste (faltou xote, baião e xaxado). O ritmo da temporada saiu da categoria de estrela principal, e quando muito, ganhou uma ‘palhinha’. 

Ou seja, atropelaram nossa cultura, impondo música eletrônica, funk, rap, sofrência e outros modismos que já são explorados corriqueiramente em outras datas do ano, e deixaram o repertório típico em última posição. Prefeitos e governadores, raras exceções, patrocinaram a desconstrução das raízes nordestinas. O pior é que pagamos por isso (e caro).

É hora de começarmos um movimento pelo resgate e respeito às origens da festa. Não seria demais um projeto de lei para trazer autenticidade aos palcos juninos, tornando obrigatório que 80% das apresentações sejam de bandas de forró (com sanfona, triângulo e zabumba), inclusive inserindo no repertório eternos sucessos de Luiz Gonzaga e Dominguinhos, por exemplo. O forró estilizado entraria em segundo plano, acrescentando uma perspectiva contemporânea ao evento, mas o baião, xote e xaxado (que resgatam o forró pé de serra) jamais devem faltar em festejos juninos.

Inadmissível que artistas altamente representativos da cultura nordestina, como Flávio José, Flávio Leandro, Elba e Zé Ramalho, Jorge de Altinho e Alcimar Monteiro, entre outros, não tenham sido os preferidos nos festejos juninos públicos – alguns nem chegaram a cantar. Prefeitos e governadores mudaram o foco, vale a redundância: deram vez ao funk, sofrência, música eletrônica de boate, e pasmem... até rap. Nada contra o gosto de cada um, o problema é colocar isso num evento que consta no calendário civil como marco da tradição nordestina do nosso país.

O povão, é claro, jamais ficaria em casa com show de graça na rua. Teve casa lotada, teve mega estrutura, teve investimento alto (até demais), mas faltou qualidade e respeito à cultura popular.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade