Alagoas, 29 de março de 2020 25º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Elias Fragoso
Opinião

Artigos de Elias Fragoso

Por Elias Fragoso
OPINIÃO

Para onde vamos ?

Elias Fragoso

20/12/2019 13h01

A cada final de ano, mercado, governo e especialistas são instados a fazer suas previsões em relação ao próximo ano. Para 2020, a opinião praticamente unânime entre esses players é que o Brasil deverá “crescer” em torno de 2%. 

À primeira vista um dado auspicioso, depois dos 5 anos da ressaca dos corruptos governos petistas que “comeram” quase 7% do PIB brasileiro e espalharam um rastro de 13,5 milhões de pessoas desempregadas e a perda de renda real principalmente entre os mais pobres, os negros, os jovens e as populações do Norte e Nordeste do País. Justamente aqueles a quem eles diziam defender (sic!).

A crise do já longínquo 2014 provocou o aumento da desigualdade no país, a redução de 27% dos investimentos no período compreendido entre 2014/18, nenhum avanço na baixa qualidade do ensino, a não redução do desemprego estratosférico de mais de 12 milhões de pessoas, a grave crise fiscal ainda não resolvida (faltam as reformas tributária e administrativa e a interminável trabalhista, pelo menos), além do baixo crescimento e das incertezas da economia no plano global, são ameaças presentes ao crescimento sustentado desejado por todos.

Os 2% esperados para 2020 é melhor que os raquíticos menos de 1% dos últimos 4 anos. As coisas começam a se rearrumar, mas ainda estamos distante dos 3,5% que o país precisa alcançar para começar a sair do atoleiro de 2014. Um PIB baixo significa menor arrecadação do governo, maior dificuldade no ajuste das contas governamentais, impede o aumento do investimento público que, por sua vez, reduz as perspectivas de geração de mais empregos, a esperança por um crescimento robusto.

Mas, a recente mudança na nota do Brasil por uma das agências de classificação de riscos é uma boa noticia e um reconhecimento do que vem sendo feito desde o governo Temer e continuado pela equipe econômica do governo Bolsonaro. Mas ela pontua que o momento ainda é de incerteza quanto às reformas pela fragmentação do Congresso e a até agora, incapacidade do governo de estabelecer uma coalização de maior efetividade para a agenda de reformas.

Este ano precisa ser o divisor de águas em relação ao passado petista. Ou resolvemos os imbróglios econômicos e os esqueletos do nosso orçamento que desafiam a retomada do nosso crescimento, ou vamos continuar patinando no nosso eterno voo de galinha que a todos infelicita.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade