Alagoas, 10 de dezembro de 2019 24º min 29º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Jorge Moraes
Opinião

Artigo Jorge Moraes

Por Jorge Moraes
OPINIÃO

Cada país com seus problemas

Jorge Moraes

02/12/2019 13h01

Pobreza ao extremo e alto índice de desempregados são problemas que se encontram no Brasil
DivulgaçãoPobreza ao extremo e alto índice de desempregados são problemas que se encontram no Brasil

Normalmente a gente só enxerga graves problemas no país em que se vive. Tudo o que não presta está do nosso lado. Vejo problemas em todos os lugares, dos mais ricos aos mais pobres. Cada um carregando a sua cruz. Alguns motivos e exemplos: nos Estados Unidos são as grandes queimadas, especialmente na região da Califórnia, ou o envolvimento com guerras, que, como a maior potência bélica do mundo, não deixa passar em branco o seu envolvimento. Outros países, como a pequena ilha de Cuba, vivem sob um regime ditatorial, onde as pessoas passam fome e nada podem fazer.

No Japão, são os tsunami e terremotos. Quantas pessoas não perderam suas vidas? Milhares. Provavelmente um número não calculado, definitivo. Cidades destruídas e reconstruídas, com o sofrimento de muitos e o engajamento de todos. Na Índia, nos países africanos, em qualquer lugar, nada é fácil para ninguém. Aonde não existe problema, a natureza se encarrega de levar. Países com temperaturas baixíssimas, com temperaturas 20º ou 30º graus abaixo de zero. Lugares aonde o Sol não aparece, com uma população pequena e acostumada a isso, porque nasceu por lá e aprendeu a conviver com isso. 

E o que dizer da chamada Guerra Santa: Israel X Palestina; Irã X Iraque; e muitos outros países que não conseguem encontrar o caminho da paz, com o diálogo sendo quebrado ao som das explosões, dos bombardeios, de inocentes mortos, uma população que não opina e, muitas das vezes, não se envolve, fugindo dessas guerras infames, inventadas e sofridas, principalmente para crianças e idosos. Os jovens estão dentro delas e, muitas das vezes, nem sabem o porquê. Se entregam à morte, acreditando que existirá uma nova vida em seus caminhos.

Nos nossos vizinhos, entre ditaduras e governos desprestigiados, a crise já se abateu sobre Venezuela, Chile e Bolívia. Esse quadro de guerra urbana não está longe de ocorrer em outros países, como na Argentina, que promoveu eleições recentemente. O pavio está pronto para ser aceso em outros lugares. O povo cansou de esperar e vem reagindo da pior maneira possível. As pessoas cansaram de tentar resolver no voto. Não deu certo e, agora, é pelas ruas que as reações estão chegando, gerando o conflito entre o Poder e a população, com pessoas mortas e presas.

E, finalmente, o nosso Brasil. O que dizer dele? Provavelmente, temos todo tipo de problemas. Pobreza ao extremo; um número considerável de desempregados, que só não é maior porque ainda existe um negócio informal sem controle, e ninguém sabe até quando isso vai funcionar assim; uma grande parcela da população sem acesso a saúde e educação; e o pior deles: o roubo institucionalizado. Todo santo dia, a justiça apresenta uma nova fase da operação Lava Jato. Todo dia, a Polícia Federal leva gente para a cadeia, que já anda entupida de políticos e empresários.

Não se sabe até quando esse povo vai ficar preso, pois o Supremo Tribunal Federal está aí para soltá-los, beneficiado pelo entendimento contraditório e beneficiário dos ministros do STF. Afastando a hipótese de tsunami, terremotos e guerras, pelo menos isso, o Brasil, com certeza, é o país mais corrupto do mundo, que sofre com todos os problemas dos outros e acumula muito mais em outras situações, sendo o pior deles a corrupção que ganhou fama e fez escola em muitos governos do PSDB e, especialmente, do Partido dos Trabalhadores, com seus ilustres aliados. Esse sim, é o maior dos problemas.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade