Alagoas, 26 de fevereiro de 2021 24º min 29º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
EMERGÊNCIA

Estados criam auxílio próprio durante a pandemia de coronavírus

Tamara Albuquerque com Metrópoles

17/02/2021 13h01

Auxílio emergencial paga R$ 100 a cada família em extrema pobreza em Alagoas
Agência AlagoasAuxílio emergencial paga R$ 100 a cada família em extrema pobreza em Alagoas

Ao menos 15 estados, além do Distrito Federal, pagaram um auxílio emergencial próprio ao longo do ano passado, após o estopim da crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus. Desses, quatro – Sergipe, Pará, Ceará e Rondônia – continuam pagando o benefício em 2021, uma vez que a pandemia permanece em alta. Há ainda outros quatro estados – Piauí, Maranhão, Amazonas e Alagoas – que criaram um programa próprio apenas neste ano. Por sua vez, Bahia e Rio de Janeiro estudam a elaboração de um benefício estadual.

Em Alagoas, o governador Renan Filho lançou este mês o Cartão CRIA para famílias que vivem na pobreza e extrema pobreza e que possuem gestantes ou crianças de até 6 anos de vida e crianças portadoras da síndrome congênita por zika vírus, também com 6 anos. Neste primeiro momento, já foram cadastradas 9 mil famílias, com gestantes em sua composição, as quais já começarão a receber o benefício este mês.

De acordo com a Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), gestora do cartão, o Governo do Estado quer alcançar cerca de 140 mil famílias cadastradas até o final de 2021. O cartão libera para os beneficiários R$ 100 mensais.

Outras 21 unidades federativas criaram ou estudam criar, durante a pandemia de Covid-19, um programa próprio de transferência de renda. Juntas, somam mais de 3,5 milhões de beneficiários. Os dados fazem parte de levantamento feito pelo Metrópoles com base nos sites oficiais dos governos dos 26 estados, mais o Distrito Federal.

A pesquisa considerou os auxílios criados mesmo em favor de populações limitadas, como catadores de materiais recicláveis, estudantes da rede pública e profissionais da saúde e da segurança pública. Já benefícios fiscais para empresários ou doações de cestas básicas não foram considerados.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade