Alagoas, 21 de outubro de 2020 24º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
PROPOSTA

Anatel pode ser reguladora dos serviços postais após privatização dos Correios

Poder360

27/09/2020 09h09 - Atualizado em 27/09/2020 09h09

Sede dos Correios, em Brasília
Assessoria CorreiosSede dos Correios, em Brasília

Após a autorização do presidente Jair Bolsonaro para estudos com a finalidade de privatizar os Correios, representantes do governo federal já planejam transferir a responsabilidade de regulação e fiscalização dos serviços postais para a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

O Ministério das Comunicações, atualmente chefiado pelo ministro Fábio Faria, tem sob sua aba os serviços dos Correios. O governo pretende passar o segmento de serviços postais à agência, que também regula os serviços de telefonia e internet.

Segundo o ministro Fábio Faria (Comunicações). A pasta deve encaminhar a proposta de privatização ao Congresso Nacional até o fim de 2020. O ministro projeta que a venda pode render até R$ 15 bilhões aos cofres públicos.

“Podíamos fazer uma PEC ou 1 projeto de lei, mas optamos pelo projeto de lei que deve ser finalizado no Ministério das Comunicações nos próximos 15 dias e enviado ao Palácio do Planalto para ajustes. Até o fim do ano, o Executivo terá feito e entregue o seu dever de casa e o projeto estará no Congresso para ser aprimorado pelos deputados e senadores”, disse ele em entrevista ao site Bloomberg, publicada nessa 5ª feira (24.set.2020).

Ao participar de transmissão realizada pelo site de investimentos Traders Club em 16 de setembro, Faria citou 4 empresas que demonstraram interesse nos Correios. São elas: Magazine Luiza; a gigante do e-commerce Amazon; e as especializadas em logística DHL e FedEx.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade