Alagoas, 29 de novembro de 2020 24º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Eleições 2020: jornal Extra e rádio Web Cidadania terão 10 horas de cobertura neste domingo.

Biu de Lira recebeu dinheiro de obra superfaturada

07/09/2011 00h12

A revista IstoÉ denunciou em edição do dia 31 de agosto que o senador Benedito de Lira recebeu da construtora Constran R$ 200 mil em doações para sua campanha eleitoral. A empresa é uma das empreiteiras responsáveis pelas obras de recuperação da BR-101 em Alagoas. No começo de agosto, o periódico já havia denunciado que o Partido Progressista teria repassado outros R$ 979 mil para a campanha do então deputado federal por Alagoas.

O PP tem o controle sobre o Ministério das Cidades desde a gestão do presidente Luís Inácio Lula da Silva. Este ano, o orçamento para a pasta é de R$ 7,6 bilhões, o terceiro maior no governo de Dilma Rousseff. É através desse minis-tério que diversas obras de infraestrutura têm sido realizadas em Alagoas, principalmente no interior do estado. O senador Lira utiliza justamente esses empreendimentos como forma de divulgação de sua atividade política.

O problema é que várias obras financiadas pelo Ministério das Cidades estão sendo consideradas irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A corte fiscalizadora já constatou superfaturamento nos projetos em pelo menos nove estados, mas mesmo assim a pasta controlada pelo PP continua repassando os recursos públicos.

Em Alagoas, o TCU averiguou que as obras de recuperação e manutenção da BR-101 Sul têm sobrepreço de 43%. O projeto, que tem orçamento de R$ 29,8 milhões, ainda apresenta falhas estruturais. O relatório da Corte, entretanto, não impediu que as empresas responsáveis pelo empreendimento parassem de receber recursos. Benedito de Lira se destacou como único parlamentar da bancada alagoana que esteve articulando o repasse da verba junto ao poder público para dar continuidade às obras da rodovia federal.

O curioso é que a empresa Constran, uma das construtoras que está trabalhando no projeto de reparo da BR-101, depositou pomposos R$ 200 mil diretamente na conta de campanha do senador alagoano. Lira ainda conseguiu receber outros R$ 979 mil de seu partido, o PP. A sigla angariou os recursos junto a diversas empresas que têm obras pagas pelo Ministério das Cidades. Só em 2010, as empreiteiras contribuíram com doações oficiais que giram em torno de R$ 15 milhões.


Senador diz que vai processar a revista IstoÉ

Assessoria

O senador Benedito de Lira, acusado pela revista IstoÉ de ter recebido doações de campanha de uma empresa que prestava serviços na duplicação da BR-101, no Estado de Alagoas, considerou a reportagem como "uma canalhice", com visíveis propósitos de prejudicá-lo politicamente.
Segundo o senador, nunca, em tempo algum, a empresa citada na revista prestou ou presta qualquer serviço no âmbito do Estado e muito menos na duplicação da BR-101. "Todas as doações da campanha estão devidamente comprovadas junto ao Tribunal Regional Eleitoral", declarou. Sem querer atribuir a alguém as denúncias, o senador supõe que o trabalho que vem sendo realizado para o desenvolvimento do Estado possa estar incomodando. Mas Lira garante que vai continuar com a missão de permitir que Alagoas possa ter o melhor do seu esforço em benefício da população.

Na quinta-feira, o senador anunciou que está reunindo toda a do-cumentação necessária, inclusive junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em Alagoas, para comprovar que não existe nenhum relacionamento dele com a empresa citada na matéria e, assim, processar a revista IstoÉ por danos morais, que pela segunda vez neste mês tenta denegrir sua imagem. "Os mais de 930 mil votos que obtive nas urnas nas últimas eleições, talvez esteja incomodando a muitos no Estado", considerou.
Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade